Agricultores em Gaza finalmente conseguem cultivar as suas terras

09 julho 2015

Tratando a terra, replantando a esperança


Al Qarara, Khan Younis, Gaza / CC BY-NC-ND/CICV/ D. Von Burgsdorff

Centenas de hectares de terras cultiváveis ao longo da fronteira entre Gaza e Israel foram destruídas durante o conflito em 2014. Casas e sistemas de irrigação também foram destruídos ou muito estragados. O impacto sobre a economia local foi enorme. Muitos agricultores ficaram sem a sua fonte de renda para sustentar as suas famílias.

 

CC BY-NC-ND/CICV/N. Alwaheidi

Para ajudar os agricultores locais a se recuperarem, o CICV facilitou a descontaminação de resíduos explosivos de guerra e trabalhou incansavelmente para renivelar as terras para agricultura a fim de torná-las aráveis novamente.

 

Abassan, Gaza, outubro de 2014 / CC BY-NC-ND/CICV/D.von Burgsdorff

O renivelamento das terras foi uma corrida contra o tempo que devia estar pronta antes da chegada da temporada de chuvas. Vinte e quatro escavadoras trabalharam do amanhecer até o pôr do sol todos os dias durante dois meses.

Um terço das terras cultiváveis na Faixa de Gaza fica ao longo da fronteira com Israel. As terras são consideradas o celeiro da população de Gaza.

 

Beit Hanoun, Gaza, dezembro de 2014 / CC BY-NC-ND/CICV/D. von Burgsdorff

Agricultores começam a replantar as suas terras em Beit Hanoun depois da descontaminação dos resíduos explosivos de guerra e o seu renivelamento pelo CICV. Em junho, eles conseguiram colher a primeira safra de trigo, melancia, abobrinha e quiabo. Esta colheita seguiu outras bem-sucedidas de outras safras, como as ervilhas e batatas colhidas neste ano.

 

CC BY-NC-ND/CICV

Mosa Al-Astal é agricultor há 15 anos em al-Qarara e tem dez filhos. As suas terras, incluindo o sistema de irrigação e todas as árvores, foram destruídas durante o conflito.

O CICV ajudou a renivelar as terras de Mosa, tornando-as aráveis novamente. Mosa também recebeu dinheiro para plantar novas sementes e escolheu cultivar quiabo.

"O projeto do CICV me encorajou a voltar a cultivar minhas terras novamente. Decidi plantar quiabo porque precisa de menos água e produz safras durante um período mais prolongado. Espero que outros agricultores também consigam voltar a cultivar".

 

CC BY-NC-ND/CICV/N. Alwaheidi

Ibrahim al-Astal, de 23 anos, trabalha na fazenda de Mosa al-Astal.

As casas e as terras em Al-Qarar foram muito afetadas pelos combates. Muitas foram destruídas ou sofreram graves estragos.

Nessa área, 250 famílias de agricultores (1,5 mil pessoas) receberam mil dólares americanos em ajuda financeira para comprar novas safras e começar a lavrar as suas terras novamente.

 

 

 CC BY-NC-ND/CICV/N. Alwaheidi

Ziyad Abu Khashan, de 45 anos, vindo da área de al-Qarara, é casado e tem seis parentes.

"Eu tinha campos de oliveiras, mas depois que minhas terras foram destruídas, decidi plantar quiabo e feijão, porque crescem mais rapidamente e rendem mais".

Ziyad acredita que uma das melhores coisas do projeto do CICV é que o dinheiro é entregue diretamente ao agricultor.

A esposa e os filhos de Ziyad o ajudam na colheita. A esposa de Ziyad, Um Ahmed, disse: "Vendemos as safras e subsistimos com o dinheiro que ganhamos. O mais importante para nós é não termos nenhuma dívida".

 

 CC BY-NC-ND/CICV/N. Alwaheidi

Saber Al Breim, de 37 anos, é casado, tem seis filhos e mora na área de al-Qarara em Gaza. A sua casa foi uma das muitas danificadas durante o conflito. As suas terras foram totalmente destruídas.

Além de fertilizante, 1,4 mil agricultores na região receberam trigo e ervilhas do CICV. As suas terras também foram niveladas.

A esposa, o filho e outros familiares de Saber o ajudaram durante a temporada recente de colheita do trigo.

 

 CC BY-NC-ND/CICV/N. Alwaheidi

Depois do conflito, o CICV conectou as principais tubulações de água vindas dos poços de água, a fim de permitir que os agricultores estendessem os canos das suas sublinhas e irrigassem as suas terras.

Existem oito tubulações em Khuzaa, al-Qarara, Abassan, al-Mosaddar e al-Shoka.

O cano na foto tem 1,8 quilômetros de comprimento e beneficia aproximadamente 70 agricultores.

CC BY-NC-ND/CICV/N. Alwaheidi

Cerca de 160 agricultores de seis áreas foram beneficiados pela restauração das estufas locais empreendida pelo CICV.

"Quando eles consertaram os tetos das estufas, sentimos que revivíamos. Trouxe-nos esperança. Obrigada", disse Um Sulaiman Daher, de 65 anos, que tem dois filhos e foi beneficiada pelo projeto do CICV com as estufas em Gaza.

 

CC BY-NC-ND/CICV/N. Alwaheidi

Atwa ElMani, de 45 anos, tem cinco filhos e vem da área a leste de Deir el-Balah.

"A rede e as coberturas de plástico sobre as minhas safras deveriam ser trocadas a cada dois anos, mas devido aos meus recursos financeiros limitados, posso trocá-las apenas a cada cinco. Isto afetou a produtividade e a qualidade das minhas colheitas".

 

 CC BY-NC-ND/CICV/N. Alwaheidi

As coberturas de plástico e as redes sobre as estufas foram estragadas durante o conflito em 2014. Agora que foram consertadas, Atwa espera uma temporada melhor e mais produtiva.

 

CC BY-NC-ND/CICV/N. Alwaheidi

"As terras aqui estavam muito desniveladas e cheias de montes e buracos, mas as escavadoras do CICV chegaram e nivelaram tudo até deixá-lo como era antes". Abu Ahmed al-Najjar, de 87 anos, é um dos agricultores mais velhos na área de al-Qarara.

Para plantar novas safras na área, 250 agricultores receberam dinheiro. O CICV monitorou o processo de replantação e ajudou a orientar os agricultores no seu trabalho.

Outros 180 agricultores serão beneficiados por este projeto neste ano.