• Enviar esta página
  • Imprimir esta página

República Democrática do Congo: civis encurralados pelo conflito no leste do país

02-07-2012 Relatório de operações

Desde o início de maio, a situação de segurança na região dos Kivus vem deteriorando em muitas frentes. No território Rutshuru, no leste do Kivu do Norte, as pessoas da região fugiram dos combates em grandes números. Veja abaixo a entrevista em vídeo com a chefe da subdelegação do CICV no Kivu do Sul, Laetitia Courtois.

Alguma vezes, elas tiveram que deixar para trás aqueles que não podiam empreender a viagem. Nos territórios de Walungu, Shabunda, Kalehe, Walikale e Masisi, onde grupos armados também se enfrentam, os ataques indiscriminados contra os civis, em áreas de difícil acesso, estão atrasando a chegada da ajuda.
“As pessoas obrigadas a fugirem dos ataques, que são às vezes extremamente violentos, estão em uma situação bastante preocupante. Crianças, idosos e mulheres são os mais atingidos,” afirmou o chefe da delegação do CICV na República Democrática do Congo, Franz Rauchenstein. “Recentemente, uma mulher foi levada ao hospital após ter sido estuprada na frente do seu filho. Além de ter sido violentada por vários homens armados, ela foi esfaqueada e mutilada. O caso é lamentável, mas não é único. Você pode imaginar o trauma sofrido pelas vítimas.”
O CICV está extremamente preocupado com os combates que não poupam os civis, apesar de estes não participarem do conflito. A organização continua contatando as várias partes envolvidas com a finalidade de promover o respeito pela vida e dignidade da população civil.
Além disso, o CICV continua visitando detidos nos centros de detenção civis e militares nas duas regiões do Kivu, de modo a assegurar que eles sejam tratados com humanidade e mantidos em condições decentes. Monitora individualmente as pessoas detidas, em relação ao conflito, pelas forças armadas da República Democrática do Congo ou por grupos armados.

 

Entrevista com Laetitia Courtois, chefe da subdelegação do CICV no Kivu do Sul

Áreas isoladas pela falta de segurança e pela distância

As regiões montanhosas ou com florestas são o cenário da violência armada recorrente. É muito difícil para as organizações humanitárias, incluindo o CICV, chegarem até essas áreas.  Os relatos que contam os deslocados que conseguem chegar até os centros urbanos são extremamente perturbadores.

“O trauma relacionado com uma partida às pressas, além da falta de comida e outros artigos de primeira necessidade, não deve ser subestimado,” explicou Rauchenstein. “O medo de se tornar vítima da violência ou de voltar a ser atacado, para aqueles que sobreviveram, é muito estressante.”

Desde o início de junho, o CICV ingressou em áreas isoladas, em várias ocasiões, para levar remédios, materiais para curativos e mosquiteiros, evacuar os feridos e vacinar mais de 1,7 mil crianças menores de cinco anos de idade contra sarampo, pólio e febre amarela. A comida e a lona destinada às pessoas deslocadas foram ou estão sendo distribuídas. Em Kalonge, no território Kalehe do Kivu do Sul, o CICV está distribuindo alimentos para 20 mil pessoas em porções de 60 quilos por família.

Treinamento de grupos armados

Desde o começo de junho, o CICV oferece treinamento em primeiros socorros em parceria com a Cruz Vermelha da República Democrática do Congo para 75 membros de grupos armados que atuam nas duas províncias do Kivu. Foi feita uma conscientização sobre princípios humanitários e normas básicas do Direito Internacional Humanitário (DIH) para outros 80 membros.
Situação no território Rutshuru

Com a concordância das forças armadas da República Democrática do Congo e do Movimento 23 de Março, o CICV realizou um trabalho humanitário, nas últimas semanas, nas áreas afetadas pelos combates. Um total de 28 civis, incluindo idosos que não puderam sair das áreas afetadas pelos bombardeios, foi evacuado. A organização também evacuou 17 vítimas (15 militares e dois civis) ao hospital de referência de Rutshuru, além de fazer consertos urgentes nas tubulações danificadas para restabelecer o abastecimento de água para a população de Bunagana e reformar os canos que abastece o hospital de Rwanguba.

Nas últimas semanas, nas duas províncias de Kivu, o CICV também:

  • Prestou atendimento médico, desde o início de maio, para cerca de 300 pessoas recém feridas nos combates, incluindo aproximadamente 100 civis, nos centros apoiados pela organização, em Goma, e evacuou de Bukavu cerca de 30 feridos, tratando-os;
  • Distribuiu comida, na semana passada, para cerca de 7,5 mil deslocados em Loashi e Kaanja, no território Masisi do Kivu do Norte. Em 3 de julho iniciará a entrega de artigos domésticos essenciais para cerca de 10 mil deslocados em Katoye, também neste território, continuando a cadastrar outros deslocados na área, para prestar ajuda emergencial;
  • Construiu latrinas nos locais para deslocados em Bunagana, Kalengera, Kinyoni, Rubare e Ntamugenga, no Kivu do Norte.

Mais informações:
Krista Armstrong, CICV Kinshasa, tel.: +243 81 700 85 36      
Jean-Yves Clémenzo, CICV Genebra, tel.: +41 22 730 22 71 ou +41 79 217 32 17     


Foto

Kivu do Norte, RD do Congo. CICV distribui mosquiteiros aos refugiados. Também foram entregues remédios e gazes às comunidades. Durante a mesma missão, mais de 500 crianças foram vacinadas contra pólio, sarampo e febre amarela, recebendo vitamina A e remédios contra vermes. 

Kivu do Norte, RD do Congo. CICV distribui mosquiteiros aos refugiados. Também foram entregues remédios e gazes às comunidades. Durante a mesma missão, mais de 500 crianças foram vacinadas contra pólio, sarampo e febre amarela, recebendo vitamina A e remédios contra vermes.
© CICV / H.M. Kamara

Kivu do Norte, RD do Congo. Fotos das pessoas que perderam contato com seus entes queridos devido ao conflito são colocadas nas áreas onde os deslocados vivem para tentar reunir famílias separadas. 

Kivu do Norte, RD do Congo. Fotos das pessoas que perderam contato com seus entes queridos devido ao conflito são colocadas nas áreas onde os deslocados vivem para tentar reunir famílias separadas.
© CICV

Kivu do Norte, RD do Congo. A Cruz Vermelha da República Democrática do Congo e o CICV treinando portadores de armas em primeiros socorros. 

Kivu do Norte, RD do Congo. A Cruz Vermelha da República Democrática do Congo e o CICV treinando portadores de armas em primeiros socorros.
© CICV / H.M. Kamara

Região dos Kivus, RD do Congo. Delegados do CICV e combatentes armados reunidos para falar sobre os princípios básicos do Direito Internacional Humanitário. 

Região dos Kivus, RD do Congo. Delegados do CICV e combatentes armados reunidos para falar sobre os princípios básicos do Direito Internacional Humanitário.
© CICV / L. Courtois