Sudão do Sul: novos combates trarão novos sofrimentos

18 maio 2015
Sudão do Sul: novos combates trarão novos sofrimentos
Sudão do Sul. Cidade de Kodok na estação das chuvas. CC BY-NC-ND/CICV/Pawel Krzysiek

Genebra/Juba (CICV) – O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) teme que dezenas de milhares de civis que foram obrigados a fugir dos novos combates no Sudão do Sul sofrerão com a falta de alimentos e assistência à saúde enquanto fogem.

O último deslocamento da população civil ocorreu nas cidades de Leer, no Estado de Unity, e Kodok, no Estado de Upper Nile. O CICV está preocupado que as hostilidades poderiam cortar as rotas de fuga usadas pelos civis para sair da região. Lembramos a todos os atores armados do imperativo humanitário absoluto, segundo o Direito Internacional Humanitário (DIH), de que os civis não podem ser atacados durante os combates.

"Quantas vezes mais os civis do Sudão do Sul serão obrigados a fugir de uma cidade sob ataque, sabendo que se não o fizerem as suas vidas correm perigo?", pergunta o chefe da delegação do CICV no país, Franz Rauchenstein. "Pedimos, uma vez mais, a todos envolvidos nos combates que não ataquem os civis e não bloqueiem o caminho dos que querem escapar das hostilidades."

O deslocamento dos civis em Leer, muitos dos quais já haviam sido expulsos pelos combates no Estado de Unity há aproximadamente um ano, acontece justamente durante o período crucial de plantio. Os enfrentamentos certamente terão um impacto negativo na capacidade dos moradores de plantar alimentos que seriam consumidos pelas suas famílias na próxima colheita.

Por causa das preocupações de segurança, o CICV foi obrigado a suspender as atividades regulares e reduzir o número de colaboradores em Leer, lugar de uma das maiores distribuições de comida da organização no mundo.

"Os deslocamentos prolongados expõem as pessoas ao sofrimento. Tememos que a situação de aproximadamente 100 mil pessoas em Leer, que agora se escondem em condições duríssimas, vai piorar dia após dia", declarou Rauchenstein. "O CICV deve poder acessar todas as comunidades. Fazemos um apelo a todos que participam dos combates que facilitem o trabalho dos colaboradores da Cruz Vermelha que salva vidas."

Além da situação presente em Leer, novos combates ocorrem no Estado de Upper Nile, provocando outra leva de deslocamento de civis com medo por suas vidas. Quanto mais os enfrentamentos se expandem no Sudão do Sul, mais sofrerá a população vulnerável, seja por risco de violência sexual, falta de alimentos e de remédios ou por recrutamento forçado dos jovens. O CICV lembra a todas as partes que a participação nas hostilidades de crianças menores de 15 é proibida segundo o Direito Internacional Humanitário (DIH), sendo considerada um crime de guerra.

Os intensos bombardeios na área da cidade de Kodok colocam em risco extremo as vidas dos pacientes do hospital que tem o apoio do CICV. A organização lembra a todas as partes que, em nenhuma circunstância, os estabelecimentos de saúde devem ser atacados.

Embora, o hospital permaneça aberto, com a piora da situação em Kodok, o CICV teve de relocar a sua base operacional de Kodok para Oriny. Isso permitirá que a instituição continue assistindo à população deslocada.

Mais informações:
Pawel Krzysiek, CICV Juba: tel: +211 912 360 038 ou +211 923 158 196; atualizações no Twitter: @pawelkrzysiek
Céline Buvelot Corthésy, CICV Genebra, tel: +41 22 730 30 84 ou +41 79 574 28 89

 

Hospital Kodok, Sudão do Sul. Um médico do CICV atende uma criança. CC BY-NC-ND/CICV/Pawel Krzysiek

 

Receba o boletim do CICV