Brasil: Novos postos de atendimento conectam migrantes com seus familiares

22 outubro 2019
Brasil: Novos postos de atendimento conectam migrantes  com seus familiares
Colaboradores do CICV fazem atendimento RLF no abrigo de migrantes São Vicente II em Boa Vista, Brasil. Foto: B.Mast/CICV

Em mais uma manhã de altas temperaturas em Boa Vista, capital de Roraima, Yorbelis Cumuxchina coloca seu bebê em uma banheira de plástico embaixo das árvores, na tentativa de aliviar o calor, enquanto espera para telefonar para a sobrinha que mora em Manaus. Como tantos migrantes que chegam ao Brasil diariamente, ela tenta se adaptar ao novo país e diminuir a saudade de quem está longe.


Bebês são colocados em banheira para aliviar o calor ao lado do posto de atendimento do CICV no abrigo São Vicente II em Boa Vista, Brasil. Foto: B.Mast / CICV

Para aliviar o calor intenso, mães colocam seus bebês em banheiras no posto de atendimento do CICV em Boa Vista, Roraima, Brasil. Foto: B.Mast / CICV


Yorbelis é uma das dezenas de migrantes beneficiados pelo programa Restabelecimento de Laços Familiares (RLF) no abrigo São Vicente II, um dos 13 novos postos do serviço em Roraima, estado na fronteira com a Venezuela. É pensando em pessoas em situações como a dela que o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) promove ações de RLF em todo o mundo, com o objetivo de conectar famílias que perderam o contato por diferentes razões, entre elas a migração.


A oportunidade de compartilhar seus planos com alguém próximo confortou Yorbelis: "Eu disse para minha sobrinha que só penso daqui para a frente, tenho minha família para cuidar", ressalta a venezuelana, que migrou com o bebê José e outros dois filhos. Antes disso, a jovem havia tentado – sem sucesso – se comunicar com seus pais. "Eles moram em uma zona rural e a comunicação é muito difícil, ainda não consegui falar com ninguém lá", explica com nostalgia.

YORBELIS CUMUXCHINA (À DIREITA), SEU BEBÊ E COLEGAS NO ABRIGO SÃO VICENTE II EM BOA VISTA, RORAIMA, BRASIL. FOTO: B.MAST/CICV

Yorbelis Cumuxchina (à direita), seu bebê e colegas no abrigo São Vicente II em Boa Vista, Roraima, Brasil. Foto: B.Mast/CICV


No mesmo abrigo estão Elvis Sasa, Betzamar Sira e o pequeno Santiago, filho do casal. A família também ficou dias sem contato durante a viagem dela – acompanhada pela criança – até reencontrar o marido, que já estava em Boa Vista, na semana passada. Desde que chegou, Elvis usa o serviço RLF para telefonar para casa. Na última vez que ligou, queria notícias de seu filho de 10 anos, que foi operado de apendicite recentemente. Ele conta que o garoto não pôde acompanhá-lo para o Brasil e, por isso, ficou com a avó paterna.


Rodoviária

A rodoviária internacional de Boa Vista também ganhou um novo posto de RLF do CICV em setembro. Centenas de migrantes aguardam no local, compartilhado por várias organizações humanitárias, para emitir documentos, receber alimentos e entrar em contato com suas famílias.

"Falei com a minha mãe, a quem amo tanto... Há alguns dias não falava com ela, eu esperei para ligar quando já tivesse todos os meus documentos prontos", se emociona Robert Catalano. Ele espera ter trabalho certo e saber onde irá morar para poder contar para a família na próxima vez que ligar para casa.


APÓS CONSEGUIR FALAR POR TELEFONE COM SUA MÃE, ROBERT CATALANO CUMPRIMENTA JESUS, COLABORADOR CICV EM BOA VISTA, RORAIMA, BRASIL. FOTO: B.MAST/CICV

Após conseguir falar por telefone com sua mãe, Robert Catalano cumprimenta Jesus, colaborador CICV em Boa Vista, Roraima, Brasil. Foto: B.Mast/CICV


De acordo com o chefe do escritório do CICV em Boa Vista, Fernando Fornaris, a organização já atendeu pessoas migrantes que caminhavam até 10 km para tentar conversar com seus entes queridos que estão em outras cidades e países. Ele ressalta que, desde agosto, o número de postos de atendimento de RLF passou de três para 17, com o intuito de oferecer mais alternativas para que elas mantenham contato com as famílias. "A expansão do trabalho de RLF em Roraima é uma maneira de nos aproximarmos da população migrante, da mesma forma que nossos serviços tentam reduzir a distância entre eles e seus familiares", enfatiza.

O CICV iniciou o programa de RLF no Brasil em julho de 2018, em Pacaraima (RR), cidade na fronteira com a Venezuela. Desde então, mais de 230 mil ligações foram realizadas entre migrantes e seus familiares residentes em outras cidades brasileiras e no exterior. Só em setembro, cerca de 1300 ligações por dia foram feitas nos 17 postos existentes no estado.


A colaboradora Yuliana Jesus auxilia a execução de uma chamada RLF na rodoviária de Boa Vista, Roraima, Brasil. Foto: B. Mast/CICV

A colaboradora Yuliana Jesus auxilia a execução de uma chamada RLF na rodoviária de Boa Vista, Roraima, Brasil. Foto: B. Mast/CICV


Restabelecimento de Laços Familiares (RLF)

Em todo o mundo, muitas pessoas são afetadas por desastres naturais, conflitos e violência armada, contextos de migração e outras necessidades humanitárias. Com todo esse sofrimento, talvez uma das maiores angústias seja a separação de familiares e a incerteza sobre o que pode ter acontecido com um ente querido. Neste âmbito, o CICV considera necessário fazer todo o possível para saber o paradeiro das pessoas buscadas e restabelecer o contato com seus familiares.
O CICV oferece a possibilidade de restabelecer e manter o contato entre familiares por meio de serviços gratuitos, confidenciais e estritamente humanitários. Isso pode ser feito por ligações telefônicas, acesso à internet, recarga de telefones celulares e solicitações de busca.

POSTOS DE ATENDIMENTO EM RORAIMA

Frequência Boa VistaPacaraima
Fixa
Boa Vista: segunda a sexta, das 9h às 17h.
Pacaraima: de domingo a segunda, das 9h às 17h
  • Posto de Triagem (PTRIG)
  • Universidade Federal de Roraima (UFRR)
  • Rodoviária Internacional
  • Posto de Recepção e Identificação (PRI)
  • Posto de Triagem (PTRIG)
Itinerante
Atendimento de duas a três vezes por semana.
  • Cáritas Brasileira
  • Serviço Jesuítas para Migrantes (SJMR)
  • Durante o processo de interiorização
  • Alojamento transitório BV8
  • Pastoral do migrante
Semanal
Uma vez por semana
  • Abrigo Nova Canaã
  • Abrigo Pintolândia
  • Abrigo Jardim Floresta
  • Abrigo São Vicente II
  • Abrigo Tancredo Neves
  • Abrigo Santa Teresa
  • Abrigo Janokoida