Colômbia: 230 mil pessoas recebem ajuda enquanto aguardam a paz

12 março 2015

Genebra-Bogotá/CICV - A população na Colômbia sofre diariamente as consequências humanitárias do conflito e de outras situações de violência, afirmou hoje a delegação do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) na Colômbia, durante a apresentação do seu Relatório da Situação Humanitária 2014. No ano passado, a organização registrou 875 supostas infrações ao Direito Internacional Humanitário (DIH) e outros atos que afetam a população.

"As ameaças, os desaparecimentos, a presença de artefatos explosivos e a violência sexual seguem afetando a população", destacou o chefe da delegação do CICV no país, Christoph Harnisch. "A organização está próxima às pessoas que sofrem o conflito armado e outras situações de violência na Colômbia, para ajudá-los a melhorar as suas vidas e seguir em frente", afirmou Harnisch.

O CICV destacou que o DIH seguirá vigente após a assinatura de um acordo de paz, regulamentando as obrigações das partes de informar sobre as pessoas desaparecidas assim como as condições das pessoas detidas em conexão com o conflito como, por exemplo, o acesso à saúde e o contato com as famílias. As problemáticas humanitárias, como os desaparecimentos ou a contaminação por armas, persistirão inclusive depois um eventual acordo de paz.

Em 2014, mais de 230 mil pessoas em zonas de conflito e outras situações de violência foram beneficiadas pela ação humanitária do CICV. Entre elas, 13 mil pessoas deslocadas receberam alimentos, utensílios domésticos e artigos de higiene e mais de 19 mil residentes de zonas de violência recuperaram as suas fontes de renda e meios de subsistência com 32 intervenções produtivas. O apoio do CICV permitiu que 655 pessoas, cujas vidas corriam perigo, pudessem se mudar a um lugar seguro. A organização também acompanhou 220 famílias que buscavam parentes desaparecidos.

Durante 2014, os delegados do CICV visitaram 81 mil pessoas privadas de liberdade, que correspondem a 72% de todos os detidos no país. Nessas visitas, foram avaliadas as suas condições de vida e foram feitas recomendações de melhorias para as autoridades.

"É importante que o processo de paz entre o governo da Colômbia e a guerrilha das Farc possa melhorar a situação humanitária da população no país", comenta Harnisch. "O CICV espera que a sua ação humanitária continue contribuindo para fortalecer esse processo e agradece às partes em conflito a confiança na organização", concluiu o chefe da delegação do CICV na Colômbia.

As consequências humanitárias em núcleos urbanos continuaram em 2014. Buenaventura, Tumaco e Medelin ainda são as três cidades mais afetadas.

O CICV está presente na Colômbia há mais de 40 anos, com o compromisso de aliviar o sofrimento da população afetada pelo conflito e outras situações de violência.

Mais informações:

Patricia Rey, CICV, Bogotá, tel.: +57 311 491 07 89, twitter: @PReyCICR
Sandra Milena Rodríguez Rojas, CICV, Bogotá, tel.: +57 311 491 07 75
Alexis Heeb, CICV, Genebra, tel: +41 79 218 76 10, @AHeebICRC