Brasil: Expansão do Acesso Mais Seguro pode contribuir no cumprimento dos ODS

Vila Velha (ES) passa a integrar a rede do Acesso Mais Seguro; Porto Alegre (RS) eleva a metodologia para um programa da prefeitura; Duque de Caxias e Rio de Janeiro (RJ) renovam parcerias

27 agosto 2019
Brasil: Expansão do Acesso Mais Seguro pode contribuir no cumprimento dos ODS
Foto: S.Amaral/CICV

Brasília/CICV – O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) reuniu nesta terça-feira (27) prefeitos e secretários de seis municípios e dois estados brasileiros para verificar o sucesso da implementação do programa Acesso Mais Seguro (AMS), que busca mitigar e prevenir os efeitos da violência armada a serviços públicos essenciais. No evento, o prefeito de Vila Velha, Max Mauro Filho, firmou um Acordo de Cooperação para implementar a metodologia, e o município torna-se a sexta cidade a implementar a iniciativa.

A Prefeitura se comprometeu com o desenvolvimento do mapeamento inicial da rede de serviços públicos das Secretarias de Saúde, Educação e Assistência Social e a análise de contexto da rede, enquanto o CICV vai apoiar tecnicamente a realização de avaliação prévia das vulnerabilidades e condições de segurança das equipes e das unidades de serviço, bem como a definição das ações e estratégias adequadas para implementar integralmente o AMS.

O prefeito de Vila Velha, Max Freitas Mauro Filho, comentou a parceria e destacou que o AMS vai ajudar a sanar necessidades observadas na região. "Estamos com expectativas positivas em relação a assinatura do acordo, e partir disso, poder contar com esse importante reforço no sentido de manter serviços públicos cada vez com mais qualidade", ressaltou.

Até agosto de 2019, a metodologia do AMS já havia treinado mais de 20 mil profissionais que atuam em quase 900 unidades de serviços essenciais à população, como saúde, educação e assistência social. Atualmente, estima-se que a metodologia já tenha beneficiado a mais de 5 milhões de pessoas nos municípios e instituições onde é implementada.

"Como se pode pensar numa melhoria de saúde para a população em geral, se parte da população vive cotidianamente com evidentes limitações de acesso a hospitais ou postos de saúde? O mesmo se poderia dizer para a educação, assistência social e outros serviços essenciais", observa a diretora adjunta de Operações do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), Mary Werntz, durante o encontro nacional da rede AMS.

Autoridades representantes de Duque de Caxias (RJ), Florianópolis (SC), Fortaleza (CE), Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ), Vila Velha (ES) e representantes da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (SEEDUC), além de representantes da Secretaria de Governo, Ministério da Justiça, Ministérios da Saúde e Desenvolvimento Regional, Fundação Oswaldo Cruz e Frente Nacional de Prefeitos (FNP) e representantes do CICV assinaram ainda uma Declaração de Intenções. Nesta declaração, eles se comprometem a promover uma adequada provisão e acesso aos serviços públicos essenciais na promoção e melhora da qualidade de vida da população, bem como seu papel para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) por meio do AMS.


Mais informações

Diogo Alcântara, CICV Brasília, (61) 98248-7600, dalcantara@icrc.org
Sandra Lefcovich, CICV Brasília, (61) 98175-1599, slefcovich@icrc.org, @SandraLefcovich
WhatsApp (Inscreva-se para receber avisos de pauta): (61) 98186-2602