Iêmen: antes de falar da paz, devemos falar da guerra

16 novembro 2018
Iêmen: antes de falar da paz, devemos falar da guerra
V-P-YE-E-01804 Sanaa. Ali, 13 anos, em pé em mepio aos escombros dos edifícios do seu bairro.

Declaração do diretor regional do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) para o Oriente Médio e Próximo, Fabrizio Carboni, sobre a situação no Iêmen.

Genebra (CICV) – Uma solução política para o Iêmen é necessária com urgência. Enquanto isso, à medida que as partes em conflito continuem ignorando o Direito Internacional Humanitário - as normas da guerra que protegem os civis -, o terrível sofrimento continuará em todo o país e a fome será mais desesperadora, até chegar ao potencial de fome extrema.
Interromper a espiral negativa no Iêmen requer uma combinação de medidas urgentes: a retomada do processo político, a diminuição progressiva na escalada do conflito, a livre circulação de importações e o acesso desimpedido à ajuda humanitária. Requer, do mesmo modo, um maior respeito pelas normas da guerra.

O CICV acolhe todos os esforços de paz, considerando o modo que esta guerra tem afetado os iemenitas, e estamos de prontidão para prestar qualquer apoio necessário. Porém, antes de falarmos sobre a paz, devemos falar sobre a guerra, especificamente sobre como esta guerra vem sendo conduzida.

Em Hodeida, último epicentro do conflito, os combates recentes colocaram em perigo o Hospital Al Thawra, o maior estabelecimento de saúde da cidade e um dos poucos que ainda funcionam. Como todo centro de saúde, o Hospital deve ser protegido dos ataques. As nossas equipes visitaram recentemente as famílias deslocadas que vivem em uma escola em Hodeida e que comem apenas mingau de farinha e uma pequena porção de arroz. As crianças estão extremamente debilitadas e magras pela falta de comida.

Enquanto as partes em conflito buscam chegar a uma resolução sustentável, a população do Iêmen não pode esperar. Deve ser tomada ação imediata, com as seguintes normas em consideração:

  • As partes devem poupar os civis
  • As partes devem poupar a infraestrutura civil como hospitais e escolas
  • As partes devem se manter a uma distância necessária da infraestrutura civil para evitar que esta seja um alvo militar
  • As partes devem permitir que os civis fujam das área de combate, permitindo livre movimento de produtos como alimentos e remédios
  • As partes devem continuar facilitando a ação humanitária dentro do país
  • A vida atual no Iêmen consiste em morte, destruição e fome. O futuro deve trazer alívio para esta agonia. Enquanto isso, é urgente uma mudança imediata. Fazemos um apelo às partes para que respeitem as normas da guerra.

Mais informações:
Mirella HODEIB, CICV Sanaa, tel: +967 7391 64666
Sara ALZAWQARI, CICV Beirute, tel: +961 3138 353