Refugiados na Nigéria

Com os combates chegando às suas casas e destruindo suas comunidades, muitas pessoas na Nigéria não têm outra alternativa senão deixar tudo para trás. Em campos de refugiados, abrigos improvisados e em difíceis condições, sem água, alimentos ou assistência à saúde, famílias passam a viver com a esperança de um dia voltar para seus lares e retomar suas vidas.

Mais de 2,4 milhões de pessoas fugiram das suas casas devido ao conflito no nordeste da Nigéria e passaram a viver como refugiados ou deslocados. A situação dos mais vulneráveis, como crianças, mulheres e idosos, causa preocupação particular.

Fugindo do conflito, muitas pessoas se deslocam na Nigéria e passam a viver dependendo de ajuda humanitária.

Ayshe, uma jovem deslocada da sua casa, em Dikwa, no campo informal de deslocados em Muna, nos arredores de Maiduguri. Mackenzie Knowles-Coursin / CICV

A situação humanitária está se deteriorando ainda mais já que muitas pessoas deslocadas estão localizadas em áreas difíceis de chegar, com acesso limitado ou inexistente à assistência humanitária. Outros deslocados internos são acolhidos por comunidades de baixa renda, levando os serviços e recursos que já estão no limite a uma nova pressão.

A maioria delas abandonou as suas casas, deixando tudo para trás, e carecem de muitas das necessidades mais básicas. Em alguns lugares, as crianças morrem de desnutrição e outras doenças. A situação também continua complexa, já que algumas pessoas estão deslocadas há muito tempo, enquanto outras tiveram de fugir inúmeras vezes.

Em geral, são os deslocados mais recentes que chegam aos campos os que mais carecem de assistência humanitária.