Sombras do conflito no Iraque

  • As crianças e a sua incrível resiliência
    As crianças e a sua incrível resiliência
    À 1:00 da madrugada do dia 10 de junho, em Mosul, exatamente um mês antes desta foto ser tirada, os familiares desses dois meninos os despertavam de forma abrupta. Como um dos meninos explica: “Entramos correndo nos nossos carros e dirigimos até Bartella, para ficar com uns parentes. Depois, o meu pai me contou que era muito perigoso continuar em Mosul”. Mas nem mesmo Bartella era um lugar tranquilo, já que grupos armados tomaram a cidade depois. Muita coisa aconteceu com esses meninos em um período curto de tempo – mas eles ainda têm a capacidade de sorrir e brincar.
    © CC BY-NC-ND/CICV/S. Dabbakeh
  • Refugiados hospedados em Khanaqin
    Refugiados hospedados em Khanaqin
    Quando o confronto chegou ao vilarejo de Al-Sa’diyah, Diyala, os civis, em particular mulheres, crianças e idosos, só puderam fazer uma coisa: correr para um lugar mais seguro e próximo para salvar as suas vidas. Neste caso, foi a cidade de Khanaqin. As comunidades em Khanaqin puderam hospedar a maioria dos deslocados nas suas próprias casas. No entanto, à medida que o fluxo se tornava esmagador, algumas das pessoas que fugiram se instalavam neste pequeno campo.
    © CC BY-NC-ND/CICV/S. Dabbakeh
  • Khanake
    Khanake
    Quando fugiram das suas casas, essas famílias deslocadas de Sinjar não conseguiam encontrar abrigo para se protegerem do sol escaldante, salvo por esta tenda rudimentar. As famílias foram depois trasladadas para um campo próximo maior e é aqui que enfrentam as congelantes temperaturas do inverno.
    CC BY-NC-ND/CICV/S. Dabbakeh
  • Khanake
    Khanake
    Quando fugiram das suas casas, essas famílias deslocadas de Sinjar não conseguiam encontrar abrigo para se protegerem do sol escaldante, salvo por esta tenda rudimentar. As famílias foram depois trasladadas para um campo próximo maior e é aqui que enfrentam as congelantes temperaturas do inverno.
    CC BY-NC-ND/CICV/S. Dabbakeh
  • Ramadi, província de Anbar
    Ramadi, província de Anbar
    Trabalhar nesta província envolve um processo desafiante e demorado já que as equipes do CICV devem negociar com várias partes no terreno para chegar às vítimas com segurança. As áreas de acesso mais difícil para o CICV e outras organizações humanitárias são aquelas nas quais o confronto está em curso e, infelizmente, as necessidades são mais agudas. As desavenças começaram em Ramadi e Fallujah em dezembro de 2013 e depois se estenderam a pelo menos outras três províncias. Em janeiro de 2015, as equipes do CICV conseguiram distribuir alimentos e outros artigos básicos de ajuda para 1,5 mil famílias deslocadas em Ramadi, mesmo com os enfrentamentos em curso na cidade.
    CC BY-NC-ND / CICV
  • Najaf
    Najaf
    Algumas das pessoas deslocadas de Mosul e de outros vilarejos se instalaram na área de Babil. No subdistrito de Abu Gharaq, cerca de 25 quilômetros a oeste de Babil, o CICV distribuiu alimentos e artigos básicos para 3,6 mil pessoas deslocadas, incluindo este menino. As cestas alimentares cobrem as necessidades de uma família de seis pessoas por um mês. Um chefe de família manifesta o seu sentimento de amargura, quando conta: “Esta é a primeira vez que recebemos ajuda de alguém”.
    CC BY-NC-ND/ICRC/L. Ameen
  • Al-Madinah al-Siyahiyyah (cidade turística)
    Al-Madinah al-Siyahiyyah (cidade turística)
    Este era o principal centro recreativo para as famílias iraquianas. Localizado no lago Al-Habbaniyah, a 45 quilômetros a noroeste de Fallujah, este grande centro contava com, entre outras atrações, um hotel, cabanas e restaurantes. Mas agora, pela segunda vez na década, o estabelecimento deixa de lado o seu propósito recreativo e assume a função de abrigo, hospedando cerca de 13 mil pessoas deslocadas de Fallujah, Ramadi, Ghurmah e Jurf al-Sakhr. De forma análoga a situações de conflito em outros lugares, o confronto nos arredores de Siyahiyyah resultou na interrupção da unidade de bombeamento e filtragem de água da cidade. O CICV reabilitou a unidade, que agora abastece as famílias deslocadas com água potável. Os deslocados em Siyahiyyah também se beneficiam com a distribuição de alimentos e outros artigos básicos do CICV para 13,2 mil pessoas em janeiro de 2015.
    CC BY-NC-ND/CICV
11 fevereiro 2015

Desde o início de 2014, o atual conflito armado no Iraque levou ao deslocamento mais de 2 milhões de pessoas. Algumas áreas do país presenciaram importantes movimentos populacionais já que as pessoas que fugiam dos confrontos buscavam abrigo em áreas relativamente mais seguras. Quem respondeu primeiro às crescentes necessidades das pessoas deslocadas foram as comunidades iraquianas nessas áreas, que receberam, acolheram e forneceram alimentos, água e outras formas de assistência e apoio. A resposta do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) às necessidades das pessoas deslocadas foi eficiente e rápida. Alguns deslocados receberam ajuda 48 horas depois do seu deslocamento. No entanto, em algumas cidades e vilarejos, as mudanças e o fluxo populacional modificaram a paisagem dos lugares que acolheram uma população maior do que a sua própria.

Esta galeria de foto apresenta parte das atividades do CICV em diferentes áreas afetadas pelo confronto no Iraque.