Presidente do CICV afirma que o mundo deve acordar para o sofrimento no Iêmen

11 agosto 2015
Presidente do CICV afirma que o mundo deve acordar para o sofrimento no Iêmen

O presidente do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), Peter Maurer, afirmou que está horrorizado com o sofrimento que presenciou no Iêmen. Durante uma visita de três dias ao país, Maurer visitou áreas afetadas pelo conflito que ocorre em Sanaa e Aden. Também se reuniu com autoridades do país.

"A situação humanitária é catastrófica. Todas as famílias no Iêmen foram afetadas por esse conflito. A população enfrenta enormes dificuldades. E a situação piora a cada dia. O mundo precisa acordar e ver o que está acontecendo", afirmou Maurer.

Estima-se que, desde março, quase quatro mil pessoas foram mortas e mais de 19 mil feridas. Outras 1,3 milhão foram obrigadas a abandonar as suas casas.

"Os efeitos agravados do confronto e as restrições às importações têm um impacto dramático sobre a assistência à saúde", acrescentou Maurer. "Os estabelecimentos de saúde foram atacados pesadamente, ademais de sofrer efeitos colaterais. Os remédios não podem ingressar de modo que a assistência aos pacientes está se desmantelando. A escassez de combustível significa que os equipamentos não funcionam. A insegurança implica que as campanhas de vacinação não acontecem. E, obviamente, o confronto faz com que ir ao hospital seja perigoso. É uma terrível espiral que põe milhares de vidas em risco".

Desde janeiro, o CICV ajudou a fornecer água a mais de dois milhões de pessoas e forneceu alimentos para mais de cem mil pessoas. A organização apoia os estabelecimentos de saúde por meio de doações de artigos urgentes e equipamentos e enviando equipes cirúrgicas especializadas em cirurgia de guerra. No entanto, Maurer afirmou que as organizações humanitárias não podem fazer mais:

"Isso não pode continuar. O Iêmen está desmoronando. Por uma questão de urgência, deve haver um trânsito livre de mercadorias que ingressam no país e dentro deste. As entregas de alimentos, água e remédios devem ser facilitadas. Muito mais deve ser feito. E as pessoas devem se concentrar em encontrar uma solução política o quanto antes", declarou Maurer.

O CICV conta com escritórios em Sanaa, Aden, Saada e Taiz. Emprega mais de 250 funcionários no Iêmen, dos quais 45 são internacionais. A organização duplicou o seu orçamento operacional para o Iêmen durante o ano de 2015 para 56 milhões de francos suíços.

Mais informações:

Rima Kamal, CICV Sanaa, tel: +967 1 213844 ou + 967 73 607 1967
Adnan Hizam, CICV Sanaa, + 967 73 372 1659
Ewan Watson, CICV Genebra, tel: +41 22 730 33 45 ou +41 79 244 64 70