Sudão do Sul/ Sudão: Família separada reúne-se através das fronteiras

25 junho 2015
Sudão do Sul/ Sudão: Família separada reúne-se através das fronteiras
Amin (a èsquerda), momentos depois de reunir-se com sua mãe e seu irmão mais novo. CC BY-NC-ND / CICV / Asia Kambal

Amin*, um garoto sudanês de 13 anos, passou mais de três anos separado da sua família. Ele abandonou o estado sudanês de White Nile – onde a família morava unida – com seus dois irmãos mais velhos rumo ao estado de Kordofan do Sul para se unir ao pai. Pouco depois de chegarem, um conflito eclodiu e o pai e os três filhos fugiram para o Sudão do Sul. Lá, o pai e um dos seus filhos empreenderam outra viagem, deixando Amin e seu outro irmão para trás. Pouco depois, Amin se afastou e não voltou a ver seus familiares até que chegou a Juba, a capital do Sudão do Sul.

As delegações do CICV no Sudão do Sul e no Sudão, junto à organização sul-sudanesa Confident Children out of Conflict e ao Conselho Nacional de Bem-Estar Infantil do Sudão, trabalharam incansavelmente para reunir Amin com sua mãe e o restante da família no Sudão em 28 de abril de 2015.

Encontrar pessoas separadas dos seus entes queridos durante conflitos e reuni-las com seus familiares é um serviço humanitário vital prestado pelo CICV. Trata-se de encontrar pessoas, reunir famílias e procurar esclarecer o paradeiro das pessoas desaparecidas.

Com seu trabalho integrado a uma rede de serviços de busca oferecidos pelas delegações do CICV e pelas Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho na região, a organização consegue auxiliar famílias que foram separadas através das fronteiras.

Amin* partindo de Juba rumo a Cartum, no Sudão, onde se reunirá com a sua mãe.

Amin posa para uma foto de despedida com os colaboradores da Confident Children out of Conflict, com os quais ele morou em Juba nos últimos doze meses.

Enquanto isso, a mãe de Amin, Medina*, e seu filho mais novo, Mazin*, chegam ao escritório do CICV em Cartum, Sudão, uma hora antes do horário marcado para a chegada do voo de Amin. "Mazin não o conhece. Ele era um bebê quando Amin foi embora", diz Medina.

Medina: "Eu não esperava ver Amin. Não sabia se o veria, já que o Sudão do Sul fica muito longe e não conhecemos ninguém lá".

Medina: "Eu orei para que Alá me concedesse paciência, para que me tornasse paciente".

Medina: "Quando soube que Amin voltaria a casa, fiquei tão feliz que naquela noite não consegui dormir. Ontem também não consegui. Eu acordei de madrugada e preparei nossos pertences para a viagem (de Kosti, no estado de White Nile, até Cartum). Eu esperei o sol sair para podermos começar a nossa viagem".

Medina: "Muitas vezes eu me lembro de quanto íamos juntos ao mercado. Amin me dizia: 'umi (mãe), quando eu crescer, vou lhe construir uma casa grande. Vou lhe comprar um carro e levá-la onde você quiser. Você não terá dificuldades'".

Amin: "Agora estou feliz porque voltei com a minha mãe. Assim, nunca mais vou ficar sem mãe nem pai".

A mensagem de Medina para as mães que esperam a volta dos seus filhos a casa: "Eu lhes diria: 'Venham comigo, tem um lugar onde eu gostaria de levá-las: o CICV".

Amin junto a familiares e amigos, representantes do Conselho Nacional de Bem-Estar Infantil do Sudão e equipes do CICV do Sudão e do Sudão do Sul.

Medina: "Espero que meus outros dois filhos e meu marido voltem logo para casa".

 

*Os nomes foram modificados para proteger a privacidade.
Fotos: CC BY-NC-ND / CICV / Asia Kambal, Anna Schaaf e Katharine Marshall

 

Receba o boletim do CICV