• Enviar esta página
  • Imprimir esta página

Líbia: equipe cirúrgica do CICV está a caminho de Trípoli

25-08-2011 Relatório de operações

À medida que o conflito continua e os hospitais lutam para lidar com o fluxo de pessoas feridas, uma equipe cirúrgica do CICV está a caminho de Trípoli. Muitas pessoas foram detidas na cidade e o CICV está aumentando seus esforços para verificar suas condições.

Hundreds of casualties and detainees in Tripoli

"Fighting is still going on in several parts of the city, notably in and around the Abu Salim area," said George Comninos, the head of the ICRC delegation in Tripoli. "Since Monday we have seen many wounded people in medical facilities and dozens of dead bodies."

A surgical team, comprising a surgeon, an anaesthetist and two nurses, is set to arrive in Libya's capital tomorrow, 26 August, in a convoy that will also bring in more medical supplies. A second team, set up with support from the Finnish Red Cross, should follow a day later.

"So far, we have delivered enough medical supplies to treat at least 500 people, but there are likely to be many more casualties," said Mr Comninos. "We are increasingly concerned about the inability of medical personnel to reach hospitals. Abu Salim Trauma Centre, which is in an area where fighting is taking place, simply cannot function because of a lack of staff."

In recent days, the ICRC has distributed surgical equipment, intravenous fluids, dressing materials and other medical items to treat wounded people in the three main hospitals and in several private clinics in Tripoli. Further distributions will take place over the coming days.

"We have received reports of numerous arrests, including of foreign nationals. We call on the fighters who hold these people to treat them correctly," said Mr Comninos. "Although we have managed to visit some detainees, we need to rapidly obtain access to many more, probably hundreds more. For the time being, many people are in the hands of local commanders. We are intensifying our contacts at all levels to gain access to the detainees and have them brought to well-identified places of detention."

The ICRC is also keeping a close eye on the availability of food and water in the Libyan capital and on the needs of displaced people there. In several parts of the city, the security situation is preventing many people from leaving their homes. In addition, supplies are running short.

In the coming days, the ICRC hopes to be working closely with the Libyan Red Crescent to meet these and other needs.

Medical supplies in short supply throughout the country

"Medical facilities across the country have been hit by shortages of drugs and other medical items," said Mr Comninos. "There is an urgent need to bring in oxygen and external fixators for fractured limbs. We distributed external fixators last week in three hospitals in Tripoli, but the shortage is huge. We really hope these items can be imported quickly."

In recent weeks, the ICRC has airlifted 40,000 doses of vaccine against measles to Sabha, in the south-western part of the country. The vaccine is being used in an ongoing programme to immunize people in the area in the area, children especially. The ICRC has also delivered medical supplies in other towns affected by the armed conflict, such as Al Zawiyah, Misrata, Benghazi and several towns in the Jebel Nefusa mountains south of Tripoli.

Dire situation in Brega and elsewhere in the country

Fierce fighting that has taken place around Misrata, mainly in Tawargha and Zlitan, has resulted in new waves of displacement and in large numbers of casualties, mainly among fighters. Hospitals have been under pressure and have had difficulty coping with the many injured people.

ICRC staff today managed to visit Brega, the scene of recent heavy fighting. "It looked like a ghost town," said Ghafar Bishtawi, an ICRC delegate. "We could only see a few people coming to check on their houses and properties, then returning to Ajdabiya, Benghazi and other towns to which they had fled. There is no water or electricity, which means of course that they cannot return home anytime soon. The hospital is not functional. Nobody is there."

In Brega and places nearby, such as Bishr and Ras Lanuf, the ICRC and Libyan Red Crescent volunteers assessed the extent of weapon contamination. At checkpoints in and around Brega, they distributed information to raise awareness of the danger posed by unexploded ordnance.

Furthermore, electrical cables were delivered to Al Kufra in the south for emergency repairs and a pump was installed to provide water for 250 families living in Al Beydan.

Assistance for people returning to the Nefusa mountains

Libyan refugees in Tunisia and people displaced within Libya itself are returning to their homes in many areas in the Jebel Nefusa, including Zintan, Nalut and Yefren. The returnees' lives were disrupted by the armed conflict and they need help starting over again. The ICRC distributed 3,000 hygiene parcels to returnees in Jadu, Nalut and Zintan. Some 18,000 cans of food were also distributed in the same areas to supplement protein intake.

Unexploded ordnance left behind after the heavy fighting in the Nefusa mountains is a constant danger for civilians as they return. An ICRC explosive ordnance disposal team is working to remove the devices from houses and other dwellings, where they are most dangerous. These efforts, combined with awareness-raising in the communities, are intended to prevent civilians from coming into contact with unexploded devices.

In Nalut, electricity was cut for more than a week in early August. With help from the local branch of the Libyan Red Crescent, and working in cooperation with the local authorities and those in neighbouring Tunisia, the ICRC managed to have the power plant restarted. With electricity back, the water supply and the cold chain were restored, and a potentially disastrous situation was averted.

The ICRC's role as a neutral intermediary

"Access for our staff to various parts of Tripoli remains uneven because of the fighting," said Mr Comninos. "However, checkpoint personnel mostly recognize the red cross emblem and are increasingly aware of our neutral humanitarian work. So they let us through. For now, we are more concerned about the access of hospital staff to their workplaces."

Thanks to its recognized role as a neutral intermediary, the ICRC managed to evacuate 33 journalists and two other foreign nationals from the Rixos Hotel in Tripoli on 24 August. Those evacuated, who had been unable to leave the hotel for several days, were taken to a safer location.

The ICRC continues to visit ever more people held in three places of detention in Benghazi and in five facilities in Misrata. The aim of the visits is to monitor the conditions in which the detainees are being held and the treatment they receive, and to give them the opportunity to exchange messages with their families.

The ICRC continues to remind all parties to the conflict of their obligation under international humanitarian law to protect civilians, health-care personnel and facilities, and people who are sick or wounded, or detained.

The ICRC now has 60 staff, including 20 expatriates, based in Tripoli, where it has been working since April. It also has permanent offices in Benghazi, Misrata and Jadu in the Nefusa mountains.

For further information, please contact:
Dibeh Fakhr, ICRC Benghazi, tel: +870 772 390 124
Robin Waudo, ICRC Tripoli, tel: +881 622 435 156 or +218 913 066 198
Steven Anderson, ICRC Geneva, tel: +41 79 536 92 50 or +41 22 730 20 11

     
    ©CICV / A. Liohn 
   
Ras Lanuf, Líbia. Médicos evacuam uma vítima do conflito. 
               
    ©CICV / R. Waudo 
   
Aeroporto de Sabha, Líbia. Equipe descarrega vacinas contra sarampo. 
               

  Centenas de vítimas e detidos em Trípoli  

" O conflito ainda continua em diversas partes da cidade, sobretudo na área de Abu Salim e arredores " , disse o chefe da delegação do CICV em Trípoli, George Comninos. " Desde segunda-feira vemos muitos feridos nos estabelecimentos médicos e dezenas de cadáveres " .

Uma equipe cirúrgica - composta por um cirurgião, um anestesistas e dois enfermeiros - deverá chegar à capital líbia amanhã, 26 de agosto, em um comboio que também levará mais suprimentos médicos. Uma segunda equipe, que deverá apoiar a Cruz Vermelha Finlandesa, deverá seguir um dia depois.

" Até o momento, entregamos suprimentos médicos suficientes para atender pelo menos 500 pessoas, mas provavelmente há mais vítimas " , disse Comninos. " Estamos cada vez mais preocupados com a impossibilidade dos profissionais médicos de chegarem aos hospitais. O Centro Traumatológico de Abu Salim, que está em uma área onde os conflitos estão acontecendo, simplesmente não pode funcionar por falta de funcionários " .

Nos últimos dias, o CICV distribuiu equipamentos cirúrgicos, fluidos intravenosos e outros artigos para tratar pessoas feridas aos três principais hospitais e a várias clínicas privadas em Trípoli. Outras distribuições serão feitas nos próximos dias.

" Recebemos relatos de diversas capturas, incluindo cidadãos estrangeiros. Pedimos aos beligerantes que detêm essas pessoas que as tratem corretamente " , disse Comninos. " Embora tenhamos conseguido visitar alguns detidos, precisamos obter acesso rápido a muitos mais, provavelmente uma centena mais. Por enquanto, muitas pessoas estão nas mãos de comandantes locais. Estamos intensificando nossos contatos em todos os níveis para obter acesso aos detidos e levá-los a centros de detenção bem-identificados”.

O CICV também está prestando atenção na disponibilidade de alimentos e água na capital líbia e nas necessidades das pessoas deslocadas aí. Em várias partes da cidade, a situação de segurança impede as pessoas de deixarem suas casas. Além disso, os suprimentos são cada vez mais escassos.

Nos próximos dias, o CICV espera estar trabalhando de perto com o Crescente Vermelho Líbio para atender essa e outras necessidades.

  Escassez de suprimentos médicos em todo o país  

" Os estabelecimentos médicos em todo o país foram atingidos pela falta de remédios e de outros artigos médicos " , disse Comninos. " Houve uma necessidade urgente de levar oxigênio e fixadores externos para membros fraturados. Distribuímos fixadores externos na semana passada em três hospitais em Trípoli, mas a falta é enorme. Realmente esperamos que esses artigos possam ser importados o quanto antes " .

Nas últimas semanas, o CICV transportou por via aérea 40 mil doses de vacina contra sarampo a Sabha, no sudoeste do país. A vacina está sendo usada em um programa corrente de imunização de pessoas na área, sobretudo as crianças. O CICV também está levando suprimentos médicos a outras cidades afetadas pelo conflito armado, como Al Zawiyah, Misrata, Benghazi e outras cidades nas montanhas de Jebel Nefusa, ao sul de Trípoli.

  Situação calamitosa em Brega e outras partes do país  

O conflito feroz que acontece nos arredores de Misr ata, sobretudo em Tawargha e Zlitan, resultou em uma nova onda de deslocamentos e um grande número de vítimas, a maioria entre os beligerantes. Os hospitais estão sob pressão e têm dificuldade de lidar com os muitos feridos.

A equipe do CICV hoje conseguiu visita Brega, palco de um intenso confronto recente. " Parecia uma cidade fantasma " , disse o delegado do CICV Ghafar Bishtawi. " Só vimos ver algumas poucas pessoas que voltavam para ver suas casas e seus pertences, depois voltam para Ajdabiya, Benghazi e outro as cidades para onde fugiram. Não há água e eletricidade, o que significa que eles não poderão voltar em curto prazo. O hospital não funciona. Não tem ninguém lá " .

Em Brega e lugares próximos, como Bishr e Ras Lanuf, o voluntários do CICV e do Crescente Vermelho Líbio avaliaram extensão da contaminação de armas. Nos pontos de postos de checagem em Brega e arredores, eles distribuem informações para aumentar a conscientização do perigo imposto pelo material bélico não detonado.

Além disso, os cabos elétricos foram levados Al Kufra no sul para consertos de emergência e uma bomba foi instalada para levar água a 250 famílias que vivem em Al Beydan.

  Assistência para as pessoas que voltam para as montanhas de Nefusa  

Os refugiados líbios na Tunísia e as pessoas deslocadas dentro da Líbia em si estão voltando para suas casas em muitas áreas em Jebel Nefusa, incluindo Zintan, Nalut e Yefren. As vidas das pessoas que voltam são desestruturadas pelo conflito armado e elas precisam começar de novo. O CICV distribuiu três mil kits de hygiene para as pessoas que voltam em Jadu, Nalut e Zintan. Cerca de 18 mil latas de alimentos também foram distribuídas nas mesmas áreas para aumentas a ingestão de proteínas.

O material bélico não detonado deixado para trás após o conflito intenso nas montanhas de Nefusa é um perigo constante para os civis que voltam. Uma equipe do CICV de descarte está trabalhando para remover os artefatos das casas e de outras moradias, onde são mais perigosos. Esses esforços, combinados com o aumento da consciência nas comunidades, têm como intenção impedir que os civis entrem em contato com os artefatos não detonados.

Em Nalut, a eletricidade foi cortada há mais por mais de uma semana no início de agosto. Com a ajuda da filial local do Crescente Vermelho Líbio, e em cooperação com as autoridades locais e da vizinha Tunísia, o CICV conseguiu fazer funcionar de novo a usina elétrica. Com a eletricidade de volta, o fornecimento de água e a cadeira de frio foram restabelecidos e uma potencial situação de desastre foi evitada.

  O papel de intermediário neutro do CICV  

" O acesso de nossa equipe a várias partes de Trípoli continua desigual devido ao conflito " , disse Comninos. " No entanto, as pessoas nos pontos de checagem quase sempre reconhecem o símbolo da cruz vermelhe e a estão cada vez mais conscientes do trabalho humanitário neutro do CICV. Por isso, nos deixam passar. Por enquanto, estamos mais preocupados sobre o acesso das equipes dos hospitais a seus lugares de trabalho " .

Graças a seu reconhecido papel como intermediário neutro, o CICV conseguiu evacuar 33 jornalistas e outros dois cidadãos estrangeiros do Hotel Rixos, em Trípoli, no dia 24 de agosto. Os evacuados, que não podia deixar o hotel há vários dias, foram levados para um lugar mais seguro.

O CICV continua visitando as pessoas mantidas nos três centros de detenção em Benghazi e nos outros cinco em Misrata. O objetivo das visitas é monitorar as condições nas quais os detidos são mantidos e o tratamento que recebem, e dar-lhes a oportunidade de trocar mensagens com se us familiares.

O CICV continua lembrando a todas as partes envolvidas no conflito de sua obrigação segundo o Direito Internacional Humanitário de proteger os civis, os profissionais e os estabelecimentos de assistência à saúde e as pessoas que estão doentes ou feridas, ou detidas.

O CICV tem agora 60 funcionários, incluindo 20 internacionais, baseados em Trípoli, onde trabalha desde abril. Também tem escritórios permanentes em Benghazi, Misrata e Jadu, nas montanhas de Nefusa.

  Mais informações:  

  Dibeh Fakhr, CICV Benghazi, tel: +870 772 390 124  

  Robin Waudo, CICV Trípoli, tel: +881 622 435 156 ou +218 913 066 198  

  Steven Anderson, CICV Genebra, tel: +41 79 536 92 50 ou +41 22 730 20 11