Página arquivada:pode conter informações antigas
  • Enviar esta página
  • Imprimir esta página

Colômbia: presidente do CICV manifesta compromisso de prestar ajuda humanitária enquanto for necessária

15-02-2013 Comunicado de imprensa 13/25

Genebra / Bogotá (CICV) – Peter Maurer, presidente do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), terminou ontem uma visita de quatro dias na Colômbia, país onde a organização realiza a sua mais ampla operação humanitária no continente americano.

Maurer se reuniu com o presidente e o vice-presidente de Colômbia, assim como com os ministros das Relações Exteriores, da Defensa e da Justiça e, entre outros, com o Alto Comissionado para a Paz. Também visitou lugares afastados na região de Putumayo, para ver em primeira mão as consequências que a violência armada ainda tem na população local.

"Fiquei muito preocupado ao ver que, longe da opulência das cidades, existe outra Colômbia, onda a população está isolada dos serviços básicos para atender as suas necessidades: água potável, assistência à saúde e educação", disse Maurer. "Também carecem de oportunidades no plano econômico. Fiquei profundamente comovido com as histórias das famílias deslocadas que há anos sofrem por causa da violência nessa região afastada do país."

"Além disso, considero que os voluntários da filial local da Cruz Vermelha que conheci são homens e mulheres que trabalham com muita entrega", declarou. "Alguns dedicam a vida inteira a levar esperança e alívio a comunidades rurais remotas e outras regiões onde não existem serviços suficientes."

Depois de conversar com as comunidades locais ao longo do rio Piñuña Negro, em Putumayo, o presidente do CICV disse: "Percebo que a população local quase sempre fica isolada entre o exército e diferentes grupos armados. Ademais, os artefatos explosivos improvisados e outros resíduos explosivos de guerra apresentam um perigo constante para a população civil. Fui informado sobre vários incidentes nos quais homens, mulheres e crianças morreram ou ficaram gravemente feridos. Os parentes que estão fora desses vilarejos vivem aterrorizados. Têm acesso limitado - ou nenhum - às escolas, aos centros de saúde ou aos mercados locais. A situação é desesperante."

Maurer elogiou a firme relação de trabalho entre o CICV e o governo colombiano, assim como com as demais partes em conflito. "Fico muito satisfeito com o fato de que é plenamente possível realizar um trabalho humanitário neste país. A nossa organização pode chegar às pessoas necessitadas e desempenhar o seu mandato, neutro e imparcial."

O CICV continuará adaptando a sua ação, a fim de permanecer perto dos novos desafios e realidades que se enfrentam na Colômbia. A organização também está disposta a prestar apoio aos esforços locais e a contribuir para melhorar a aplicação da legislação existente cuja finalidade é proporcionar ajuda, de melhor maneira e de forma mais inclusiva, a todas as vítimas do conflito e da violência armada.

Mais informações:
María Cristina Rivera, CICV, Bogotá, tel.: +57 311 491 07 75
Patricia Rey, CICV, Bogotá, +57 311 491 07 89
Alexis Heeb, CICV, Genebra, tel.: +41 79 218 76 10
Carla Haddad Mardini, CICV, Genebra, tel.: +41 79 217 32 26