República Centro-Africana: sementes trazem esperança e reconstroem vidas

07 junho 2016
República Centro-Africana: sementes trazem esperança e reconstroem vidas
Agora Madeleine pode plantar não apenas amendoins, mas também milho, feijão-fradinho, gergelim, amaranto, abobrinha, azedinha e quiabo. CC BY-NC-ND / CICV / Ananie Kulimushi Kashironge

Madeleine Dondouba caminha com esforço carregando um saco de 20 kg na cabeça. Ela até pode ter 70 anos, mas insiste em transportar a carga sozinha – os amendoins lá dentro são extremamente valiosos. Um voluntário da Cruz Vermelha Centro-Africana a ajuda com os outros pacotes. Madeleine é uma de muitas pessoas em Kokodo, na região noroeste do país, que recentemente receberam sementes e ferramentas agrícolas do CICV.

"Chegamos!" exclama Madeleine sem fôlego enquanto desce com cuidado a sacola até o chão. Em pé na frente de sua casa, Madeleine nos conta sua história: "Dois anos atrás, em abril de 2014, houve combates na minha aldeia, então fugimos para o Chade. Não voltamos até janeiro, depois que a coisa acalmou gradualmente". Mas o conflito deixou cicatrizes permanentes: "Um dos meus filhos foi morto quando os combates eclodiram. E depois de irmos embora, outro adoeceu e morreu porque não houve forma de tratá-lo. Agora só me resta um filho aqui". Sua casa também foi destruída e saqueada. Quando ela e a família voltaram, os amigos de seus filhos os ajudaram a reconstruí-la.

Madeleine reprend le chemin de la maison, chargée de semences et d’outils agricoles.

Madeleine leva para casa sementes e ferramentas agrícolas. CC BY-NC-ND / CICV / Ananie Kulimushi Kashironge

Agora a vida está voltando ao normal, porém lentamente. A economia está estagnada e é difícil conseguir mantimentos, portanto as barracas nos mercados tendem a estar bastante vazias. Os moradores da aldeia precisam muito recomeçar a cultivar suas terras.

"Essas aldeias foram bastante danificadas pelos combates. Para ajudar os que voltam, lançamos uma operação de grande escala para distribuir sementes na região. Isso ajudará a agricultura a se recuperar e impulsionará a economia local", explica Salvatore Farfaglia, responsável pela distribuição de ajuda do CICV na área. "Também entregamos rações de comida a cada família para garantir que elas não passem fome antes da colheita".

Madeleine organiza as sementes de amendoim, feijão e milho antes de guardá-las em uma cesta grande. "Achávamos que fôssemos esquecidos e que morreríamos de fome. Agora fomos salvos; já não temos mais medo". Os outros moradores da aldeia estão tão ocupados quanto Madeleine. Eles estão preparando suas terras e aprontando as sementes para plantá-las. Eles tiveram sorte e as primeiras chuvas chegaram pouco depois da distribuição das sementes.

Au total lors de cette opération, 12 000 familles ont reçu de quoi relancer leurs activités agricoles en République Centrafricaine.

Um total de 12 mil famílias na República Centro-Africana receberam ajuda para poder começar a plantar de novo. CC BY-NC-ND / CICV / Ananie Kulimushi Kashironge

"As sementes nos deram esperança. Podemos começar a reconstruir nossas vidas em nossos campos e em nossas aldeias". Madeleine é otimista apesar de tudo que ela perdeu durante a guerra. "Volte daqui a alguns meses e você verá como a semente nos deu a coragem e a esperança de que precisamos para transformar nossas aldeias".

Receba o boletim do CICV