Iêmen: ataques contra estabelecimentos de saúde devem acabar

10 novembro 2015
Iêmen: ataques contra estabelecimentos de saúde devem acabar
Cidade de Taiz. Hospital Al-Thawra depois de ter sido atingido por bombardeios. Os três pacientes que estavam neste quarto tiveram de ser retirados dos seus leitos quando o bombardeio começou. CC BY-NC-ND / CICV/ W. Al-Absi

Genebra / Sanaa – O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) está consternado com os contínuos ataques contra estabelecimentos de saúde no Iêmen, tendo o mais recente ocorrido na cidade de Taiz.

"O hospital Al-Thawra, um dos principais estabelecimentos de saúde em Taiz, que atende cerca de 50 pessoas feridas por dia, foi bombardeado várias vezes no domingo. O bombardeio pôs em risco as vidas dos pacientes e dos profissionais que trabalham no lugar", afirmou o chefe-adjunto da delegação do CICV no Iêmen, Kedir Awol Omar.

Não é a primeira vez que estabelecimentos de saúde são alvos de ataques. Um hospital da organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) no distrito de Haydan, Saada, também foi atacado no dia 26 de outubro. Quase uma centena de incidentes parecidos a estes foram relatados desde março de 2015.

"A neutralidade dos estabelecimentos e dos profissionais de saúde não está sendo respeitada. Os prédios estão sendo atacados deliberadamente e os materiais médicos e cirúrgicos são impedidos de chegar aos hospitais nas cidades sitiadas", afirmou Omar.

Os ataques deliberados contra estabelecimentos de saúde representam uma violação flagrante do Direito Internacional Humanitário (DIH). Todas as partes envolvidas no confronto são, segundo o DIH, obrigadas a proteger os estabelecimentos e os profissionais de saúde em todas as circunstâncias.

A situação de saúde em Taiz é particularmente calamitosa há meses. O número de estabelecimentos de saúde que funcionavam se reduziu a menos da metade e estão tendo de lidar com um grande número de feridos em meio a uma grave escassez de insumos.

Há quase dois meses o CICV está tentando levar material médico a Taiz, mas sem sucesso. A organização faz um apelo a todas as partes envolvidas no confronto que permitam que esses insumos sejam distribuídos em Taiz e em outras áreas do país e que cessem todos os ataques aos estabelecimentos de saúde.

Mais informações:
Rima Kamal, CICV Sanaa, tel.: +967 1 213844 ou + 967 73 607 1967
Adnan Hizam, CICV Sanaa, tel.: + 967 73 372 1659
Sitara Jabeen, CICV Genebra, tel.: +41 22 730 25 02 ou +41 79 536 92 48

O bombardeio pôs em risco as vidas de pacientes e profissionais de saúde. Partes do hospital ficaram gravemente destruídas.

O bombardeio pôs em risco as vidas de pacientes e profissionais de saúde. Partes do hospital ficaram gravemente destruídas.

Cidade de Taiz, hospital Al-Thawra. Escombros e móveis espalhados em um dos corredores do hospital.

Cidade de Taiz, hospital Al-Thawra. Escombros e móveis espalhados em um dos corredores do hospital.