Página arquivada:pode conter informações antigas

Uganda: CICV entrega projeto de saúde nos presídios

19-07-2012 Comunicado de imprensa 12/152

Kampala (CICV) – Todos os anos, cerca de 8 mil internos dos presídios de Fort Portal, Gulu e Luzira Upper se beneficiam com um projeto de saúde, que o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) está entregando às autoridades ugandenses.

O objetivo do projeto é melhorar a saúde dos internos para permitir que os Serviços Médicos Penitenciários prestem um nível de assistência para casos de Aids, tuberculose e malária equivalente ao disponível em comunidades próximas e consistente com as políticas nacionais.
 

''Ao entregarmos formalmente o componente Fort Portal do projeto ao Serviço Penitenciário de Uganda, o CICV está muito satisfeito de ter conquistado o que conquistou até o momento", disse o chefe da delegação do CICV em Uganda, Riccardo Conti.
 

No Presídio de Fort Portal, a classificação médica dos internos a nível inicial aumentou de quase 70% em 2009 para mais de 90% no segundo trimestre de 2012. Além disso, a incidência de malária diminuiu de forma significante, o índice de sucesso nos tratamentos de tuberculose passou de 46% em 2009 para mais de 86% em 2011 e deve permanecer assim em 2012. Ademais, o acesso à assistência aos casos de HIV melhorou notavelmente. Os resultados nos presídios de Luzira Upper e Gulu, onde o projeto já havia sido entregue às autoridades, foram semelhantes.
 

"O nosso plano era proporcionar ao Serviço Penitenciário de Uganda e ao Ministério da Saúde com um modelo comprovado, funcional e com boa relação custo-benefício para uma maior prevenção e assistência aos casos de HIV, TB e malária, um modelo que pode ser replicado usando os recursos do governo em todo o sistema penitenciário", disse o Dr Fatah Labib, um gerente do programa de saúde do CICV.
 

O projeto – resultado de um estudo realizado em 2006 sobre questões em presídios de Uganda – foi desenvolvido nos presídios de Fort Portal, Gulu e Luzira Upper. O sucesso obtido é resultado da cooperação e do profissionalismo do Grupo de Trabalho Nacional, lançado em 2007, que compreende o Serviço Penitenciário de Uganda, o Ministério da Saúde e o CICV.
 

"Durante a implementação do projeto, o CICV mobilizou muitos prestadores de serviços de saúde para apoiar o Serviço Penitenciário de Uganda", disse Conti. "É gratificante observar que, no geral, os resultados se comparam favoravelmente com a média nacional em termos de redução da incidência de tuberculose e de malária, e de maneira eficaz na gestão de casos de HIV", acrescentou.
 

No Presídio de Gulu, o CICV ajudou a montar um centro de assistência à saúde com um departamento ambulatorial, uma maternidade e um laboratório em completo funcionamento. O centro atende a uma média de 2,3 mil pessoas por ano. Embora os internos sejam os beneficiários primários, os funcionários dos presídios e os membros das comunidades periféricas também têm acesso aos serviços. No Presídio de Luzira Upper, entre 3,9 mil e 4,4 mil internos por ano se beneficiaram com o projeto de saúde entre 2009 e 2011.
 

O CICV trabalha desde 1979 em Uganda, onde ajuda refugiados e detidos, fornece água e instalações sanitárias (em cooperação com a Cruz Vermelha de Uganda) e promove o Direito Internacional Humanitário (DIH), além de apoiar a sua implementação.
 

Mais informações:
Adebayo Olowo-Ake, CICV Kampala, tel: +256 77 222 19 94