• Enviar esta página
  • Imprimir esta página

Novo site de laços familiares: uma ajuda para o reencontro durante crises

13-11-2012 Entrevista

O CICV acaba de lançar um novo website que possibilita que pessoas separadas por conflitos ou desastres voltem a se contatar. O chefe adjunto da Agência Central de Busca e Divisão de Proteção do CICV, Oliver Dubois, explica porque o website foi criado e como aumentará as chances das pessoas encontrarem as pessoas que estão buscando.

Por que o CICV criou um novo website, familylinks.icrc.org?

O website foi criado para atender a necessidade básica de milhões de pessoas no mundo inteiro que se encontram dispersas devido a guerras, desastres, migrações e outras emergências: a necessidade de voltar a contatar um ente querido, seja pela simples troca de palavras de conforto ou seja pelo reencontro com um parente que cuidará do outro. 

Desenvolvemos este website simples e fácil de usar junto às sociedades nacionais da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho para as pessoas que queiram reencontrar seus familiares durante ou após uma crise. As pessoas que buscam um parente, onde quer que estejam, agora poderão ter acesso a uma série de serviços personalizados a partir de poucos cliques ao entrarem na página. 

Em primeiro lugar, acreditamos que, com o lançamento deste website, um número muito maior de pessoas saberá da disponibilidade e da maneira de obter os serviços de busca do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho. Talvez tenhamos um aumento dos pedidos que recebemos e com isso as Sociedades Nacionais e o CICV poderão responder. Esperamos que a conscientização e compreensão da população, bem como seu apoio ao serviço, sejam fortalecidos. 

Pode explicar um pouco mais sobre a abrangência disso? É possível ter uma ideia de quantas pessoas são afetadas? 

A separação de pessoas é uma questão humanitária que aparece de modo agudo sempre que ocorrem guerras e desastres, destruindo as vidas das famílias com consequências duradoura que perduram, muitas vezes, por décadas. Afeta as pessoas em circunstâncias muito distintas e de todas as faixas etárias. Para alguns, a separação diminui ou, possivelmente, elimina de vez todas as chances de sobrevivência. 

Em Uganda, as crianças que fugiram dos combates na República Democrática do Congo, no ano passado, ainda esperam ser reunidas com suas famílias e comunidades na sua terra natal. Na Jordânia, os refugiados sírios estão ansiosos para voltarem a ter contato com seus parentes que ficaram para trás. Cada situação é diferente e tem seus próprios desafios, mas a verdade é que as pessoas resistem melhor se puderem permanecer juntas durante tempos árduos e todo esforço possível deve ser feito para ajudá-las nisso. 

Por exemplo, a cifra global dos novos pedidos de busca que o CICV recebeu em 2011 é de 12.700, feitos por famílias que buscam seus parentes. No mesmo ano, com a ajuda das sociedades nacionais, facilitamos quase 220 mil chamadas telefônicas entre familiares no mundo inteiro. Também ajudamos a reunir cerca de mil e quinhentas crianças com suas famílias.

 

Poderia explicar como funciona, de modo concreto, o website? 

O website fornece informações sobre os serviços disponíveis em todas as regiões do mundo e os dados de contato local da Sociedade Nacional e do CICV, sempre que este for operacional. 

Em certos casos, o website pode oferecer a oportunidade de iniciar a solicitação on line, ou seja, iniciar um pedido de busca em tempo real. Os “critérios de aceitação” para um pedido, que por primeira vez são explicados claramente à população, não são os mesmos em todos os lugares. As diferenças com que os pedidos são tratados se devem principalmente à realidade no terreno, às diferenças nas capacidades dos integrantes da rede da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, à logística correspondente e à situação de segurança. Ao mesmo tempo, os serviços do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho seguem certos princípios que são os mesmo em todo o mundo. 

Antes desse website, outros foram criados sempre que ocorresse uma crise. Qual é a diferença real do familylinks.icrc.org? 

O que faz esse website único e melhor que outros serviços digitais é a possibilidade de uma forte interação com as pessoas que buscam restabelecer contato com seus parentes. É oferecido um seguimento personalizado aos pedidos pelas equipes do CICV e das Sociedades Nacionais em todo o mundo. Nenhuma outra organização consegue isso. 

O novo site familylinks.icrc.org foi elaborado com base na experiência adquirida durante anos. Antes, costumávamos criar websites específicos quando ocorria um desastre ou começava um conflito, onde as pessoas podiam colocar mensagens de “são e salvo”, consultar nomes de pessoas desaparecidas e solicitar notícias sobre as pessoas que buscavam. Somente em 2003, os usuários publicaram 83 mil nomes nesses sites. Assim foi feito no conflito dos Bálcãs nos anos noventa, nos terremotos do Haiti e Japão e nos conflitos do Iraque, Nepal e Somália. Alguns desses websites foram fechados quando as crises terminaram. Agora, o novo website permanecerá on line todo o tempo e cobrirá todos os contextos no mundo inteiro. 

Como os dados pessoais serão protegidos? 

A proteção dos solicitantes, das pessoas buscadas e seus dados pessoais é uma grande preocupação para nós. Os dados somente poderão ser modificados por pessoal qualificado da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho. Esta é uma grande diferença com os websites gerenciados por outras organizações que regularmente colocam dados na internet que todos podem ver e modificar sem controle. 

Haverá outros idiomas além do inglês? 

Por agora, o site está disponível somente em inglês, com exceção da lista de desaparecidos disponível nos idiomas locais, mas estamos trabalhando em outras versões, como francês e espanhol, com previsão de árabe no futuro. Contudo, disponibilizaremos seções e páginas selecionadas em outras línguas como chinês, russo, português, urdu, farsi, tâmil e swahili, por exemplo. Nosso objetivo é fazer esse site verdadeiramente multilíngue, adaptado às mudanças dos contextos onde atuamos.