Mali: uma emergência humanitária em um contexto altamente instável

27-04-2012 Relatório de operações

Apesar das restrições de segurança, o CICV e a Cruz Vermelha do Mali continuaram ajudando as pessoas afetadas pela violência armada no Norte do Mali.

Jürg Eglin é o chefe da delegação regional do CICV para Mali e Níger. “O acesso à assistência à saúde, comida e água está tão difícil como sempre nesta região de escassez de alimentos,” explica. As pessoas ainda enfrentam dificuldades para conseguir água em Gao, Timbuktu e Kidal.
“No dia 21 de abril, um comboio da Cruz Vermelha do Mali pôde levar comida e remédios para o Hospital de Timbuktu,” acrescentou Eglin. “Temos que obter, de todos os modos, o acesso às pessoas afetadas pela violência, mas ainda não temos as garantias de segurança que precisamos antes de lançar uma operação humanitária de larga escala.”
O contexto é instável e complexo. O CICV está atualmente trabalhando para garantir que todas as partes compreendam e aceitem a atuação neutra, independente e humanitária do CICV e da Cruz Vermelha do Mali. Somente será possível atender plenamente as enormes necessidades desta região se todas as partes envolvidas aceitem isso, fornecendo garantias de segurança.
Desde 13 de abril, o CICV:

  • Enviou um comboio de Niamei para Níger (em 17 de abril) para distribuir remédios e material médico para o Hospital de Gao, possibilitando que este trate de 300 a 500 pacientes enfermos e cerca de 100 feridos pelos combates;
  • Disponibilizou um enfermeiro e uma parteira do CICV para a equipe médica do Hospital de Gao;
  • Entregou remédios para o principal centro de saúde em Ansongo, sul de Gao, para auxiliar o centro a retomar os serviços;
  • Enviou um cirurgião e um médico para as áreas de Gao e Timbuktu, para tratar de feridos pelos combates;
  • Forneceu cerca de cinco mil litros de combustível por dia para manter funcionando o sistema hidráulico da cidade de Gao e evitar falta d’água;
  • Enviou uma equipe para identificar as necessidades mais urgentes em Kidal;
  • O CICV mantém equipes menores do que o costume em Gao, Kidal e Timbuktu, de forma a continuar as operações no norte de Mali. A organização recém abriu um escritório em Mopti e segue atuando em Bamako, a capital do país. Finalmente, o CICV ajuda os refugiados malineses em Burkina Faso, Mauritânia e Níger.

Mais informações:
Jürg Eglin, CICV Niamei, tel.: +227 96 85 78 68      
Steven Anderson, CICV Genebra, tel.: +41 79 536 92 50      

Foto

Bamako, Mali. Uma família malinesa fugindo dos distúrbios na cidade de Gao, no nordeste, tomada pelos rebeldes, aguarda o transporte após chegarem de ônibus. 

Bamako, Mali. Uma família malinesa fugindo dos distúrbios na cidade de Gao, no nordeste, tomada pelos rebeldes, aguarda o transporte após chegarem de ônibus.
© Reuters / J. Penney

Ferério, Província de Oudalan, Burkina Faso. Um voluntário da Cruz Vermelha de Burkina Faso, trabalhando com o CICV, cadastra uma família malinesa refugiada. 

Ferério, Província de Oudalan, Burkina Faso. Um voluntário da Cruz Vermelha de Burkina Faso, trabalhando com o CICV, cadastra uma família malinesa refugiada.
© ICRC / C. Bosson / v-p-bf-e-00022

Gorum-Gorum, Província de Oudalan, Burkina Faso. As equipes descarregam os caminhões que recém chegaram da Costa do Marfim com artigos de primeira necessidade para os refugiados malineses que fugiram dos combates.  

Gorum-Gorum, Província de Oudalan, Burkina Faso. As equipes descarregam os caminhões que recém chegaram da Costa do Marfim com artigos de primeira necessidade para os refugiados malineses que fugiram dos combates.
© ICRC / C. Bosson / v-p-bf-e-00028

Gorum-Gorum, Província de Oudalan, Burkina Faso. Artigos de primeira necessidade que recém chegaram da Costa do Marfim para distribuição aos refugiados malineses que fugiram dos combates. 

Gorum-Gorum, Província de Oudalan, Burkina Faso. Artigos de primeira necessidade que recém chegaram da Costa do Marfim para distribuição aos refugiados malineses que fugiram dos combates.
© ICRC / C. Bosson / v-p-bf-e-00026