• Enviar esta página
  • Imprimir esta página

Fatos e números

14-03-2013 Fatos e números

Durante o ano de 2012, o CICV:

  • reformou redes de irrigação nos vilarejos remotos de Dovegh e Chinary, permitindo que os habitantes aos poucos aumentassem a sua produção agrícola em áreas seguras;
  • reabilitou redes de água potável nos vilarejos de Berkaber, Aygepar e Nerkin Karmir Aghbyur;
  • forneceu sementes de trigo e batata, assim como de árvores frutíferas, para 1.035 famílias nos vilarejos de Chinary, Berkaber, Aygepar e Nerkir Karmir Aghbyur;
  • com a ajuda da Cruz Vermelha Armênia, recolheu dados de 59 vítimas de minas /resíduos explosivos de guerra nas regiões de Tavush, Gegharkunik, Syunik, Vayots Dzor e Ararat, assim como em Ierevan;
  • com a ajuda dos parceiros do CICV treinados localmente, organizou 11 reuniões de grupos focais, 10 sessões de de grupo, e 20 sessões temáticas e informativas para 247 familiares de pessoas desaparecidas, enquanto 82 pessoas que precisavam de
  • ajuda extra se beneficiaram de apoio individual prestada pelos parceiros do CICV;
  • organizou uma série de oficinas e mesas redondas para 52 jovens – membros de famílias de pessoas desaparecidas de todo o país no dia 30 de agosto, Dia Internacional dos Desaparecidos;
  • melhorou as condições de moradia para 33 famílias das regiões de Tavush, Armavir, Shirak, Gegharkunik, Syunik e Lori;
  • proporcinou apoio financeiro e treinamento vocacional para 27 famílias, por meio de projetos de Iniciativas Microeconômicas, e cobriu a taxa de juros de empréstimos que cinco famílias pediram a ONGs locais de microfinanças, com as quais o CICV tem acordos de cooperação para a administração de pequenos negócios;
  • visitou dois prisioneiros de guerra e um internado civil, detidos em conexão com o conflito Nagorny Karabakh, e 15 detidos em cinco centros de detenção em todo o país;
  • a pedido de todas partes e em conformidade com o seu papel de intermendiário neutro, facilitou a repatriação de um internado civil da Armênia para o Azerbaijão;
  • pela primeira vez, participou de um exercício militar prático liderado pela Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO) na Armênia em setembro, simulando a sua ação humanitária em áreas afetadas pelo conflito;
  • organizou uma conferência internacional para estudantes graduados e professores assistentes de países da Comunidade de Estados Independentes, Polônia e Irã, na qual se discutiram meios e métodos de guerra e os desafios contemporâneos no âmbito do DIH.