Desaparecimento no sul da Colômbia, um flagelo que não termina

10 maio 2017

"Só quero saber se meu irmão está vivo ou morto", afirma Cecilia. Ela é a única da família que ainda mora no lugar onde tudo aconteceu: a zona rural de San José del Guaviare, no centro-sul da Colômbia.

Esta é a segunda de uma série de publicações da campanha #AquiFaltaAlguém, com a qual celebramos o Dia Internacional dos Desaparecidos (30 de agosto). Para participar da campanha, compartilhe as suas mensagens de solidariedade nas redes sociais.

Cecilia está sentada sob a maior árvore do quintal da sua casa e nos mostra uma foto em preto e branco de Joselín, seu irmão mais velho, que desapareceu em julho de 1985. "Continuamos com essa dor, esse rancor. É tanto desespero que não sabemos o que fazer. Estará vivo ou morto?", diz.

Cecilia faz parte dos grupos de apoio que o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) organiza para familiares que têm um ente querido desaparecido. Ela recebeu apoio psicossocial para poder enfrentar mais de 30 anos de incerteza e ainda espera respostas sobre o paradeiro do irmão.