Plano da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho para enfrentar iniquidades “profundas e generalizadas” na resposta à pandemia

Plano da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho para enfrentar iniquidades “profundas e generalizadas” na resposta à pandemia

O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho lançou hoje um novo plano que visa abordar as iniquidades “profundas e generalizadas” na resposta global à pandemia da Covid-19.
Comunicado de imprensa 24 março 2021

Ninguém foi poupado dos efeitos da Covid-19, mas as consequências desta pandemia não foram sentidas por todas as pessoas da mesma forma. Esta crise foi definida por iniquidades profundas e persistentes, tanto em termos de quem corre maior risco como na forma em que o mundo respondeu.

A nova análise realizada pela Cruz Vermelha e o Crescente Vermelho publicada hoje demonstra que, embora estejam presentes em todos os países, estas iniquidades foram especialmente consideráveis e prejudiciais para as pessoas que vivem em países afetados por crises humanitárias. De acordo com esta análise:

  • Os países que não lidam com crises humanitárias informaram ter realizado cerca de 48 vezes mais testes para Covid-19 per capita que os países que enfrentam crises humanitárias "graves" ou "muito graves".
  • As pessoas que vivem em países que não enfrentam crises humanitárias ou que passam por crises consideradas de "baixa" gravidade têm três vezes mais probabilidade de ter acesso ao rastreamento de contatos de Covid-19.
  • Menos de 2% das doses da vacina contra a Covid-19 em todo o mundo teriam sido administradas nos 32 países que atualmente enfrentam crises humanitárias "graves" ou "muito graves".

Jagan Chapagain, secretário-geral da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV), disse:

"Desde o início do surto, vimos como o vírus teve um impacto discriminado nos idosos, nas pessoas com doenças preexistentes e nas pessoas que não têm recursos econômicos para se isolar e se proteger. O que os nossos dados demonstram é que a resposta à Covid-19 também discrimina. Essas iniquidades profundas e generalizadas significam que, independentemente de onde se encontrem, as pessoas em ambientes vulneráveis têm mais probabilidade de se infectar que a população geral, têm mais probabilidade de morrer quando são infectadas e têm menos probabilidade de receber apoio por meio da resposta, inclusive por meio das campanhas de vacinação. Isso também se aplica aos grupos vulneráveis em ambientes não afetados por crises."

Robert Mardini, diretor-geral do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), disse:

"As comunidades que sofrem conflitos armados se encontram entre as mais atingidas pela Covid-19, incluindo aquelas que foram deslocadas, as pessoas separadas das suas famílias, aquelas privadas dos seus meios de subsistência e as pessoas detidas. É por este motivo que o CICV fornece apoio a Sociedades Nacionais, infraestrutura de saúde vital, acesso à assistência à saúde, esforços para evitar a propagação da doença em lugares de detenção, acesso a água limpa, e a gestão segura e digna dos restos mortais em lugares afetados por conflitos e violência."

O plano revisado do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho foi projetado para enfrentar algumas das iniquidades mais graves por meio do aumento do cuidado, tratamento e apoio para pessoas de todos os países, incluindo aquelas afetadas por crises humanitárias tais como conflitos ou desastres. O plano também inclui uma série de medidas projetadas para apoiar e ampliar as campanhas de imunização contra Covid-19, para que os grupos marginalizados e isolados – incluindo as pessoas que vivem em zonas de conflito, as pessoas migrantes e deslocadas, as pessoas que vivem em periferias urbanas e comunidades isoladas em países não afetados por crises – tenham acesso às vacinas.

No total, o apelo revisado do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho é de 2,729 bilhões de francos suíços.

Chapagain, da FICV, disse:

"A distribuição desigual de vacinas contra a Covid-19 é apenas uma parte da resposta que tem prejudicado de forma consistente e injusta as pessoas pobres, idosas, migrantes, as que vivem com alguma deficiência, comunidades indígenas e de minorias étnicas, e outros grupos socialmente desfavorecidos. Em muitos contextos, as pessoas que têm mais probabilidade de ser infectadas e de morrer por causa do vírus também são as que têm menos probabilidade de ser levadas em conta, o que se traduz em uma compreensão distorcida de onde os riscos e os impactos são maiores. O plano da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho se concentra em alcançar a última milha e garantir que ninguém seja esquecido."

Mardini, do CICV, disse:

"A nossa principal preocupação é garantir um acesso equiativo às vacinas e, em especial, para as pessoas em áreas afetadas por conflitos. Estima-se que 65 milhões de pessoas vivem em áreas controladas por grupos armados não estatais – pessoas excluídas dos serviços básicos fornecidos pelo Estado como a assistência à saúde. Elas merecem ser vacinadas – contra a Covid-19 e contra todas as doenças evitáveis. Isso as mantêm seguras e, também, ajuda a manter o resto do mundo seguro."

O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho está na linha de frente da resposta à pandemia. Presente em quase todos os países, o pessoal e os voluntários comunitários da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho ajudam as pessoas mais vulneráveis, incluindo aquelas que vivem em países com sistemas de saúde e bem-estar social com poucos recursos; as pessoas que estão se recuperando de recentes desastres; as pessoas migrantes e deslocadas; aquelas que se encontram em zonas de conflito e enfrentam violência contínua; as pessoas em periferias urbanas; detidas; e as pessoas que estão sofrendo por causa do impacto socioeconômico da Covid-19.

Observações para os editores:

As análises sobre onde foram administradas as vacinas; sobre o alcance relativo do teste; e sobre quais países realizam rastreamento de contatos total, parcial ou não o realizam são baseadas na plataforma "Our World in Data", da Universidade de Oxford (foram usados os últimos dados disponíveis) e no Índice de Gravidade INFORM – uma ferramenta de cooperação entre agências que mede a gravidade das crises humanitárias e dos desastres em todo o mundo (foram usados os dados de janeiro de 2021).

Para obter uma lista completa dos países de acordo com a gravidade da crise, visite o Índice de Gravidade INFORM. Todos os conjuntos de dados têm algumas lacunas.

 

Para obter mais informações, entre em contato com:

FICV

Em Londres: Teresa Goncalves, +44 7891 857 056, teresa.goncalves@ifrc.org
Em Genebra: Matthew Cochrane, +41 79 251 80 39, matthew.cochrane@ifrc.org

CICV

Em Genebra: Florian Seriex, +41 79 574 06 36, fseriex@icrc.org
Em Genebra: Ewan Watson, +41 79 244 64 70, ewatson@icrc.org

Sobre a FICV

A FICV é a maior rede humanitária do mundo, consta de 192 Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho que trabalham para salvar vidas e promover a dignidade ao redor do mundo.


Sobre o CICV

O CICV fornece proteção humanitária e assistência às vítimas de guerra e de violência armada ao redor do mundo, e promove o respeito pelo Direito Internacional Humanitário (DIH).