• Enviar esta página
  • Imprimir esta página

Sudão do Sul: agrava a escassez de água com o aumento da população nos campos de refugiados

26-06-2012 Relatório de operações N° 03/12

Muitas levas de refugiados sudaneses chegaram aos campos no Sudão do Sul nas últimas semanas. Nos campos de Jamam, no Estado do Alto Nilo, e de Yida, no Estado de Unidade, ambos de grande extensão, o CICV finalizou uma rede de abastecimento de água de sete quilômetros e consertou as bombas manuais, respectivamente.

A situação do conflito nas regiões do norte do Sudão do Sul está muito mais calma no último mês, apesar de milhares de deslocados ainda terem de voltar às suas casas após fugirem dos combates intensos em abril e maio. Os refugiados do Sudão continuam chegando aos campos dos Estados do Alto Nilo e Unidade, próximos à fronteira do norte. As fortes chuvas que estão por vir em breve tornarão essas áreas remotas virtualmente inacessíveis.

“A escassez de água potável no campo de refugiados de Jamam representa um grande risco à saúde pública,” afirmou o chefe da delegação do CICV no Sudão do Sul, Melker Mabeck. “As chuvas abundantes que se aproximam podem trazer mais doenças transmissíveis pela água, em especial se os refugiados tomarem a água contaminada diretamente da superfície.”

Rede hidráulica de sete quilômetros

O CICV instalou um rede de abastecimento de água de sete quilômetros para suprir o campo de refugiados de Jamam, assegurando que a água continue chegando para os refugiados quando as chuvas tornarem as estradas intransitáveis para os caminhões pipa. Também doou à clínica do lugar quatro caixas d’água para armazenar a água da chuva. A organização agora analisa outros meios de abastecimento ao local.

No campo de refugiados de Yida, localizado no Condado de Pariang, Estado de Unidade, duas bombas manuais foram consertadas para poder lidar com o aumento da demanda à medida que a população cresce. Desde o início de 2012, o CICV consertou outras 20 bombas manuais e um ponto de distribuição de água neste condado para que 12 mil pessoas tivessem acesso à água potável dentro de uma distância razoável de onde vivem.

Ajuda às áreas remotas

Após os confrontos no início de maio, próximos à fronteira sudanesa, mais de 1,8 mil pessoas fugiram do povoado de Firka, no Condado de Raja, Estado de Bahr El Ghazal Ocidental. Nesta área remota, onde raramente entram organizações humanitárias, o CICV consertou a bomba hidráulica do povoado, limpou três poços escavados manualmente e capacitou a comunidade sobre o tratamento de água em casa com as pastilhas de cloro. Considera-se outro tipo de apoio ao povoado como a distribuição de alimentos e artigos como mosquiteiros e lonas.

O CICV continua reformando as estações de tratamento de água em Beniu e Rubkona, as duas principais cidades no Estado de Unidade. Recentemente, uma nova bomba elétrica foi instalada e as tubulações revisadas.

Em Akobo, no Estado de Jonglei, o CICV entregou três pontos de distribuição de água movidos à energia solar para a autoridade local. Os sistemas, que fornecem uma solução sustentável à escassez de água na região, bombeiam aproximadamente 90 mil litros por hora, abastecendo com água potável cerca de 55 mil pessoas.

Telefonemas para restabelecer o contato entre as famílias

O CICV também auxiliou muitas famílias separadas pelo conflito a voltarem a ter contato. Mais de mil telefonemas foram feitos entre os refugiados nos campos do Sudão do Sul e seus parentes próximos desde o início do ano.

As operações do CICV no sul do Sudão começaram em 1986. A organização abriu uma delegação em Juba, a maior cidade do Sudão do Sul, quando este se tornou independente em 9 de julho de 2011. O CICV também tem duas novas subdelegações no novo país, em Malakal e Wau. O CICV trabalha neste país para prevenir as violações do Direito Internacional Humanitário e apoia o hospital e os serviços de reabilitação física. Também ajuda as comunidades afetadas pelo conflito na sua sobrevivência e autosuficiência.

Mais informações:
Ewan Watson, CICV Juba, tel.: +211 912 178 946
Jean-Yves Clémenzo, CICV Genebra, tel.: +41 22 730 22 71 ou +41 79 217 32 17      


Foto

O campo de refugiados no Estado do Alto Nilo, Sudão do Sul, abriga milhares de pessoas vulneráveis que fugiram dos combates no Estado de Nilo Azul. O CICV construiu uma rede de abastecimento de água de sete quilômetros para o campo. 

O campo de refugiados no Estado do Alto Nilo, Sudão do Sul, abriga milhares de pessoas vulneráveis que fugiram dos combates no Estado de Nilo Azul. O CICV construiu uma rede de abastecimento de água de sete quilômetros para o campo.
© Tom Stoddart / Getty Images / CICV

Agok, Sudão do Sul. Em março de 2012, o CICV distribuiu a aproximadamente 15 mil pessoas sementes de gergelim, nozes e sorgo, mais ferramentas para o cultivo e comida para manter os estoques de sementes. 

Agok, Sudão do Sul. Em março de 2012, o CICV distribuiu a aproximadamente 15 mil pessoas sementes de gergelim, nozes e sorgo, mais ferramentas para o cultivo e comida para manter os estoques de sementes.
© Tom Stoddart / Getty Images / CICV

Estado de Unidade, Sudão do Sul. Equipe do CICV fotografada no povoado de Manjana no Condado de Pariang, onde a organização auxiliou na construção e manutenção de uma bomba hidráulica para e região. 

Estado de Unidade, Sudão do Sul. Equipe do CICV fotografada no povoado de Manjana no Condado de Pariang, onde a organização auxiliou na construção e manutenção de uma bomba hidráulica para e região.
© Tom Stoddart / Getty Images / CICV