• Enviar esta página
  • Imprimir esta página

Os arquivos audiovisuais do CICV: uma herança para a humanidade

27-10-2013 Reportagem

Preservando a Nossa Herança para a Próxima Geração é o slogan da celebração deste ano pelo Dia Mundial da Herança Audiovisual (27 de outubro).

Gravações de áudio, filmagens, vídeos e fotos ilustram e documentam as atividades do CICV e do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho como um todo do final do século XIX até os dias de hoje. Esses arquivos formam uma herança significante na área do Direito Humanitário e da ação humanitária. Preservam a memória das vítimas de conflitos armados e de outras situações de violência, aos quais o CICV vem respondendo nos últimos 150 anos.

 

120 mil fotos

6 mil horas de áudio

3 mil horas de filme

Os arquivos audiovisuais do CICV: uma herança preservada

As ações de hoje valorizam uma herança a longo prazo. Os esforços de conservação que estão sendo feitos garantem a sua longevidade. (Estratégia de Arquivamento do CICV 2013-2017).
 

Devido à natureza do seu mandato, o CICV tem o dever de manter um registro cuidadoso do seu trabalho e ser responsável por ele em respeito a todas as pessoas envolvidas ou relacionadas com a ação humanitária. Junto com os outros membros do Movimento, o CICV está comprometido a preservar a herança histórica e cultural da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho.

Os arquivos estão continuamente sendo ampliados nos últimos 150 anos, ilustrando as atividades do CICV em todos os contextos operacionais. Também mantém um registro dos grandes eventos, como o registro de decisões tomadas nas Conferências Diplomáticas das Convenções de Genebra, as Reuniões Estatuárias do Movimento e dos relatos pessoais dos delegados e das vítimas.
 

Desde o final da década de 90, o CICV realiza projetos ambiciosos para a conservação e a digitalização dos seus arquivos, tanto por contra própria como em parceria com outras partes.

Principais Datas

1999-2001Conservação da coleção de filmes em 35 mm (20 horas de filmagens realizadas entre 1921 e 1960) com o apoio da Associação Memoriav. Veja o nosso DVD dos primeiros filmes.
2005-2008Digitalização dos arquivos fotográficos. De um total de 780 mil itens na coleção, 30 mil fotos impressas dos arquivos históricos (1850-1950) foram digitalizadas juntamente com 25 mil negativos e 24 mil slides (1950-1997).
2008-2013Conservação e digitalização da coleção de filmes em 16 mm (45 hours de filmagens realizadas entre 1960 e 1980) com o apoio da Associação Memoriav.
2009-2013Conservação e digitalização dos arquivos históricos de áudio (2,5 mil dos 5,5 mil arquivos históricos, somando mais de 5 mil horas de gravações de áudio realizadas entre 1950 e 2000) com o apoio da Associação Memoriav e dos Arquivos de Áudio Nacionais Suíços.
2013Começa o trabalho de digitalização e conservação dos arquivos de vídeo (mais de 750 horas de filmagens realizadas entre 1980 e 2011).

Os arquivos audiovisuais do CICV: acessíveis a todos

Os arquivos estão acessíveis na sede do CICV em Genebra e os nossos arquivistas podem ajudar as pessoas a encontrar o que estão procurando. Também montamos um serviço de pesquisa remota e respondemos o mais rápido possível a todas as solicitações, que por ano superam as 1,5 mil. As principais solicitações vêm de jornalistas, historiadores, documentaristas e colaboradores das Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho. 

Obviamente, a própria equipe do CICV na sede e no terreno também faz um uso importante do nosso material audiovisual, quase sempre em comunicações públicas.
 

Em 2014, o CICV disponibilizará os arquivos audiovisuais on-line, por meio de um portal especial no website do CICV. Pela primeira vez, as gravações de áudio, as fotos, as filmagens e os vídeos estarão todos acessíveis em um mesmo lugar. A intenção do CICV é compartilhar a sua herança com a maior quantidade de pessoas possível.

Os arquivos audiovisuais do CICV: mantendo os dados pessoais confidenciais

Ao mesmo tempo em que a maioria do material é de acesso público, determinados arquivos permanecem confidenciais ou somente disponíveis para consulta interna somente a partir do momento que ingressam os arquivos, em conformidade com os Princípios Fundamentais do Movimento e de modo a proteger as vítimas. O acesso aos documentos internos está restrito por 40 anos e no caso dos documentos confidenciais, incluindo dados pessoais, por 60 anos.
 

Em janeiro de 1996, o CICV decidiu que abriria ao público os seus arquivos, separados em seções amplas cronológicas, uma parte por vez. A próxima seção será aberta em 2015 e abrange o período de 1966-1975 e até mesmo o material audiovisual que ainda está classificado como interno será disponibilizado ao público nesse momento.