Etiópia: Cruz Vermelha distribui apoio vital urgente a refugiados do Sudão do Sul

29 abril 2014
Etiópia: Cruz Vermelha distribui apoio vital urgente a refugiados do Sudão do Sul
Etiópia, próximo à fronteira com o Sudão do Sul. Um refugiado lava roupa no ponto de entrada no campo de Pagak. CC BY-NC-ND / CICV / B. Gezahegne

Desde o início da violência no Sudão do Sul, em meados de dezembro, mais de 95 mil pessoas fugiram para Gambella, no país vizinho, Etiópia, aonde chegaram exaustas, doentes e desesperadamente carentes de apoio.

A Cruz Vermelha Etíope, o CICV e a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho estão trabalhando juntos para facilitar o acesso dos refugiados à assistência médica e à água potável, ao mesmo tempo em que promovem os bons hábitos de higiene.

"As famílias, muitas delas com crianças pequenas, caminham por dias e até mesmo semanas em busca de segurança na Etiópia", disse a chefe da delegação do CICV na Etiópia, Ariane Tombet. "Eles estão esgotados depois da travessia e muitos chegam doentes e precisam de ajuda imediata".

"O fato de a vida estar se tornando cada vez mais difícil nos campos, onde ainda não há abrigo ou água suficientes, exige atenção de todas as organizações humanitárias", disse o secretário-geral da Cruz Vermelha Etíope Frehiwot Worku. "Mais e mais refugiados estão chegando todos os dias. A Cruz Vermelha Etíope e os seus parceiros dentro do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho precisam estar preparados para um número ainda maior de refugiados que deverão chegar".

"A estação chuvosa chegará em breve e com ela aumenta o potencial de doenças transmitidas pela água, como cólera e diarreia", disse o chefe da delegação da Federação Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho na Etiópia, Jill Clements. "É fundamental que trabalhemos com os refugiados agora para assegurar que conheçam algumas medidas que podem ajudar a prevenir que doenças como essas se espalhem".

Depois de avaliar as condições dos campos de refugiados no início de março, os parceiros do Movimento da Cruz Vermelha enviaram duas ambulâncias completamente equipadas para os campos, junto com outros dois veículos. "Os profissionais das ambulâncias da Cruz Vermelha prestam serviço 24 horas por dia aos refugiados que precisam de assistência médica, enquanto que os outros dois veículos são usados para transportar pacientes cujo estado não é crítico", explicou Ato Umed Uquay, da filial de Gambella da Cruz Vermelha Etíope.

Além disso, foram doados equipamentos, remédios, artigos de higiene e outros materiais médicos ao hospital de Gambella e aos centros de saúde de Nyinenyang e Itang.

No campo de Letchuor, cem voluntários - eles mesmos refugiados - foram treinados em atividades de água e saneamento e saúde emergencial. Cerca de 21 mil litros de água serão enviados em caminhões ao campo de Kule todos os dias da cidade de Itang, a mais de oito quilômetros de distância.

Está planejado fornecer fornos econômicos, lenha, abrigos emergenciais e outros itens a 12 mil dos refugiados mais necessitados, incluindo mulheres grávidas e lactantes e refugiados com deficiências. No campo de Pagak, o ponto de entrada para os que chegam do Sudão do Sul, a Cruz Vermelha construirá cinco abrigos comunitários, cada um dos quais poderá abrigar até 300 refugiados e estará equipado com utensílios de cozinha e esteiras para dormir.

Mais informações:
Zewdu Ayalew, CICV Addis Ababa, tel: +251 91 161 43 36
Jean-Yves Clémenzo, CICV Genebra, tel: +41 22 320 22 71 ou +41 79 217 32 17