Crise na Ucrânia: um ano de conflito deixa muitas necessidades urgentes de ajuda

14 abril 2015
Crise na Ucrânia: um ano de conflito deixa muitas necessidades urgentes de ajuda

Genebra / Kiev / Moscou – O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) faz um apelo de fundos extras para enfrentar a grave situação humanitária depois de um ano de intenso conflito no leste da Ucrânia.

O frágil cessar-fogo, acordado em fevereiro, possibilitou que equipes do CICV avaliassem com mais clareza a situação nas áreas da linha de frente. As necessidades das pessoas deslocadas, feridas, detidas e daquelas que tentam reconstruir as suas vidas, são graves.

Embora os enfrentamentos tenham terminado, ainda há vítimas praticamente todos os dias e as condições de vida são péssimas

O CICV pede aos doadores 32 milhões de francos suíços (34 milhões de dólares). Esta quantia servirá para incrementar a assistência às pessoas que ficaram desabrigadas depois do conflito, apoiar os serviços básicos de saúde e ajudar a identificar os mortos. Também será usada para alertar sobre os perigos do material bélico não detonado e ajudar os serviços de emergência a lidar com essa questão.

"Embora os enfrentamentos tenham terminado, ainda há vítimas praticamente todos os dias e as condições de vida são péssimas para os civis nas áreas da linha de frente e para as pessoas deslocadas em toda a região", afirmou o chefe de operações do CICV para a Europa e Ásia Central, Laurent Corbaz. "Precisamos ajudar as pessoas a lidarem com o contínuo impasse e o resultado de um ano desse terrível conflito".

Os fundos extras elevarão o orçamento de 2015 para a Ucrânia e a delegação regional de Moscou para mais de 80 milhões de francos suíços (84,5 milhões de dólares), fazendo com que a resposta do CICV a esta crise esteja entre as cinco principais operações globais.

Segundo as Nações Unidas, pelo menos 6 mil pessoas foram mortas durante o conflito no leste da Ucrânia e metade da população da região, cerca de 2 milhões de pessoas, foram deslocadas. Durante os enfrentamentos, os civis que estavam perto da linha de frente ficaram sujeitos a intensos bombardeios com foguetes e artilharia. Os hospitais, as escolas e as redes de água e eletricidade, além de outros serviços básicos, foram duramente danificados.

A situação piorou a pobreza relativa na região, a falta de recursos nas áreas sob controle da oposição e a inatividade econômica. As pessoas também tiveram dificuldade para ter acesso às pensões e às suas economias devido aos novos procedimentos de viagem. Sem trabalho ou renda, famílias inteiras sobrevivem com a ajuda distribuída pelo CICV e pelos parceiros do Movimento da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho.

Em 2015, o CICV levou mais de 3 mil toneladas de ajuda para as áreas controladas pela oposição nas regiões de Lugansk e Donetsk. Mais de 156 mil pessoas receberam assistência alimentar e mais de 167 mil pessoas receberam outros artigos básicos, em ambos os lados da linha de frente.

No sul da Rússia e na Crimeia, o CICV e as filiais locais da Cruz Vermelha distribuíram 1,2 mil toneladas de ajuda para a população que fugiu das hostilidades na Ucrânia.

O trabalho do CICV em benefício das pessoas privadas de liberdade é uma parte essencial do seu mandato. Desde setembro de 2014, a organização visita centros de detenção administrados pelo governo. Em 2015, o CICV forneceu alimentos e artigos de higiene para cerca de 16 mil pessoas detidas mantidas em estabelecimentos penitenciários nas áreas controladas pela oposição. Ademais, insiste em manter conversações com as autoridades ucranianas e a oposição para obter consentimentos formais para visitar os detidos e já ofereceu os seus serviços para facilitar a liberação simultânea de pessoas detidas por ambos os lados.

Mais informações:

Anastasia Isyuk, CICV Genebra, tel: +41 22 730 3023 ou +41 79 2519302
Ashot Astabatsyan, CICV Kiev, tel: +380 67 509 42 06
Victoria Zotikova, CICV Moscou, tel: +7 903 545 35 34