Homem enche recipientes de água para animais no Vale do Jordão. Alaa Badarneh/CICV

CICV lança novo fundo de apoio às iniciativas climáticas e ambientais de longo prazo

Artigo 17 janeiro 2022

As pessoas que vivem em países afetados por conflitos estão entre as mais vulneráveis aos efeitos da mudança climática.

A combinação entre conflitos, insegurança alimentar e a aceleração da mudança climática está provocando deslocamentos, aumentando as tensões e criando necessidades humanitárias em escala descomunal. Estamos vendo esses efeitos de perto em vários dos lugares onde trabalhamos: na região do Sahel, no Chifre da África e muito além.

Por outro lado, as atividades realizadas por organizações humanitárias como o CICV com o intuito de salvar vidas produzem gases de efeito estufa, geram resíduos por vezes perigosos e consomem recursos naturais como água, o que agrava os problemas climáticos e ambientais.

Em 2021, o CICV e a Federação Internacional de Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho realizaram um processo conjunto de consulta a diferentes atores do setor humanitário para desenvolver a Carta Climática e Ambiental para Organizações Humanitárias.

Em consonância com a Carta, o CICV adotou um conjunto inicial de três metas organizacionais:

  • Até 2025, serão avaliados os riscos climáticos e ambientais de todos os programas.
  • Até 2025, serão reforçados o conhecimento, a compreensão e a implementação das medidas de proteção ambiental definidas no Direito Internacional Humanitário por parte dos Estados e das partes envolvidas em conflitos, com ajuda do envolvimento bilateral e multilateral, das publicações e das ferramentas jurídicas do CICV.
  • Até 2030, as emissões de gases de efeito estufa do CICV terão sido reduzidas em pelo menos 50% em comparação com as cifras de 2018.

Para nos ajudar a atingir essas metas, estamos lançando o Fundo de Transição Climática e Ambiental do CICV.

"Esse fundo será fundamental para a nossa transição rumo a sermos uma organização sustentável, adaptável e inteligente em termos climáticos", afirma o Presidente do CICV, Peter Maurer. "Ele mobilizará financiamento adicional obtido de fontes públicas, privadas e filantrópicas para viabilizar as diversas iniciativas necessárias para acelerar este processo. Nossa ambição é clara: vamos marcar o exemplo de uma ação climática contundente e contribuir para a evolução do setor humanitário nesse sentido."

Novos modelos de financiamento podem contribuir para a realização de atividades humanitárias essenciais

O Fundo de Transição Climática e Ambiental do CICV possibilitará essa transformação por meio de duas vias complementares:

  • A Via 1, com início em janeiro de 2022, estará focada na descarbonização das instalações do CICV. Esse primeiro passo, que implica adaptações para aumentar a sustentabilidade ambiental da nossa infraestrutura nos sete países onde nosso consumo de combustível para geradores é mais alto, será possível graças a um investimento inicial de 15,3 milhões de francos suíços e levará a uma economia de até 140 mil toneladas de emissões de CO2 e de 30 a 50 milhões de francos suíços ao longo de um período de 20 anos.

    O montante economizado será redirecionado a atividades humanitárias. No médio prazo, outras delegações nacionais do CICV somarão seus esforços, o que gerará uma economia ainda maior de CO2 e de recursos financeiros.
  • Com início em 2023, a Via 2 englobará atividades climáticas e ambientais mais abrangentes. Entre elas estarão iniciativas voltadas para a integração dos riscos climáticos e ambientais nos programas e operações do CICV, a maximização da sustentabilidade ambiental das nossas operações e a prestação de ajuda às comunidades para se adaptarem aos efeitos combinados dos conflitos e da mudança climática. Quando essas atividades forem realizadas em cooperação com parceiros do Movimento, os recursos do fundo poderão ser usados para dar auxílio financeiro direto a esses parceiros.

O financiamento completo necessário para concretizar as ambições do CICV para 2030, o que inclui ambas as vias, será avaliado ao longo de 2022. A Fundação Lombard Odier forneceu capital semente inicial para a condução de atividades de pesquisa e para a elaboração do Fundo.

Antes do lançamento inicial no dia 17 de janeiro, o CICV havia recebido a confirmação da arrecadação de quase 3 milhões de francos suíços em contribuições feitas pela Fundação, pelo Governo de Liechtenstein e pela Agência Suíça para Desenvolvimento e Cooperação (SDC).

Por se tratar de um projeto de longo prazo, o Fundo de Transição Climática e Ambiental do CICV será estruturado como um veículo plurianual. Seu financiamento consistirá em uma mistura de subsídios obtidos de fontes públicas, privadas e filantrópicas, além de um empréstimo de capital semente dos recursos financeiros do próprio CICV. A criação de um mecanismo de devolução e reabastecimento será explorada em 2022 para implementação em 2023. A abertura do Fundo para investimentos privados também será explorada.

Outras oportunidades de colaboração existem dentro do projeto. O CICV está buscando o engajamento de atores em diferentes setores, inclusive dentro do Movimento da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho e entre organizações sem fins lucrativos, círculos acadêmicos e empresas privadas que tenham atuação no setor energético ou experiência com sustentabilidade ambiental. Os parceiros dedicados à promoção do conhecimento envolvidos no projeto incluem o Centro Climático da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho e a organização The Climate Action Accelerator.

O CICV e novos modelos de financiamento

O Fundo de Transição Climática e Ambiental do CICV é um exemplo dentre uma série de enfoques inovadores sobre o financiamento que estamos desenvolvendo:

  • Para assegurar fontes alternativas de financiamento humanitário e ampliar a base de recursos;
  • Para possibilitar a colaboração e o estabelecimento de parcerias entre os setores humanitário, privado e de desenvolvimento, gerando assim novas formas de trabalho.

O Fundo de Transição Climática e Ambiental do CICV se vale do sucesso e dos aprendizados obtidos com o Bond de Impacto Humanitário (HIB). O CICV definiu uma meta ambiciosa de mobilizar 5% de sua receita derivada de financiamento inovador até 2030: 150 milhões de francos suíços por ano.