Guerra no Iêmen: não olhe para o outro lado quando se trata da maior crise humanitária do mundo

Conheça a história de Alaa

  • Há um velho ditado iemenita que diz que, se você realmente quer saber como as pessoas estão se sentindo, deve olhar nos olhos delas. Os olhos revelam tudo. Os olhos da pequena Alaa já viram muito sofrimento. No ano passado, com apenas quatro anos, perdeu a perna quando foi atingida por estilhaços de um projétil. Pouco depois, o pai dela morreu de Covid-19.
  • “Fui ferida por estilhaços, aqui e aqui”, conta, apontando para as pernas. O seu irmão, Ahmed, a levou ao hospital, onde a sua perna foi amputada. Ela recebeu uma prótese na perna e realizou sessões de fisioterapia em um centro de reabilitação física em Taiz, que recebe o apoio do CICV, para que pudesse andar e ser autônoma.
  • “Os pacientes recebem as próteses para que possam ficar de pé novamente e confiar em si mesmos para coisas básicas, como caminhar ou ir ao banheiro. Mas Alaa, enquanto ela for criança, vai precisar de ajuda. Precisa de apoio, educação e cuidados especiais. Precisa de cuidados especiais como qualquer criança que perdeu uma perna.”
  • Porém, as feridas invisíveis também precisam ser curadas. “Como consequência da guerra, vemos muitos casos — a maioria deles são crianças que precisam ser amputadas. Você sente que a saúde mental delas está muito ruim, que são mais afetadas”, explica Tahani, uma terapeuta de 38 anos. “Muitas começam a se afastar e se isolar. É o nosso dever reabilitá-las e trazê-las de volta à vida.”
  • O irmão de Alaa, Ahmed, também tem dificuldade em aceitar o que passou. “Sonho com esta guerra e com o que aconteceu com a minha irmã. Acordo em pânico com os sons de bombardeios, pensando em como isso poderia prejudicar as crianças. Tento parecer corajoso para os meus irmãos, mas é muito para eu suportar. Tento acabar com os pensamentos negativos e dar força à minha irmã, mas ainda não pude fazer isso.”
  • A história de Alaa está longe de ser única e muitas crianças iemenitas sofrem todos os dias. Elas mal conseguem sobreviver ao dia seguinte e enfrentam dificuldades para encontrar uma perspectiva de futuro. O conflito teve um grande impacto nas crianças do Iêmen. A educação delas quase sempre é interrompida; o tempo de sono foi reduzido; a infância delas foi irrevogavelmente alterada. As projeções mostram que mais de 2,2 milhões de crianças sofrem de desnutrição aguda.
  • Mais de 16 milhões de pessoas não têm acesso confiável à comida no Iêmen, onde os preços dos alimentos dispararam 150%. O país está passando pelo pior surto de cólera da sua história, com mais de 2,5 milhões de casos e quase quatro mil mortes em dezembro de 2020. O cólera, a difteria e agora a Covid-19 estão aumentando, ao mesmo tempo em que somente metade das unidades de saúde em todo o país estão funcionando.
  • O CICV oferece doações e cestas alimentares para a população com o objetivo de evitar a desnutrição e intensifica os seus esforços frente a este desastre iminente. Mas também pedimos um esforço coletivo para atender essa emergência humanitária. Neste momento, a nossa ajuda é necessária e urgente: todo tipo de apoio pode ter um grande impacto. Você também pode ajudar e doar para o Iêmen agora.
15 outubro 2021

Você ficará ao nosso lado para nos ajudar a prestar assistência humanitária urgente e vital, a fim de que as pessoas no Iêmen possam ver um futuro novamente?

Juntos pelas pessoas que necessitam. Vamos agir agora!

quero ajudar

Seis anos de conflito prolongado mataram cerca de 233 mil pessoas, 131 mil das quais morreram de causas indiretas, como falta de serviços de saúde, infraestrutura e alimentos. A capacidade das pessoas de lidar com essa situação continua se desgastando. Os serviços essenciais entraram em colapso, deixando milhões de iemenitas em uma situação humanitária catastrófica.

Saiba mais sobre o que fazemos e como o seu apoio pode fazer a diferença:

Sobre nós: quem somos e o que fazemos

Nos últimos 157 anos, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) tem se concentrado em ajudar as pessoas vulneráveis em zonas de conflito. Como parte do nosso mandato humanitário, que nos foi conferido pelos Estados nas Convenções de Genebra de 1949 e os seus Protocolos Adicionais de 1977, protegemos a vida e a dignidade das pessoas afetadas por conflitos armados.

Prestamos assistência vital e nos esforçamos para preservar a autonomia e a dignidade das pessoas. O CICV dá origem ao Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, a maior rede humanitária do mundo.

Assine o nosso boletim informativo para saber mais e receber regularmente atualizações sobre o nosso trabalho:

Três boas razões para apoiar o CICV

  • Nosso mandato histórico: O CICV é uma organização humanitária neutra, imparcial e independente cujo mandato é proteger e assistir as vítimas de conflitos armados. Os Estados conferiram esse mandato ao CICV nas Convenções de Genebra de 1949 e os seus Protocolos Adicionais de 1977. 
  • Conversamos com todos os lados do conflito. Por quê? Porque isso salva vidas: Falar com os grupos armados nos ajuda a chegar a comunidades vulneráveis com segurança e lembrar aos grupos armados que eles devem respeitar escolas, hospitais e profissionais de saúde. Podemos insistir que a população civil seja protegida e que as pessoas detidas sejam tratadas com humanidade, e podemos garantir a nossa aceitação como organização neutra e imparcial. 
  • Apresentamos resultados. Em 2020, mais de quatro milhões de pessoas receberam alimentos ou assistência para comprar alimentos, mais de 34 milhões de pessoas receberam água potável, estabelecimentos de saúde adequados ou assistência para melhorar as suas condições de vida. Na área de saúde, 599 hospitais receberam suprimentos e outra assistência, incluindo 101 hospitais reforçados ou monitorados diretamente pela equipe do CICV, onde 132.736 operações foram realizadas e mais de quatro milhões de consultas ocorreram. Entre outras atividades, também reunimos 1.049 pessoas — incluindo 892 crianças — com as suas famílias e visitamos 1.043 lugares de detenção.

O CICV no Iêmen: como ajudamos

O CICV está no Iêmen desde 1962 e tem presença permanente em várias províncias. Desde o início do conflito armado no Iêmen, em 2015, o CICV tem ajudado as vítimas prestando socorro, assistência médica e fornecendo água potável. Também apoia centros de saúde, hospitais, empresas locais de água e saneamento, lugares de detenção, entre outras atividades.

Algumas das nossas ações no Iêmen em 2020 incluem:

O tratamento de dezenas de milhares de pacientes com ferimentos causados pela guerra e a prestação de serviços a quase 50 mil pessoas com deficiência.

Foram realizadas 1.324.123 consultas a pacientes em 83 hospitais e centros de saúde apoiados pelo CICV.

As atividades de água e saneamento do CICV beneficiaram 5.811.970 pessoas.

Prestamos assistência de várias formas, incluindo distribuição de alimentos, ajuda financeira, entrega de utensílios domésticos básicos, assistência agrícola e pecuária a 1.643.880 pessoas, entre elas as deslocadas. 

O que posso fazer para ajudar?

Ajude-nos a mobilizar recursos para continuar prestando assistência humanitária urgente e vital no Iêmen:

O nosso trabalho é financiado inteiramente por contribuições voluntárias: cada doação é importante e agradecemos cada contribuição recebida. A sua generosidade nos ajudará a aliviar o sofrimento das vítimas do conflito em todo o mundo e é uma fonte de incentivo para o CICV e as delegações no terreno.

Faça uma doação hoje, divulgue e compartilhe a sua ação com os seus amigos.