Página arquivada:pode conter informações antigas

Geórgia/Federação Russa: inverno difícil pela frente

06-11-2008 Relatório de operações

Três meses depois que eclodiu a guerra entre a Rússia e a Geórgia, milhares de pessoas enfrentam um inverno difícil. O CICV tem ajudado os mais vulneráveis, incluindo os deslocados, as famílias dispersas e os idosos.

     

© ICRC / ge-e-00386 
   
Tskhinvali. Funcionário do CICV recolhe Mensagens Cruz Vermelha de idosos que ficaram separados de suas famílias  
               
 
   
Geórgia/Ossétia do Sul: momentos cruciais na resposta do CICV à crise

Geral:
  • O CICV conseguiu trazer de volta ao seio de suas famílias mais de 270 pessoas em Tbilisi, Gori e Tskhinvali, desde o começo das hostilidades. 

  •    
  • O CICV distribuiu água e outros tipos de assistência para 135 mil pessoas desde o começo das hostilidades.

  • Ao longo de toda a crise, as Sociedades da Cruz Vermelha Francesa, Italiana, Norueguesa, Suíça e as Sociedades do Crescente Vermelho Turca e Kuwaitiana trabalharam em coordenação com o CICV e a Cruz Vermelha Georgiana. Além disso, as Sociedades da Cruz Vermelha Canadense e Alemã enviaram equipes para a equipe médica móvel do CICV.

  • Hoje, o CICV ainda é a única organização humanitária internacional com presença permanente na Ossétia do Sul.


  • Agosto de 2008:
  • 11.08: a equipe do CICV em Tbilisi recebe a chegada de mais funcionários; é lançado o apelo preliminar por 7,4 milhões de dólares; o CICV visita dois prisioneiros de guerra russos em Tbilisi;

  • 12.08: com o apoio do CICV, a filial da Cruz Vermelha Russa na Ossétia do Norte distribui gêneros domésticos de primeira necessidade para 600 pessoas que fugiram dos combates na Ossétia do Sul;

  • 13.08: os primeiros vôos do CICV aterrissam em Tbilisi. Nove vôos transportam 335 toneladas métricas de comida, água, equipamento sanitário e outros suprimentos. Os vôos terminam em 19 de agosto;

  • 16.08: o presidente do CICV chega em Tbilisi;

  •    
  • 17.08: voluntários da Cruz Vermelha Georgiana distribuem comida e gêneros domésticos nos centros coletivos em Tbilisi;

  • 18.08: O CICV visita três prisioneiros de guerra georgianos em Vladikavkaz (Federação Russa);

  • 20.08: uma equipe do CICV chega a Tskhinvali de Vladikavkaz;

  • 21.08:o CICV abre um escritório em Gori e realiza sua primeira visita de terreno nos vilarejos ao sul de Gori e em direção ao norte, nos territórios adjacentes à Ossétia do Sul, sob o controle das forças russas;

  • 23.08: o CICV faz sua primeira visita aos civis detidos em Tskhinvali

  • 24.08: funcionários do CICV visitam detidos da Ossétia do Sul;

  • 26.08: equipes de proteção do CICV começam a avaliar a situação nos vilarejos fora de Tskhinvali;

  • 28.08: a clínica médica móvel do CICV começa a operar nos vilarejos ao norte de Gori. São realizadas mais de 200 consultas por dia;

  • 29.08: a Sociedade do Crescente Vermelho Turca distribui 700 rações de comida em Gori, em parceria com a Cruz Vermelha Georgiana.


  • Setembro de 2008:
  • 22.09: mais de 100 delegados e funcionários locais do CICV são baseados em Tbilisi/Zugdidi/Batumi/Sukhumi. Mais de 50 delegados e funcionários locais são baseados em Tskhinvali;

  • 23.09: a Cruz Vermelha Italiana serve sua 200ª refeição em uma cantina da Cruz Vermelha localizada no campo de tendas em Gori.


  •     Outubro 2008:
  • 01.10: tem início o programa de abrigos do CICV nos povoados ao norte de Gori; começa o programa do CICV na Ossétia do Sul.
  •  
         

     

     

Três meses depois que eclodiu o conflito armado entre a Rússia e a Geórgia, milhares de pessoas ainda precisam de ajuda. " Embora o conflito que começou em 8 de agosto tenha durado apenas alguns dias, seu impacto será sentido pela população civil por vários meses " , afirmou Jerôme Sorg, vice-chefe de operações do CICV para a Rússia e o Cáucaso. O CICV está concentrando seu apoio nas pessoas mais vulneráveis, especialmente os idos que moram nas áreas rurais, que estão sem serviços e apoio. " A fase aguda da emergência já acabou, mas com a aproximação do inverno, as necessidades das pessoas vão aumentar nos próximos meses " , disse Sorg. " Vamos acelerar nossa resposta. "

O CICV tem ajudado as pessoas de todos os lados que foram atingidas pelo conflito e suas conseqüências. Nos primeiros dias do conflito, conseguiu rapidamente acesso aos civis que moram nos vilarejos nas áreas mais atingidas ou perto delas. Também prestou assistência aos deslocados pelos combates na Geórgia e Rússia. Enquanto o CICV manteve presença em Tbilisi, Gori e Tskhinvali, agora mudou sua estratégia para se concentrar cada vez mais nas zonas rurais remotas.

  Reunindo as famílias que ficaram separadas pela guerra  

Embora 270 pessoas já tenham voltado para junto de suas famílias com a ajuda do CICV, cerca de 400 famílias ainda estão sem notícias de seus parentes. Nos próximos meses, a organização vai intensificar seus esforços em prol de mais de 1.100 pessoas que pediram ajuda à organização para encontrar os familiares. Além disso, um especialista forense do CICV está disponível para ajudar as autoridades locais a identificar restos mortais.

O CICV visita regularmente locais de detenção para acompanhar as condições de vida e tratamento dos detidos, particularmente daqueles que foram presos em função do recente conflito.

     

  Cuidados de saúde nas áreas remotas  

O acesso a cuidados médicos de qualidade continua a ser um problema, particularmente para os idosos e as pessoas na Ossétia do Sul. " Nosso centro médico não tem nem os suprimentos para tratar os pacientes com problemas menos sérios como cortes e dores de cabeçca " , disse Boris Gabaraev, chefe do governo local no vilarejo de Khetagurovo, no distrito Tshinvali.

No final de agosto, o CICV começou a operar clínicas móveis na área de Gori, na Geórgia, a fim de ajudar as pessoa s que não têm acesso a cuidados médicos. Uma equipe do CICV e da Cruz Vermelha Norueguesa que trabalha com médicos e autoridades locais ofereceu consultas grátis, principalmente para os idosos que sofrem de doenças crônicas. Até agora a clínica já realizou mais de 6.300 consultas.

  Comida e assistência  

A comida pode ser difícil de ser obtida nas áreas rurais atingidas pelo conflito, particularmente para os idosos. A colheita tardia e o transporte precário resultaram em preços elevados nas feiras locais, organizadas pelos fazendeiros. Muitas pessoas estão preocupadas com a proximidade do inverno, e as condições difíceis do inverno podem, em breve, deixar muitos povoados inacessíveis. " Vamos continuar a distribuir comida até a chegada do inverno " , disse Aslan Tukhuzhev, delegado do CICV especialista em segurança econômica. " Esperamos que isto ajude as pessoas a sobreviver durante os próximos meses, que vão ser bastante difíceis. "

A situação nas áreas mais remotas continua particularmente precária. " Em virtude das estradas ruins, as pessoas estão isoladas e o acesso a serviços e à ajuda humanitária é limitado " , afirmou Tukhuzhev. " Elas precisam de muita coisa, mas sõ podemos atender a algumas de suas necessidades. "

O CICV continua a ser uma das poucas organizações humanitárias a trabalhar na Ossétia do Sul, tanto nos vilarejos étnicos georgianos como ossetianos. " Os moradores aqui foram duramente atingidos pelo conflito.Vão precisar de assistência durante todo o inverno " , disse René Boeckli, chefe do escritório do CICV em Tskhinvali. " Só na Ossétia do Sul vamos fornecer farinha de trigo, açúcar, sal, óleo e produtos de higiene para cerca de 14 mil pessoas antes do final de novembro. "

Durante o inverno, o CICV planeja continuar a distribuir comid a e produtos de higiene para cerca de 13 mil pessoas que voltaram recentemente para casa na chamada zona-tampão em torno de Ossétia do Sul, que foi particularmente atingida pelos combates. Desde agosto, a organização forneceu mais de 60 mil rações de comida e mais de 75 mil gêneros domésticos para áreas atingidas pela guerra nas regiões central e oeste da Geórgia. Os beneficiários incluem pessoas deslocadas que moram em centros coletivos, famílias ou indivíduos que ficaram isolados pelos combates, e pessoas que voltam para casa, depois de terem fugido.

O CICV também lançou campanhas de informação para alertar a população, particularmente as crianças, para os perigos das minas e material explosivo não explodido deixado pelos combates.

  Reconstrução de casas  

Com o inverno se aproximando rapidamente, o CICV começou a conduzir grandes obras em vários centros coletivos em Tbilisi, Gori e na região oeste da Geórgia, que abrigam cerca de 5 mil pessoas. Todas fugiram de casa por causa do conflito. Cerca de 2 mil famílias cujas casas sofreram danos também vão receber lençóis de plástico em cor clara para cobrir as janelas.

Em Tskhinvali, muitas pessoas cujas casas sofreram danos ou ficaram destruídas pelos combates estão desesperadamente buscando soluções práticas para os problemas que enfrentam com a proximidade do inverno. Até agora, o CICV distribuiu mais de 1.300 encerados para a cidade e vilarejos próximos. Também ofereceu vidros e material de construção. Se, por um lado, isso vai possibilitar que os moradores se preparem melhor para o inverno, por outro, as soluções de longo prazo terão de ser encontradas para resolver o problema da moradia.

  Trabalhando com o Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho  

Desde o início da crise, o CICV tem trabalhado em estreita parceria com seus parceiros do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho. A Sociedade da Cruz vermelha da Geórgia e a Sociedade da Cruz Vermelha Russa tiveram um papel importante nas operações do CICV. Outras sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho estão em coordenação com o CICV para garantir uma resposta eficiente e abrangente.

Desde 8 de agosto:

  • a Cruz Vermelha Francesa forneceu enlatados e lonas;

  • a Cruz Vermelha Italiana serviu mais de 270 mil refeiþ§es para os deslocados na ßrea de Gori e nos centros coletivos de Tbilisi;

  • a Sociedade do Crescente Vermelho do Kuwait forneceu comida para bebÛ, camas, cobertores e lenþ¾is;

  • a Cruz Vermelha da Let¶nia forneceu apoio financeiro para as operaþ§es de socorro da Sociedade da Cruz Vermelha da Ge¾rgia;

  • a Cruz Vermelha Noruguesa forneceu um hospital m¾vel e funcionßrios especializados;

  • a Cruz Vermelha SuÝþa forneceu mais de 8.500 colch§es;

  • a Sociedade do Crescente Vermelho Turca forneceu kits de comida, colch§es e kits de cozinha.