Refugiados sírios na Jordânia: o medo, a ansiedade e a esperança fazem parte do dia a dia

24 novembro 2015
Refugiados sírios na Jordânia: o medo, a ansiedade e a esperança fazem parte do dia a dia
Jordânia. Um Nawwaf é da Síria. Ela fugiu para a Jordânia em 2012. CC BY-NC-ND /CICV/A. Sari

Para os refugiados sírios que moram na Jordânia, a vida é repleta de dificuldades diárias. A assistência humanitária torna suas vidas um pouco mais fáceis, mas vivem com a presença constante de medo, ansiedade e a esperança de um futuro melhor.

Há três anos, a família de Um Nawwaf morava em Ghouta, Síria, que naquela época foi atingida por bombardeios. Com medo por seus filhos, ela fugiu para a Jordânia, mas seu marido ficou na Síria. Agora, ela mora sozinha com seus cinco filhos em um pequeno apartamento na província de Mafraq.

"Nunca esquecerei aquele dia em que minha filha estava procurando um lugar para se ocultar enquanto as bombas caiam à nossa volta", relembra Um Nawwaf. "Ela caiu sobre uma pedra e bateu a cabeça. Desde então ela sofre de epilepsia. Essa foi a gota d'água – simplesmente tivemos que nos mudar".

Durante os últimos dois anos, Um Nawwaf recebeu apoio do CICV por meio do programa de ajuda financeira da organização (veja o quadro abaixo). "Esperamos pacientemente cada parcela mensal", diz ela, e acrescenta: "Sem essa ajuda vital, a nossa situação teria sido desesperadora".


Mafraq, Jordânia. Um Nawwaf espera para receber um cartão para saques do CICV e do Crescente Vermelho da Jordânia, com o qual ela conseguirá sacar o dinheiro disponível para ela. CC BY-NC-ND /CICV/A. Sari
 

Um Nawwaf descreve quão duro é ser refugiado. "Eu mal consigo colocar um teto sobre a cabeça. Meu filho Nawwaf teve que abandonar a escola e achar um emprego para me ajudar com as despesas". Quase sem conseguir conter as lágrimas, ela diz: "Meu coração se parte toda as vezes que ele vai trabalhar. Ele só tem 13 anos".

Ela descreve a sensação que tem quando recebe uma mensagem de texto que lhe informa que o dinheiro foi depositado na sua conta bancária: "O dinheiro nos ajuda a pagar o aluguel, o combustível e a conta da luz, além de comprar comida e outros utensílios básicos. Ele torna nossas vidas suportáveis".

Com um brilho de esperança nos olhos, Um Nawwaf diz: "Todos os dias eu acordo e falo para mim mesma que essa é uma situação temporária e que as coisas melhorarão logo. Espero que seja assim".

Fazer a diferença para as vidas dos refugiados sírios nas comunidades que os acolhem

A maioria dos refugiados sírios que mora nas comunidades que os acolhem na Jordânia depende da ajuda prestada pelas agências de ajuda humanitária. Por causa do caráter prolongado do conflito, muitos dos refugiados esgotaram suas poupanças e outros bens, e com a chegada do inverno, as pressões do dia a dia só fazem multiplicar.

O CICV e o Crescente Vermelho da Jordânia ajudam as famílias sírias nas províncias de Mafraq e Madaba a lidar com suas necessidades cada vez maiores mediante um programa de ajuda financeira.

Cerca de 3 mil famílias sírias, a maioria das quais é encabeçada por mulheres, são beneficiadas pelo programa, por meio do qual recebem parcelas mensais em dinheiro – o montante depende do tamanho da família – pagas por um banco local. Em média, é de USD 100 por família e visa cobrir várias despesas do dia a dia. Além disso, durante os quatro meses do inverno, as famílias apoiadas recebem quatro parcelas de USD 150 cada para cobrir despesas ligadas ao aquecimento.


Mafraq, Jordânia. O CICV e o Crescente Vermelho da Jordânia distribuem cartões para saques entre os sírios, principalmente mulheres que cuidam sozinhas das suas famílias. CC BY-NC-ND /CICV/A. Sari