Iraque: Um ano difícil para civis, especialmente os deslocados

30 dezembro 2014
Iraque: Um ano difícil para civis, especialmente os deslocados
Distribuição de utensílios domésticos essenciais em Sulaiman Bekk, Salah al Din. CC BY-NC-ND/CICV/Saleh Dabbakeh

Em quase três décadas de turbulência, outro ano se termina no Iraque, que testemunhou vários conflitos armados e outras situações de violência, mas está se tornando um peso imenso sobre a população civil. Mais de dois milhões de pessoas foram deslocados em 2014 e infraestruturas centrais foram destruídas. Para alguns, a esperança de voltar para casa continua vaga. O CICV, que trabalho no Iraque desde 1980, aumentou muito as suas atividades durante o ano e trouxe ajuda a mais de dois milhões de pessoas.

O futuro traz poucas esperanças para as pessoas deslocadas

Estima-se que dois milhões de iraquianos deslocados se refugiaram com parentes, famílias que os acolhem ou em acampamentos e refúgios improvisados. Milhares foram mortos ou feridos. "Os civis deslocados tiveram um ano terrível. Alguns foram deslocados várias vezes. As condições de vida, em particular para as mulheres, crianças e idosos, foram difíceis. O presente deles é uma luta e o futuro, incerto", afirmou o chefe da delegação do CICV no Iraque, Patrick Youssef. "O CICV fará o possível com os recursos disponíveis de que dispõe para melhorar as vidas dessas pessoas. As necessidades são imensas".

Desde janeiro, o CICV distribuiu cestas alimentares suficientes para um mês e outros artigos emergenciais, como cobertores, fogões de querosene, lona encerada, latas de gasolina e utensílios de cozinha para quase 594 mil pessoas deslocadas em 156 localidades em 17, das 18, províncias do país. Quase 28 mil dessas pessoas receberam comida e outros artigos mais de uma vez.

Com a chegada do inverno e das chuvas, o CICV também forneceu pacotes de inverno, que incluía alimentos, outros artigos emergenciais essenciais e roupas para 42 mil pessoas deslocadas. Além disso, o CICV prestou assistência financeira a quase 20 mil pessoas deslocadas em Najaf para ajudá-las com as suas necessidades imediatas. Para recuperar a capacidade das pessoas deslocadas de se sustentarem, a organização também distribuiu cerca de 1,8 mil toneladas de sementes e fertilizante para mais de cinco mil famílias agricultoras nas províncias de Babel, Karbala, Bagdá, Diyala, Kirkuk e Ninewa. Ademais, reformou cinco canais de irrigação, que atendem a mais de 31 mil pessoas.

As equipes do CICV e do Crescente Vermelho Iraquiano trabalham juntas durante a distribuição de artigos emergenciais para os deslocados em Al-Saidya, Bagdá. CC BY-NC-ND/CICV/Tareq Hassoon

"O atual ciclo de violência, que contradiz o Direito Humanitário Internacional (DIH) e resultou na contínua perda de vidas civis e na destruição de propriedade essencial para a sobrevivência, continua sendo uma preocupação séria para o CICV", afirmou Youssef. "A organização conseguiu enviar colaboradores e artigos emergenciais para lugares como Mossul, Fallujah e Hawijah para ajudar os civis nestas áreas. Gostaríamos que os lados envolvidos nos facilitassem o acesso mais amplo para continuarmos com essas atividades vitais".

Entrega de medicamentos nas linhas de frente

O atual conflito teve um efeito terrível sobre os estabelecimentos de saúde em áreas afetadas pela violência. Vários estabelecimentos foram atacados e sofreram com a falta crônica de medicamentos e materiais. Com falta de água, eletricidade e até de profissionais de saúde, o nível do serviço para feridos e doentes caiu muito. "Todos têm direito à assistência à saúde imparcial. Os feridos e os doentes devem ser cuidados, sem qualquer discriminação", declarou Youssef. "Os estabelecimentos de saúde e as equipes devem ser protegidos contra os ataques. Eles devem ter permissão para funcionar".

Membro da equipe de saúde da CICV examina crianças em Najaf. CC BY-NC-ND/CICV/Samira Baqer

O CICV, trabalhando de maneira estritamente neutra e imparcial, procurando dialogar com todos que estão preocupados com o conflito (autoridades do governo, comunidades, líderes tribais e religiosos, etc.), conseguiu distribuir remédios, instrumentos cirúrgicos, ataduras, fluídos intravenosos e outros itens para 67 estabelecimentos de saúde em nove províncias. Pessoas em Basrah, Daquq, Dibis, Erbil, Fallujah, Hawijah, Khanaqin, Makhmour, Mossul, Najaf, Ramadi, Sinjar, Tallafar, Tooz e outros lugares se beneficiaram com esses materiais, que são suficientes para cobrir as necessidades de mais de 283 mil pessoas por longos períodos. Além disso, o centro de reabilitação física do CICV em Erbil e oito outros centros apoiados pelo CICV trataram de quase 30 mil pessoas com deficiências em 2014.

Melhorias no acesso à água potável

Tornar a água potável mais amplamente disponível é uma das prioridades do CICV no Iraque. Desde o começo do ano, a organização instalou novos pontos de água e melhorou os existentes para acolher comunidades além de entregar água e instalar pontos adicionais de armazenamento e distribuição para pessoas deslocadas. Estas melhoras trouxeram água potável a quase 1,4 milhão de pessoas – quase 265 mil delas deslocadas – em 12 províncias. Pessoas em áreas afetadas pela violência como Abu Ghrayb, Fallujah, Hamdaniyah, Heet, Hawijah, Kirkuk, Mossul, Ramadi, Samara, Sinjar, Tikrit, Tilkaif, Talafar estão entre as beneficiadas. Além disso, o CICV treinou mais de 125 técnicos para operar instalações de bombeamento de água.

Um tanque de água foi instalado pelo CICV para fornecer água potável para os deslocados em Khanaqin, Diyala. CC BY-NC-ND/ICRC/Saleh Dabbakeh

"As instalações de água foram destruídas como resultado da guerra, dificultando ainda mais a vida dos civis", afirmou Luc Brondel, engenheiro hidráulico do CICV baseado no Iraque. "Como a água é essencial para a vida humana, é imperativo que seja protegida pelos lados em conflito". Sempre que possível, o CICV restabeleceu os recursos hídricos destruídos pela guerra.

Esforço para garantir que os detidos sejam tratados com dignidade

O CICV continua visitando centros de detenção sob a autoridade do governo nacional iraquiano e o governo regional do Curdistão. O objetivo das visitas é melhorar as condições de detenção, ajudar os detidos a estabelecerem e manterem contato com as suas famílias, e fornecer artigos de higiene e outros itens necessários. Enquanto isso, através do diálogo confidencial com as autoridades, o CICV quer garantir que os detidos sejam tratados de maneira digna. Também monitora a condição dos estrangeiros detidos no Iraque e dos detidos que foram transferidos para outros locais devido a preocupações de segurança.

Desde o começo do ano, o CICV:

 

  • realizou 152 visitas a 62 locais de detenção onde estão 37.734 detidos;
  • forneceu a mais de 18.186 detidos itens básicos como roupas, artigos de higiene e cobertores;
  • facilitou a troca de 5.121 Mensagens Cruz Vermelha entre detidos e as suas famílias;
  • fez 8.493 ligações telefônicas informando brevemente aos membros familiares sobre o estado dos parentes detidos.

 

 

Um delegado do CICV visita presos em Sulaymania. CC BY-NC-ND/CICV/Pawel Krzysiek

Compromisso de resolver a situação das pessoas desaparecidas

Dezenas de milhares de pessoas continuam desaparecidas no Iraque como resultado dos últimos conflitos armados e a violência atual infelizmente está aumentando estes números. O CICV preside as reuniões dos comitês responsáveis por explicar as pessoas que desapareceram em conexão com a Guerra Irã-Iraque (1980-88) e a Guerra do Golfo (1990-91). O objetivo é esclarecer o que aconteceu, por meio de reuniões de alto nível com os governos envolvidos, para aliviar o sofrimento das famílias, que ainda não sabem o que aconteceu com os seus entes queridos.

Desde o começo do ano, o CICV facilitou três missões conjuntas iraquianas-iranianas no sul do Iraque, onde os restos mortais de 338 pessoas foram recuperados. Depois, em três cerimônias de devolução, os restos mortais de 210 iranianos e 19 iraquianos foram repatriados para os seus respectivos países. Além disso, ao assinar o memorando de entendimento com o Instituto Médico Legal do Iraque, o CICV renovou o seu compromisso de expandir as capacidades forenses do instituto fornecendo treinamento e equipamento.

O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho permanece comprometido com o Iraque

Em resposta às necessidades resultantes do conflito armado, o Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho intensificou as suas atividades no Iraque. O CICV, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho e as sociedades nacionais da Cruz Vermelha ou Crescente Vermelho de vários países aumentaram os seus esforços dentro do Iraque junto com o Crescente Vermelho Iraquiano.

O CICV continua a apoiar o Crescente Vermelho Iraquiano nos seus esforços para aumentar as suas capacidades. Em particular, forneceu 12 mini-caminhões, carros e empilhadeiras a essa Sociedade Nacional, além de ajudar a equipar o seu centro operacional de emergência com as mais modernas ferramentas de tecnologia de informação.

Mais informações:
Saleh Dabbakeh, CICV Bagdá, tel: +964 790 191 6927
Sitara Jabeen, CICV Genebra, tel: +41 22 730 24 78 ou +41 79 536 92 31