Norte da Etiópia: diminuição de provisões médicas impede atendimento a pessoas necessitadas

Norte da Etiópia: diminuição de provisões médicas impede atendimento a pessoas necessitadas

Devido ao conflito no norte da Etiópia, centenas de milhares de pessoas tiveram que se deslocar, o que exerce uma enorme pressão sobre o sistema de saúde e a equipe médica da região.
Declaração 18 janeiro 2022 Etiópia

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) está profundamente com a disponibilidade de tratamento médico, inclusive de remédios e equipamentos médicos. Os serviços de saúde carecem de provisões médicas essenciais e, em alguns casos, a infraestrutura foi severamente danificada. Isso dificulta o acesso à assistência médica e priva a população do essencial de que precisa para sobreviver.

O CICV adaptou suas atividades de assistência para dar prioridade às pessoas mais vulneráveis. No entanto, nossa capacidade de resposta foi limitada pela diminuição das provisões médicas, e a prestação da assistência humanitária fica seriamente prejudicada pelos combates, pela insegurança e pelas restrições de acesso.

"Em Amara, alguns hospitais fecharam por causa da falta de remédios", disse o responsável pela resposta do CICV em Amara e Afar, Micha Wedekind. "Todos os dias, pessoas com doenças crônicas morrem e mulheres dão à luz em casa porque os estabelecimentos de saúde não funcionam, muitas vezes não têm eletricidade nem água."

"No Tigray, artigos descartáveis, como luvas, materiais cirúrgicos e até mesmo drenos de tórax, estão sendo lavados e reutilizados, o que aumenta o risco de infecções. Em alguns lugares, os médicos limpam feridas com sal em vez de desinfetante", disse o coordenador de saúde da delegação do CICV na Etiópia, Apollo Barasa. "Os pacientes recebem remédios vencidos, as fábricas de oxigênio não funcionam mais e alguns postos de saúde não conseguem fornecer vacinação de rotina."

O CICV lembra a todas as partes em conflito que elas devem facilitar, sem demora, a prestação de assistência humanitária àqueles que mais precisam.

Neste mês, nosso apoio médico chegou a sete postos de saúde perto de Dessie, incluindo Hayk, Mersa, Woldiya e Kobo. Com a Cruz Vermelha Etíope, o CICV ofereceu apoio a 130 unidades de saúde em Amara, Afar, Tigray, Oromia e Região Somali durante 2021.

Mais de 110 mil pessoas se beneficiaram de nossos programas médicos, e 9,8 mil pessoas fizeram tratamentos fisioterapêuticos e para melhorar a mobilidade.

Além da assistência médica, o CICV também considera preocupante a situação alimentar e de subsistência no norte da Etiópia. Na semana passada, nossas equipes conseguiram levar ajuda humanitária às comunidades de Lalibela, em Amara, pela primeira vez em seis meses. Entregaram alimentos a 2,5 mil pessoas e artigos domésticos – como colchões, galões para combustível, utensílios de cozinha e lâmpadas solares – a 6 mil pessoas. Em Mekelle, o CICV distribuiu artigos domésticos de primeira necessidade e produtos de higiene para mais de 900 pessoas deslocadas.

Por último, embora mantendo as operações na área, o CICV manifesta uma grande preocupação devido às notícias de que os combates no norte da Etiópia causaram vítimas civis, inclusive os ataques aéreos recentes.

Pedimos que todas as partes em conflito respeitem as normas e as obrigações do Direito Internacional Humanitário (DIH), que estipulam que a população civil deve ser protegida contra ataques e que se deve fazer tudo o que for viável para verificar se os alvos são objetivos militares. Na medida do possível, a população civil também deve ser removida das proximidades dos objetivos militares.

Em 2021, o CICV:

- ajudou 655 mil pessoas com utensílios domésticos, abrigo e dinheiro em todo o país, principalmente no norte da Etiópia;
- forneceu assistência agrícola e pecuária a 875 mil pessoas;
- facilitou o acesso a água potável e saneamento para 1.950.000 pessoas, inclusive em centros de detenção;
- ajudou mais de 169 mil pessoas a restabelecer ou manter laços familiares, facilitando a troca de notícias entre familiares.

Mais informações:

Fatima Sator, CICV Adis Abeba, fsator@icrc.org M. +251944101700
Alyona Synenko, CICV Nairóbi, asynenko@icrc.org M. +254716897265