Prêmio CICV de Cobertura Humanitária 2020

Prêmio CICV de Cobertura Humanitária 2020

O Prêmio CICV de Cobertura Humanitária , iniciativa do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) para dar voz às vítimas, chega a sua quarta edição neste ano e busca reconhecer o trabalho de jornalistas e veículos de comunicação brasileiros que tenham se dedicado à cobertura de temas humanitários. O objetivo desta iniciativa é incentivar a produção de mais conteúdo jornalístico de qualidade sobre esses assuntos voltados ao público brasileiro.

Além da tradicional categoria "CICV de Reportagens e Documentários", neste ano teremos como novidade a categoria especial "ACNUR 70 anos", que premiará produtos jornalísticos, ou de caráter documental, voltados exclusivamente a temas relacionados a refúgio e apatridia. A categoria é oferecida pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), parceira do Prêmio, que neste ano completa 70 anos de fundação.

Na Categoria "CICV Reportagens e Documentários", continuam sendo premiadas produções jornalísticas que destaquem temas humanitários internacionais, com foco nas vítimas, publicadas entre 1º de agosto de 2019 e 31 de agosto de 2020. Devem ser tratados temas humanitários em conflitos armados, porém as reportagens inscritas podem fazer referência à aplicação das normas do Direito Internacional Humanitário (DIH), ou seja, as normas aplicáveis na guerra. O conteúdo inscrito também pode se referir ao impacto humano dos conflitos armados, em particular a assistência humanitária (entrega de alimentos, de medicamentos, atenção à saúde, fornecimento de água potável), migração, desaparecimentos em situação de conflitos armados, ataques a missões médicas e violência sexual em situação de conflitos armados.

Excepcionalmente nesta edição do Prêmio, serão aceitos produtos jornalísticos sobre o impacto humanitário da pandemia de COVID-19 sobre as vítimas, mesmo que o foco a reportagem seja totalmente brasileiro. Caso a reportagem sobre impactos da COVID-19 faça um recorte do tema de refúgio e apatridia, deverá ser inscrita na categoria especial ACNUR 70 anos. Do contrário, ela concorrerá na categoria CICV de Reportagens e Documentários. O primeiro colocado de cada categoria ganhará uma viagem com despesas pagas e agenda organizada para cobrir uma realidade humanitária onde o CICV ou o ACNUR tenham atuação. Não havendo condições sanitárias de realizar a viagem no primeiro trimestre de 2021, o prêmio será revertido em dinheiro. O segundo e o terceiro lugar da categoria CICV também receberão prêmios em dinheiro. Nesta quarta edição, sópoderão ser inscritas reportagens produzidas para meios impresso, televisão, rádio ou multimídia para ambas as categorias. O período de inscrição será entre 1° de julho a 1° de setembro de 2020. Os finalistas serão anunciados em novembro de 2020.

A banca de jurados analisará de maneira isenta o material inscrito seguindo os seguintes parâmetros: qualidade técnica; pertinência da temática ou assunto; e abordagem qualificada.

Critérios de Participação

• Profissionais de imprensa que atuam em meios de comunicação brasileiros ou em veículos estrangeiros que tenham produção específica para o público brasileiro;
• Produções jornalísticas que destaquem temas humanitários, com foco nas vítimas;
• Produções para meios impressos, televisão, rádio ou multimídia;
• O material inscrito deve ter sido veiculado entre 1º de agosto de 2019 e 31 de agosto de 2020.

 

Contato

Em caso de dúvida envie um e-mail para infobracicv@icrc.org.


Conheça os Jurados da Categoria "CICV de Reportagens e Documentários"

João Natali

Formado em jornalismo (ECA-USP) e em filosofia (Paris-13), com mestrado e doutorado em semiologia, na França, Natali trabalhou na Folha de S.Paulo, foi correspondente em Paris, editor de internacional e comentarista da TV Gazeta. É autor do livro "Jornalismo Internacional"

Paulo Braga

Paulo Braga é coordenador de relacionamento com a imprensa de Médicos Sem Fronteiras no Brasil. Trabalhou na Folha de S.Paulo e participou da equipe fundadora do jornal Valor Econômico. Chefiou a assessoria de imprensa do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Sandra Lefcovich

É coordenadora de Comunicação da Delegação Regional do CICV desde 2009. Foi repórter do Correio Braziliense, com foco na cobertura da América Latina e da política externa brasileira e coordenou a assessoria de Comunicação da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA).

Conheça os Jurados da Categoria "ACNUR 70 anos"

Carlos Escalona

Carlos Escalona é jornalista, venezuelano e produtor do podcast "Refúgio em Pauta", feito pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) no Brasil. Escalona vive no país há 4 anos, depois de ter chegado como refugiado. Em seu país de origem, trabalhou como fotógrafo do Ministério da Cultura, da prefeitura de Maracay, e como gerente de produção de TV.

Luiz Godinho

É o porta-voz da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) no Brasil. Trabalha na organização desde 2006 e já atuou em operações humanitárias em diversos países. Jornalista, com pós-graduação em Globalização e Desenvolvimento pela Universidade de Westminster, trabalhou em veículos como Veja, IstoÉ, O Globo e Folha de S.Paulo

Zélia Leal Adghirni

Jornalista e professora emérita na Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (UnB), com pós-doutorado em Ciências da Informação e da Comunicação. Exerceu o jornalismo no Brasil, na França e no Marrocos, com passagens pelo O Estado de S. Paulo, Zero Hora, L'Opinion, Le Matin du Sahra, e Al Maghrib.

Sandra Lefcovich

Lefcovich também atua como jurada na categoria "ACNUR 70 anos".