Afeganistão: terremoto mata mais de mil pessoas e agrava emergência humanitária

Afeganistão: terremoto mata mais de mil pessoas e agrava emergência humanitária

Um terremoto devastador na província oriental de Paktika, Afeganistão, em 22 de junho, matou mais de mil pessoas e feriu outras tantas.
Artigo 23 junho 2022 Afeganistão

Após o terremoto mortal, o Crescente Vermelho Afegão mobilizou funcionários e voluntários para prestar assistência emergencial.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) enviou material médico de emergência para três hospitais da região afetada pelo terremoto: Hospital Provincial de Paktika, Hospital Distrital de Urgon e Hospital Regional de Paktia. A ajuda permitirá que as equipes médicas atendem às necessidades imediatas, que provavelmente aumentarão nas próximas horas e dias.

Os primeiros pacientes feridos no terremoto foram tratados no hospital apoiado pelo CICV em Ghazni. Devido às dificuldades de transporte nesta área rural, é possível que as pessoas que precisam de assistência médica levem horas ou até dias para chegar aos hospitais na sua área.

Equipes do Crescente Vermelho Afegão estão transferindo cobertores, barracas, utensílios de cozinha, remédios, garrafas de água e alimentos dos seus depósitos em Cabul para as províncias de Khost e Paktika. O CICV está pronto para apoiar o Crescente Vermelho Afegão na sua resposta com doações emergenciais em dinheiro e utensílios domésticos essenciais, como cobertores e roupas.

Para além da resposta ao terremoto

Apesar da diminuição geral dos combates no Afeganistão nos últimos meses, muitas áreas em todo o país continuam altamente contaminadas por resíduos explosivos de guerra, como minas terrestres e artefatos não detonados. As munições explosivas nas províncias de Paktika e Khost que foram enterradas podem ter se movidas para a superfície ou migrado da sua localização original, colocando as pessoas em maior risco.

Milhões de pessoas no Afeganistão enfrentam os efeitos combinados da perda de renda, falta de oportunidades de emprego, consequências dos combates e falta de dinheiro.

Além da urgência de responder às necessidades humanitárias desencadeadas pelo terremoto, também se incentiva que os Estados e as agências de desenvolvimento retornem ao Afeganistão e continuem o seu apoio a projetos que estão parados com o objetivo de responder às crescentes necessidades da população afegã e evitar uma situação de uma maior deterioração. São necessárias soluções sustentáveis com urgência.