Comitê Internacional da Cruz Vermelha

Acesso humanitário é desesperadamente necessário no Iêmen à medida que casos com suspeita de cólera chegam a 700 mil

Comunicado de imprensa 22 setembro 2017

Nova York – À medida que os casos com suspeita de cólera chegam a 700 mil em apenas cinco meses, o presidente do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), Peter Maurer, pressionou os atores nacionais, regionais e internacionais a respeitarem as normas de guerra e facilitarem o acesso humanitário em um evento de alto nível paralelo à Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) copresidido pelo Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha), Reino Unido, Países Baixos e Suécia.

"Poupem os serviços básicos do Iêmen pensando em hoje e no futuro", afirmou Maurer nas suas observações. "O meu pedido se dirige às pessoas envolvidas tanto direta, como indiretamente – seja combatendo ao lado dos beligerantes, seja transferindo armas ou apoiando-os de outra maneira –, para que pressionem as partes a cumprirem com o Direito Internacional Humanitário (DIH)."

O Iêmen é a terceira maior operação do CICV com $100 milhões destinados a hospitais, centros de tratamento de cólera, redes de água e esgoto, além de atendimento médico. Os ataques contra as redes de água e esgoto, assim como as restrições às importações de peças de reposição e combustível contribuem para um surto de cólera sem precedentes.

"Se a comunidade internacional tiver que responder a esta crise de maneira significativa, o acesso humanitário deve ser permitido por todas as partes", acrescentou Maurer. "O fluxo de material de ajuda e mercadorias – tanto o ingresso, como a circulação no Iêmen – deve ser permitido. É importante que centros de transporte, como o aeroporto de Sanaa, e também os portos marítimos sejam reabertos rapidamente."

Leia as observações na íntegra (em inglês): https://www.icrc.org/en/document/statement-united-nations-general-assemb...