Prêmio CICV de Cobertura Humanitária 2020

Prêmio CICV de Cobertura Humanitária 2020

O Prêmio CICV de Cobertura Humanitária , iniciativa do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) para dar voz às vítimas, chega a sua quarta edição neste ano e busca reconhecer o trabalho de jornalistas e veículos de comunicação brasileiros que tenham se dedicado à cobertura de temas humanitários. O objetivo desta iniciativa é incentivar a produção de mais conteúdo jornalístico de qualidade sobre esses assuntos voltados ao público brasileiro.

Além da tradicional categoria "CICV de Reportagens e Documentários", neste ano teremos como novidade a categoria especial "ACNUR 70 anos", que premiará produtos jornalísticos, ou de caráter documental, voltados exclusivamente a temas relacionados a refúgio e apatridia. A categoria é oferecida pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), parceira do Prêmio, que neste ano completa 70 anos de fundação.

Na Categoria "CICV Reportagens e Documentários", continuam sendo premiadas produções jornalísticas que destaquem temas humanitários internacionais, com foco nas vítimas, publicadas entre 1º de agosto de 2019 e 31 de agosto de 2020. Devem ser tratados temas humanitários em conflitos armados, porém as reportagens inscritas podem fazer referência à aplicação das normas do Direito Internacional Humanitário (DIH), ou seja, as normas aplicáveis na guerra. O conteúdo inscrito também pode se referir ao impacto humano dos conflitos armados, em particular a assistência humanitária (entrega de alimentos, de medicamentos, atenção à saúde, fornecimento de água potável), migração, desaparecimentos em situação de conflitos armados, ataques a missões médicas e violência sexual em situação de conflitos armados.

Excepcionalmente nesta edição do Prêmio, serão aceitos produtos jornalísticos sobre o impacto humanitário da pandemia de COVID-19 sobre as vítimas, mesmo que o foco a reportagem seja totalmente brasileiro. Caso a reportagem sobre impactos da COVID-19 faça um recorte do tema de refúgio e apatridia, deverá ser inscrita na categoria especial ACNUR 70 anos. Do contrário, ela concorrerá na categoria CICV de Reportagens e Documentários. O primeiro colocado de cada categoria ganhará uma viagem com despesas pagas e agenda organizada para cobrir uma realidade humanitária onde o CICV ou o ACNUR tenham atuação. Não havendo condições sanitárias de realizar a viagem no primeiro trimestre de 2021, o prêmio será revertido em dinheiro. O segundo e o terceiro lugar da categoria CICV também receberão prêmios em dinheiro. Nesta quarta edição, sópoderão ser inscritas reportagens produzidas para meios impresso, televisão, rádio ou multimídia para ambas as categorias. O período de inscrição será entre 1° de julho a 1° de setembro de 2020. Os finalistas serão anunciados em novembro de 2020.

A banca de jurados analisará de maneira isenta o material inscrito seguindo os seguintes parâmetros: qualidade técnica; pertinência da temática ou assunto; e abordagem qualificada.

Critérios de Participação

• Profissionais de imprensa que atuam em meios de comunicação brasileiros ou em veículos estrangeiros que tenham produção específica para o público brasileiro;
• Produções jornalísticas que destaquem temas humanitários, com foco nas vítimas;
• Produções para meios impressos, televisão, rádio ou multimídia;
• O material inscrito deve ter sido veiculado entre 1º de agosto de 2019 e 31 de agosto de 2020.

 

 

Premiação da Categoria CICV de Reportagens e Documentários

  • 1º lugar = viagem para até dois profissionais a um país onde o CICV tenha operações, incluindo passagem aérea e hospedagem. Os premiados poderão conhecer e cobrir a problemática humanitária local e o trabalho feito pela organização, com facilitação de entrevistas e acompanhamento do pessoal do CICV. Caso o CICV verifique que não há condições de segurança para realizar a viagem-prêmio até o dia 31 de março por causa da pandemia de COVID-19, a premiação será oferecida em dinheiro, no valor de R$ 8 mil.
  • 2º lugar = prêmio em dinheiro no valor de R$ 5 mil para a equipe.
  • 3º lugar = prêmio em dinheiro no valor de R$ 4 mil para a equipe.

Premiação da Categoria Especial ACNUR 70 anos

1º lugar = viagem a alguma cidade brasileira no contexto de trabalho do ACNUR no âmbito da Operação Acolhida (Boa Vista ou Manaus), incluindo passagem aérea, hospedagem e diárias durante o período da visita. Caso o ACNUR verifique que não há condições de segurança para realizar a viagem-prêmio até o dia 31 de março por causa da pandemia de COVID-19, a premiação será oferecida em dinheiro, no valor de R$ 7,5 mil.

Contato

Em caso de dúvida envie um e-mail para infobracicv@icrc.org.


Conheça os Jurados da Categoria "CICV de Reportagens e Documentários"

João Natali

Formado em jornalismo (ECA-USP) e em filosofia (Paris-13), com mestrado e doutorado em semiologia, na França, Natali trabalhou na Folha de S.Paulo, foi correspondente em Paris, editor de internacional e comentarista da TV Gazeta. É autor do livro "Jornalismo Internacional"

Paulo Braga

Paulo Braga é coordenador de relacionamento com a imprensa de Médicos Sem Fronteiras no Brasil. Trabalhou na Folha de S.Paulo e participou da equipe fundadora do jornal Valor Econômico. Chefiou a assessoria de imprensa do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Sandra Lefcovich

É coordenadora de Comunicação da Delegação Regional do CICV desde 2009. Foi repórter do Correio Braziliense, com foco na cobertura da América Latina e da política externa brasileira e coordenou a assessoria de Comunicação da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA).

Conheça os Jurados da Categoria "ACNUR 70 anos"

Carlos Escalona

Carlos Escalona é jornalista, venezuelano e produtor do podcast "Refúgio em Pauta", feito pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) no Brasil. Escalona vive no país há 4 anos, depois de ter chegado como refugiado. Em seu país de origem, trabalhou como fotógrafo do Ministério da Cultura, da prefeitura de Maracay, e como gerente de produção de TV.

Luiz Godinho

É o porta-voz da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) no Brasil. Trabalha na organização desde 2006 e já atuou em operações humanitárias em diversos países. Jornalista, com pós-graduação em Globalização e Desenvolvimento pela Universidade de Westminster, trabalhou em veículos como Veja, IstoÉ, O Globo e Folha de S.Paulo

Zélia Leal Adghirni

Jornalista e professora emérita na Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (UnB), com pós-doutorado em Ciências da Informação e da Comunicação. Exerceu o jornalismo no Brasil, na França e no Marrocos, com passagens pelo O Estado de S. Paulo, Zero Hora, L'Opinion, Le Matin du Sahra, e Al Maghrib.

Sandra Lefcovich

Lefcovich também atua como jurada na categoria "ACNUR 70 anos".


 Perguntas Frequentes

Quem pode participar?

Profissionais de imprensa que atuam na mídia brasileira ou em meios de comunicação estrangeiros que tenham serviço específico para o público brasileiro (traduções de conteúdo publicado para o público global não serão aceitas)

Não poderão concorrer ao prêmio funcionários do CICV nem seus familiares diretos.

Quais matérias podem ser inscritas?

Serão premiadas produções jornalísticas que destaquem temas humanitários, com foco nas vítimas, variando a temática de acordo com a categoria. Entende-se por humanitários os seguintes temas: normas da guerra, direito daguerra, Convenções de Genebra, impacto humano dos conflitos armados, assistência humanitária (entrega de alimentos, atenção à saúde, etc), migração/refúgio e apátridas, desaparecidos em situação de conflitos armados, violência sexual em situação de conflitos ou violência armada.

Excepcionalmente nesta edição do Prêmio, serão aceitos produtos jornalísticos sobre o impacto humano da pandemia de COVID-19, não apenas no cenário internacional, mas também no Brasil. Estas reportagens devem dar enfoque nos efeitos humanitários da pandemia.

Somente serão aceitos trabalhos realizados em língua portuguesa por profissionais de imprensa cujas matérias foram publicadas / divulgadas em veículos de comunicação brasileiros ou voltado ao público brasileiro no período compreendido entre 1º de agosto de 2019 e 31 de agosto de 2020.

Como faço a inscrição?

As inscrições deverão ser feitas online no período de 1° de julho a 1° de setembro de 2020. O prazo das inscrições se encerrará às 23h59 dia 1° de setembro de 2020.

Eventualmente, para fins de aceitação de material físico enviado pelos Correios, será considerada como data limite de postagem o dia 1° de agosto de 2020.

Acompanhem o site e as redes sociais para mais informações.

Quais são os prêmios?

O primeiro colocado na Categoria "CICV Reportagens e Documentários" poderá participar de missão jornalística para um contexto operacional onde o CICV atua, incluindo passagem aérea e hospedagem. Já na Categoria Especial "ACNUR 70 Anos", os vencedores ganharão uma viagem a Boa Vista ou Manaus a fim de conhecer o trabalho do ACNUR no âmbito da Operação Acolhida, incluindo passagem aérea, hospedagem e diárias. Os premiados poderão conhecer e cobrir a problemática humanitária local e o trabalho feito pelas organizações, com facilitação de entrevistas e acompanhamento no terreno. Em ambas as categorias serão cobertos os custos para até dois profissionais que tenham participado da matéria vencedora, devidamente indicados na ficha de inscrição.

O segundo e o terceiro lugar da categoria "CICV de Reportagens e Documentários" receberão prêmios em dinheiro, no valor de R$ 5 mil e R$ 4 mil.. O valor é por equipe. Todos os autores da matéria receberão o diploma do Prêmio.

O CICV não se responsabiliza pela divisão do prêmio em dinheiro ou na decisão de quais autores participarão da viagem supracitada.

E se ainda não houver condições de segurança para viajar por causa da pandemia de COVID-19, como os vencedores serão premiados?

O anúncio dos vencedores ocorrerá em dezembro de 2020 e as viagens-prêmio deverão ocorrer até o dia 31 de março de 2021. Se não houver condições sanitárias para realização de uma missão segura, as premiações serão revertidas para valores em dinheiro: R$ 8 mil para a categoria CICV de Reportagens e Documentários e R$ 7,5 mil para a categoria especial ACNUR 70 anos.