Afeganistão: mesmo no caminho para a paz, mais pessoas são feridas na guerra

Afeganistão: mesmo no caminho para a paz, mais pessoas são feridas na guerra

Por ocasião da Conferência do Afeganistão de 2020, que se realizará em Genebra em 23 e 24 de novembro, o presidente do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), Peter Maurer, compartilhou as seguintes considerações:
Comunicado de imprensa 23 novembro 2020 Afeganistão

No Afeganistão nós falamos de paz, mas a violência continua matando, mutilando e deslocando. Falamos de desenvolvimento, mas até mesmo os serviços básicos são escassos. Falamos do futuro – e esperamos que a história não se repita.

O CICV trabalha no Afeganistão há 33 anos. Conhecemos as cicatrizes que essa guerra prolongada continua deixando em milhões de pessoas.

Décadas de combates dizimaram o sistema de saúde. À medida que a Covid-19 se espalha no país, milhões de afegãos precisam mais do que nunca de assistência à saúde.

Acolhemos com satisfação as negociações de paz, pois oferecem a oportunidade para que o Afeganistão e seu povo ponham fim a décadas de conflito. No entanto, vimos as hostilidades se intensificarem desde o início das negociações, com números crescentes de pessoas hospitalizadas por ferimentos de armas.

Hoje fazemos três apelos. Primeiro, pedimos a todas as partes que garantam proteção aos profissionais e estabelecimentos de saúde contra os ataques, em conformidade com o Direito Internacional Humanitário (DIH). O histórico de ataques mortais contra os civis e a missão médica neste conflito é chocante.

Em segundo lugar, as negociações de paz devem incluir preocupações humanitárias. Encorajamos as partes em conflito a chegar a acordos sobre questões específicas que ajudariam a aliviar o sofrimento de todos os afetados.

Terceiro, pedimos compromissos para apoiar o trabalho humanitário. Mesmo que seja alcançado amanhã, o acordo de paz não aliviará as profundas necessidades das pessoas.

O Afeganistão atingiu um estágio em que tem importantes decisões pela frente: garantir a proteção às pessoas afetadas pelo conflito e abordar as necessidades humanitárias profundamente arraigadas é um requisito essencial para a paz, a prosperidade e a autossuficiência.

 

Nota para repórteres e editores: A declaração acima é retirada de observações que Peter Maurer entregará à conferência na terça-feira, 24 de Novembro.

 

Mais informações:

Jason Straziuso, tel: +41 79 949 3512 ou jstraziuso@icrc.org