Página arquivada:pode conter informações antigas

Sudão - Boletim do CICV N°. 33 / 2005

26-08-2005 Relatório de operações

  Situação geral  

As fortes chuvas que provocaram estragos às três regiões de Darfur resultaram em uma redução de todas as atividades, possibilitando que a situação permanecesse calma. As chuvas também atingiram o trabalho de assistência das organizações humanitárias, uma vez que muitas estradas ficaram em condições difíceis ou se tornaram perigosas para viajar e os veículos de socorro precisaram passar com dificuldade através de leitos de rios encharcados e de correnteza puxada. Somente na cidade de Al Fashir choveu mais em um único dia de agosto que ao longo de todo o ano de 2004.

As atividades do Comitê Interacional da Cruz Vermelha (CICV) também foram afetadas pela estação chuvosa. Todas as distribuições que haviam sido planejadas foram conduzidas, mas não sem atraso. Nas áreas rurais – basicamente no norte de Darfur – onde o CICV vem fornecendo sementes e instrumentos agrícolas, a população local aproveitou a calmaria para realizar plantios, e há um verdadeiro otimismo em relação à colheita do próximo ano. Infelizmente, na maioria das zonas rurais duramente atingidas pelo conflito as pessoas não se arriscam a deixar seus povoados a fim de semear as plantações. Dessa forma, continuarão a ficar totalmente dependentes da assistência externa nos próximos meses.

  Os retornados de Raja – uma viagem corajosa  

Nas últimas semanas, mais de 4 mil pessoas voltaram para a província de Raja, no sul do Sudão, depois de passar quatro anos em um campo de tendas para deslocados a 400 quilômetros, na região de Mabia, perto da fronteira com Uganda. As famílias de retornados passaram vários meses viajando a pé sob condições extremamente difíceis, desafiando minas terrestres, pântanos e uma densa selva – e, para piorar, durante a estação chuvosa. Durante a viagem, receberam alguma assistência de organizações humanitárias, mas os grupos de retornados que estão chegando agora ao seu destino estão fracos e exaustos.

A maior parte das pessoas que voltaram é de mulheres e crianças. O primeiro grupo deixou Mabia em abril com pouca comida e água, mas com a determinação de voltar para casa. Organizações humanitárias presentes no sul do Sudão começaram a fornecer produtos de primeira necessidade logo depois, mas tiveram dificuldade para alcançar todos os refugiados, uma vez que eles se dispersaram em diferentes grupos viajando em várias direções através do terreno inóspito. Cerca de 1.300 pessoas optaram por ir através de Wau, uma cidade do sul do Sudão que está a noroeste de Rumbek, onde suprimentos de saúde, comida e outros produtos essenciais foram imediatamente distribuídos para os viajantes fatigados.

Trabalhando a partir de seu escritório em Wau, o CICV forneceu lonas para abrigo, utensílios de cozinha, roupas e sandálias para aqueles que saíram de Mabia. Quatro meses depois, a assustadora viagem dos retornados está lentamente chegando ao fim. No momento, eles estão recebendo assistência em Deim Zubeir, perto de Raja, onde várias organizações internacionais estão presentes e monitoram a situação.

Nos últimos quatro anos, o CICV distribuiu Mensagens Cruz Vermelha através da linha de combate a fim de possibilitar que as pessoas de uma mesma família pudessem permanecer em contato. Entre novembro de 2003 e outubro de 2004, a organização trouxe de volta às suas famílias em Raja 110 pessoas desaparecidas da região de Mabia (96 crianças e 14 idosos), na primeira operação a incluir o cruzamento da linha de combate antes que o Acordo de Paz fosse assinado. A equipe do CICV no loc al está pronta para continuar os serviços de busca para as crianças separadas de suas famílias e para fornecer mais assistência quando for necessário.

  Uma ajuda para os mutilados em Darfur  

Com o apoio financeiro da Cruz Vermelha Alemã, o CICV lançou em Nyala um programa para os mutilados no oeste e no norte de Darfur, uma população que anteriormente tinha pouco ou nenhum acesso aos acessórios ortopédicos.

No âmbito deste programa, um dormitório com 12 leitos foi aberto em Nyala (sul de Darfur) para abrigar os pacientes que recebem tratamento no centro operado pela Autoridade Nacional para Prótese e Ortopedia (Anpo). O CICV busca os pacientes em seu local de residência e os leva para Nyala, transportando-os depois para casa; cuida deles durante sua estadia no centro e fica responsável por sua reabilitação física e pela produção de membros artificiais. A equipe do CICV no centro também supervisiona o treinamento especializado que está sendo ministrado para o pessoal do centro.

O dormitório, que está equipado com uma cozinha, banheiros e áreas de convivência em comum planejadas para pessoas mutiladas, já recebeu 85 pacientes desde que começou a funcionar, em junho.

O apoio do CICV para a Anpo também inclui o treinamento para técnicos, o fornecimento de máquinas e matéria-prima para a produção de próteses e material ortopédico, e a administração das instalações técnicas em Cartum e de cinco centros satélites em todo o Sudão. Ao todo, desde o começo do ano o CICV forneceu mais de 1.300 próteses no Sudão.

  Desde o início de 2005, o CICV conduziu as seguintes atividades:  

  Em Darfur:  

  • Forneceu água para sete campos destinados a deslocados e para áreas urbanas, e consertou redes de água em três cidades (Kutum, Gereida e Al Junaina).

  • Consertou, reformou e colocou novamente em funcionamento 142 bombas manuais, 19 poços mecanizados, 19 poços artesianos e 10 reservatórios de água, fornecendo água para quase 600 mil civis (pessoas deslocadas e moradores locais).

  • Conduziu distribuições regulares de comida (19.062 toneladas métricas no total) para 300 mil moradores de zonas rurais que também receberam sementes e instrumentos agrícolas.

  Em todo o Sudão:  

  • Reformou e melhorou a infra-estrutura em cinco hospitais e 12 centros de saúde primária.

  • Forneceu medicamentos e equipes médicas, realizou consultas e fez cirurgias, apoiou programas de imunização e forneceu treinamento em quatro hospitais e 12 clínicas de saúde primária.

  • Conduziu mais de 160 sessões sobre Direito Internacional Humanitário, as atividades do CICV e os princípios do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho para mais de 7.200 pessoas, incluindo funcionários do governo, membros das forças armadas, grupos oposicionistas, milícias árabes e outras milícias, e líderes religiosos e comunitários.

  • Distribuiu 20 mil tendas, 60 mil cobertores, 26 mil quilos de sabão, 6.500 utensílios de cozinha, 15 mil enlatados, 37.800 peças de vestuário (7.800 para mulheres, 15 mil para meninas e 15 mil para meninos) e 32 mil pares de sandálias (4 mil para mulheres e 28 mil para crianças) para 200.500 pessoas.

  • Recolheu 16.255 Mensagens Cruz Vermelha e distribuiu 16.227

  • Continuou a debater temas de proteção de forma sistemática e confidencial com todas as partes no conflito, em todos os níveis, no terr eno e em Cartum.

 
 
 

  Mais informações:  

  Paul Conneally, CICV Cartum, tel.++249 9121 70576  

  Marco Jiménez Rodríguez, CICV Genebra, tel. ++41 79 217 3217