• Enviar esta página
  • Imprimir esta página

O Sistema Internacional de Buscas e o CICV

29-10-2009

Desde 1955, o CICV administra o Sistema Internacional de Buscas (SIB – em inglês, International Tracing Service - ITS) em Bad Arolsen, que rastreia vítimas do nazismo e suas famílias. O SIB documenta seus destinos e disponibiliza os arquivos para pesquisa.

     
   
   
       
     
   
    Está procurando um familiar desaparecido?

        Veja também:     atividades do CICV destinadas a restabelecer laços familiares e     os arquivos do CICV
     
                       
 
     
          O Sistema Internacional de Buscas (SIB) em Bad Arolsen, Alemanha, ajuda os sobreviventes da perseguição nazista e seus familiares, documentando seu destino através dos arquivos gerenciados por esta organização. Com o trabalho de cerca de 300 funcionários, o SIB preserva os registros históricos e os disponibiliza para pesquisa. Se alinhados, os arquivos somariam 26 km de documentos contendo informações do destino de cerca de 17,5 milhões de pessoas.

O SIB fornece informações sobre:

  • Alemães, ou não, detidos em campos de concentração nazistas ou de trabalho ou outros centros de detenção no período de 1933 a 1945.

  • Vítimas do Holocausto.

  • Pessoas que não sejam alemãs que serviram de trabalhadores forçados no território do Terceiro Reich durante a Segunda Guerra Mundial.

  • Pessoas deslocadas que, após a Segunda Guerra Mundial, estiveram sob o cuidado de organizações de ajuda humanitária internacional (Administração de Assistência Reabilitação das Nações Unidas – UNRRA, Organização Internacional dos Refugiados, IRO).

  • Filhos (isto é, menores de 18 anos de idade no final da Segunda Guerra Mundial) das pessoas que pertencem aos grupos mencionados acima e que foram deslocados ou separados de seus pais como consequência da guerra.

     
© ITS 
   
 
         

Os arquivos não possuem documentos de civis alemães que fugiram ou foram expulsos de territórios ocupados por forças alemãs.

Em 1955, a Comissão Internacional do Serviço Internacional de Buscas confiou a gestão deste serviço ao CICV. A decisão foi motivada pelo caráter neutro e independente da organização e por sua experiência em rastreamento. Desde então, o CICV gerencia o SIB através da indicação de um delegado do CICV para o cargo de diretor do serviço. Antes de 1955, o SIB, criado antes do final da Segunda Guerra Mundial por uma iniciativa britânica, inicialmente era administrado pelas Forças Expedicionárias Aliadas e, mais tarde, pela Organização das Nações Unidas para Assistência e Reabilitação, pela Organização Internacional dos Refugiados e pelos Aliados do Alto Comissariado para a Alemanha.

Por décadas, o SIB teve um mandato limitado de buscar civis vítimas da perseguição nazista e de esclarecer o paradeiro dessas pessoas. Também emitiu certificados para o pagamento de pensões e indenizações e apoiou o trabalho das autoridades legais. Em 2007, os 11 membros da Comissão Internacional para o SIB recon heceram a necessidade de também disponibilizar estes importantes arquivos para a investigação e tomaram a histórica decisão de abrir os arquivos ao público.

     
© ITS/R. Ehrlich 
   
Fotos deixadas para trás por alguns dos milhões de pessoas que não sobreviveram à devastação do Terceiro Reich. 
         

Nos próximos anos, não será mais possível obter depoimentos diretos de sobreviventes da perseguição nazista. Portanto, esses documentos únicos armazenados em Bad Arolsen representarão um papel vital que servirão de testemunhos desse capítulo escuro da história humana. Ao mesmo tempo, o SIB continuará com seu trabalho tradicional de fornecer informações aos sobreviventes e a suas famílias enquanto continuar recebendo solicitações.

Baseando-se no trabalho de seu Grupo de Estudo Estratégico, que foi designado para trabalhar no futuro mandato e estrutura organizacional do SIB, a Comissão Internacional endossou o texto dos primeiros dois novos Acordos sobre o Serviço Internacional de Busca para substituir os dois Tratados de Bonn, de 1995, e suas emendas de 2006. Isso foi necessário depois que o CICV anunciou, em 2008, seu desejo de se afastar da gestão e da administração do SIB. Um novo Ac ordo apresentará formalmente as tarefas adicionais do SIB, como pesquisa, memória, comemoração e educação, desse modo ampliando o mandato de busca incial existente.

Com o afastamento do CICV previsto para o final de 2012, a Comissão Internacional identificou os Arquivos Federais Alemães como novo Parceiro Institucional, que representará um importante papel no gerenciamento do SIB com seu mandato ampliado. Nos próximos anos, o Grupo de Estudo Estratégico continuará seu trabalho e o rascunho de um segundo acordo especificando os termos exatos sob os quais o SIB trabalhará junto com os Arquivos Federais Alemães.

  Marcos recentes do SIB:  

  Maio de 2006 : A Comissão Internacional decide abrir os arquivos ao público para pesquisa e concorda com as Emendas dos Acordos de Bonn de 1955, que representam a base jurídica para o SIB.

     

  Agosto de 2007 : As primeiras cópias digitais de documentos de encarceramento são transferidas para os arquivos dos Estados-membros da Comissão Internacional. É lançado o site do SIB.

  Novembro de 2007 : São ratificadas as Emendas do Acordo de Bonn, de 1955. Abertura do arquivo para pesquisa. Relançamento do arquivo do SIB.

  Março 2008 : Reunião Técnica da Comissão Internacional em Bad Arolsen; cópias digitais dos cartões de cadastro relativos aos Deslocados são entregue aos arquivos nos Estados-membros.

  30 de abril de 2008 : Uma cerimônia marca a abertura dos arquivos do SIB em Bad Arolsen.

  Maio de 2008: A Comissão Internacional abre o debate sobre o futuro da instituição em sua reunião anual em Varsóvia.

  Junho 2008: Oficina em conjunto com o Museu Memorial do Holocausto, localizado nos Estados Unidos, envolvendo 15 historiadores de todas as partes do mundo.

  Agosto de 2008 : São entregues cópias digitais de documentos sobre o trabalho forçado aos arquivos.

  Novembro de 2008 : Desde sua abertura ao público, 1,3 mil visitantes de 24 países já estiveram no SIB, incluindo 330 pesquisadores, 100 jornalistas e 290 membros de famílias e vítimas da perseguição nazista. Um total de 11,3 mil consultas de 77 países chegou ao SIB, das quais cerca de um quarto (2.920) vieram de estudantes e jornalistas.

  Dezembro 2008 : Novo arquivista lança projeto para melhorar a classificação dos documentos do SIB.

  Maio de 2009 : A Comissão Internacional continua as discussões sobre o futuro mandato e a estrutura organizacional do SIB

  Maio de 2010: A Comissão Internacional endossa o texto dos primeiros dois novos acordos para substituir o Acordo de Bonn, de 1955, seu Anexo e suas emendas, desse modo definindo o novo mandato e estrutura organizacional do SIB. A Comissão continuará discutindo um segundo acordo que especifica os termos sob os quais o SIB trabalhará em conjunto com os Arquivos Federais Alemães, que representarão o papel de parceiro institucional depois do afastamento do CICV, previsto para o final de 2012.