Página arquivada:pode conter informações antigas
  • Enviar esta página
  • Imprimir esta página

República Democrática do Congo: CICV profundamente consternado pelos ataques

08-08-2012 Comunicado de imprensa 12/163

Genebra/Kinshasa (CICV) – Com os confrontos no leste da República Democrática do Congo intensificando-se nos últimos três meses, um número cada vez maior de civis torna-se vítima da violência.

“Embora a situação na região dos Kivus venha sendo frágil e problemática por vários anos, o abuso que vemos, nos últimos meses, contra a população civil é extremamente preocupante e contrário a todos os princípios humanitários fundamentais,” afirmou o chefe da delegação do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) em Kinshasa, Franz Rauchenstein. “Além disso, a natureza cada vez mais étnica da recente violência provoca grande consternação.”

Além dos combates e da falta de segurança global nos Kivus do Norte e do Sul, as características de certos ataques também colocam em perigo o acesso dos feridos e doentes à assistência à saúde.

“Às vezes, basta querer resgatar um ferido, tido por uma das partes enfrentadas como um inimigo, para se colocar em perigo,” declarou Rauchenstein.

Os saques dos centros de saúde estão se tornando mais frequentes, privando comunidades inteiras da assistência médica, em alguns casos por várias semanas.

“É fundamental que os feridos, doentes e outras pessoas afetadas seriamente pelo conflito sejam atendidas – e isso não pode ser feito sem um mínimo de segurança,” acrescentou Rauchenstein. “As equipes médicas estão fazendo um trabalho extraordinário com o mínimo de recursos, em condições cada vez mais difíceis. Elas têm que lidar com levas de deslocados apesar de estarem eles mesmos em uma situação extremamente vulnerável.”

Por várias semanas, os voluntários da Cruz Vermelha da República Democrática do Congo enfrentaram sérios riscos quando se empenharam em sepultar as pessoas mortas nos confrontos, após tentarem identificá-las.

Junto com essa sociedade nacional da cruz vermelha, o CICV ajuda os civis na região dos Kivus, inclusive em áreas de difícil acesso. Fornece material médico aos centros de saúde e hospitais para que possam lidar com o fluxo de vítimas e realizar seu trabalho mesmo se tenham sido saqueados. As equipes da organização transferem, de modo regular, os pacientes feridos aos hospitais de Goma e Bukavu.

Os serviços de assistência à saúde básica, como imunizações e consultas pré-natal, também são fonte de preocupação. Nas áreas remotas dos Kivus do Norte e do Sul, mais de 2,5 mil crianças menores de cinco anos foram imunizadas e cerca de mil pacientes atendidos pelas equipes.

Os delegados do CICV mantêm contatos regulares com as partes em vários conflitos para lembrá-los dos princípios fundamentais do Direito Internacional Humanitário. Reforçam, junto às forças armadas da República Democrática do Congo e grupos armados, o requisito de proteção e salvaguarda dos civis, bem como o de não atacar as equipes de assistência à saúde e os trabalhadores humanitários, permitindo que eles prestem ajuda sem distinção a todos os que a necessitam. Ainda, o CICV realiza capacitação em primeiros socorros para as partes em conflito, de modo que os feridos possam receber, de maneira rápida, o atendimento de emergência adequado.

Mais informações:
Ananie Kulimushi, CICV Goma, tel.: +243 81 700 77 86
Marie-Servane Desjonquères, CICV Genebra, tel.: +41 22 730 31 60 ou +41 79 536 92 58


Foto

RD do Congo. Um parente segura a mão de um paciente com ferimentos de guerra em um hospital de Goma. 

RD do Congo. Um parente segura a mão de um paciente com ferimentos de guerra em um hospital de Goma.
© CICV / Phil Moore