Myanmar: depois de um ano, as dificuldades continuam para a população de Rakhine

  • No auge da violência no ano passado, era comum ver famílias esperando na praia de Alal Than Kyae em Maungdaw, ansiosas para cruzar para Bangladesh.
    CC BY-NC-ND / CICV / Hla Yamin Eain
  • Nas primeiras semanas, centenas de toneladas de alimentos e material de ajuda foram enviados de Yangon a Maungdaw.
    CC BY-NC-ND / CICV / Hla Yamin Eain
  • Mulheres de Rakhine ajudam com o material de emergência.
    CC BY-NC-ND / CICV / Hla Yamin Eain
  • Conversar com as pessoas para conhecer melhor as necessidades das comunidades nos ajuda a prestar uma melhor assistência.
    CC BY-NC-ND / CICV / Indu Nepal
  • Muitas pessoas têm acesso restrito a mercados, e a maioria das lojas fecharam, deixando famílias com pouca ou nenhuma renda. Até agora, assistimos 280 mil pessoas com alimentos, água e outros artigos básicos como produtos de higiene e kits de dignidade.
    CC BY-NC-ND / ICRC / Hla Yamin Eain
  • Daw Ma Aye Sein e o seu povoado receberam sementes e fertilizantes para cultivar a sua própria comida. Sementes de tomate são as favoritas dela.
    CC BY-NC-ND / CICV / Hla Yamin Eain
  • As clínicas móveis de saúde têm um papel crucial nas área remotas. Muitas foram criadas para tornar a assistência à saúde mais acessível. As nossas equipes também entregam material médico e equipamento aos centros rurais em Maungdaw.
    CC BY-NC-ND / CICV / Lin Hnin Aye
  • As monções fazem com que o acesso a muitos povoados e acampamentos seja extremamente difícil no Estado de Rakhine.
    CC BY-NC-ND / CICV / Indu Nepal
  • Os abrigos improvisados são frágeis demais para as chuvas e ventos fortes, tornando a vida muito difícil. Para ajudar as pessoa a enfrentar a estação, as quantidades de comida foram duplicadas.
    CC BY-NC-ND / CICV / Lin Hnin Aye
  • Como muitas outras, Ma Than Win, uma jovem mãe, pôde reforçar a sua casa nas ilhas remotas de Pauktaw, onde membros da comunidade foram capacitados em carpintaria para construir estruturas resistentes às monções.
    CC BY-NC-ND / CICV / Hla Yamin Eain
  • Meses depois de ter se separado da família, esta mulher detida pôde encontrar os filhos em um acampamento em Cox’s Bazar, Bangladesh. Centenas de famílias separadas foram reunidas com a ajuda dos pedidos de busca e das mensagens Cruz Vermelha. Um ano depois, o nosso compromisso continua firme.
    CC BY-NC-ND / CICV / Etienne Chenier-Lafleche
03 setembro 2018

Há um ano, em 25 de agosto de 2017, a violência irrompeu no norte do Estado de Rakhine, Myanmar, continuando por muitos meses. Todas as comunidades foram afetadas direta ou indiretamente e muitas pessoas foram deslocadas dentro do estado. Desde então, mais de 720 mil pessoas fugiram através da fronteira com Bangladesh e o impacto da violência continua sendo sentido pelos moradores que ficaram.

Desde o início da crise, o Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho prestou assistência humanitária na região do norte de Rakhine. No total, mais de 280 mil pessoas receberam alimentos, água, utensílios domésticos, serviços de saúde, ajuda financeira e apoio para os meios de subsistência.

Mediante visitas regulares às prisões, monitoramos e ajudamos a melhorar o tratamento dos detidos e as condições de detenção. Também coletamos mais de 2 mil mensagens Cruz Vermelha de ambos os lados da fronteira para restabelecer o contato entre os detidos e os seus parentes.

As necessidades humanitárias no Estado de Rakhine são muitas. Esta é uma crise prolongada e estamos comprometidos com a assistência no longo prazo, porque atender as necessidades básicas das comunidades, fortalecer a resiliência e apoiar os meios de subsistência delas aumentarão as chances de que a paz e a estabilidade sejam restabelecidas.