Sudão do Sul: situação humanitária em Leer é desesperadora

Sudão do Sul: situação humanitária em Leer é desesperadora
Uma mulher que vive em Leer, Sudão do Sul, carrega postes de madeira para o lugar onde estava a sua casa, antes de ser incendiada, em 23 de maio de 2015. CC BY-NC-ND / CICV / P. Krzysiek

Juba/Genebra (CICV) - Moradores que aos poucos retornam a Leer, no Sudão do Sul, depois dos confrontos na cidade e arredores na semana passada, contam que têm pouca ou nenhuma comida e precisam de assistência médica avançada.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), que teve de suspender as suas atividades regulares há uma semana, é a primeira organização humanitária a retornar a Leer, de onde cerca de 100 mil pessoas foram obrigadas a fugir.

Os meios de sobrevivência foram destruídos e diversas casas foram completamente incendiadas em Leer. Quatro veículos e todo o mobiliário do escritório do CICV foram saqueados. A organização agora trabalha para retomar as suas operações na cidade.

"A situação aqui em Leer é extremamente grave. As pessoas estão começando a retornar", afirmou Daniel Littlejohn-Carrillo, oficial encarregado do CICV. "Sabemos que há várias vítimas de violência nas aldeias próximas. As necessidades – em termos de água, alimentos, outras formas de assistência à saúde e moradia – são desesperadoras e devem aumentar substancialmente em pouco tempo".

"Mary" – o seu nome na língua nuer é Nyajiok Ruai – fugiu de Leer com os dez filhos, com idades que variam de sete meses a 12 anos. A família dormia a céu aberto, bebiam água contaminada e não podiam se proteger contra os mosquitos que transmitem malária. Quando ela voltou a Leer, descobriu que a sua casa, feita de barro e palha, e todos os seus pertences – incluindo alimentos doados pelo CICV – haviam sido incendiados.

Leer, Sudão do Sul, 23 de maio de 2015. Mary, moradora de Leer, Sudão do Sul, em frente à sua casa feita de barro e palha, pouco depois desta ter sido incendiada durante uma invasão militar na cidade que obrigou os moradores a fugirem para a mata. CC BY-NC-ND / ICRC / P. Krzysiek

John Jal Riak, 23, dormiu na "relva alta", em um lugar a oito horas de caminhada de Leer. Contou que os mosquitos eram o maior problema e que as pessoas buscavam vitórias-régias e cocos para comer. Durante a noite, ele se cobria com a folhagem. Agora, ele está de volta a Leer. "Sim, agora estamos a salvo. O problema é que queremos comida. A comunidade realmente está sofrendo".

O CICV planja enviar alimentos e outros gêneros básicos de avião para Leer na terça-feira, beneficiando assim quase seis mil pessoas.

Mais informações:
Jason Straziuso, CICV Juba, tel: +211 922 029 071
Jean-Yves Clémenzo, CICV Genebra, tel: +41 79 217 32 17

Um menino em frente à sua casa, incendiada, em Leer, Sudão do Sul, em 23 de maio de 2015. CC BY-NC-ND / CICV / P. Krzysiek

Um menino em frente à sua casa, incendiada, em Leer, Sudão do Sul, em 23 de maio de 2015. CC BY-NC-ND / CICV / P. Krzysiek

Uma mulher coloca a mão sobre uma parede queimada na sua casa em Leer, Sudão do Sul, em 23 de maio de 2015. CC BY-NC-ND / CICV /

Uma mulher coloca a mão sobre uma parede queimada na sua casa em Leer, Sudão do Sul, em 23 de maio de 2015. CC BY-NC-ND / CICV /

Um móvel dentro de uma casa incendiada em Leer, Sudão do Sul, em 23 de maio de 2015. CC BY-NC-ND / CICV / P. Krzysiek

Um móvel dentro de uma casa incendiada em Leer, Sudão do Sul, em 23 de maio de 2015. CC BY-NC-ND / CICV / P. Krzysiek

Um móvel dentro de uma casa incendiada em Leer, Sudão do Sul, em 23 de maio de 2015. CC BY-NC-ND / CICV / P. Krzysiek

Um móvel dentro de uma casa incendiada em Leer, Sudão do Sul, em 23 de maio de 2015. CC BY-NC-ND / CICV / P. Krzysiek