Migrantes no centro de acolhimento em Pacaraima, ao lado do posto de atendimento do CICV.

Brasil: O trabalho do CICV com migrantes

A migração é um fenômeno global e complexo, com causas inúmeras e diversas. Sejam quais forem as razões que os levam a deixar o seu país, os migrantes podem se tornar vulneráveis. Uma das prioridades do CICV no Brasil é ajudar os migrantes.
Artigo 14 fevereiro 2019 Brasil

Depois de uma travessia que pode durar dias, semanas ou até meses, ouvir a voz de um familiar próximo e querido é um alento para o migrante, mesmo que a centenas ou milhares de quilômetros de distância.

Migrante chega ao centro de acolhimento em Pacaraima, Brasil.

Migrante chega ao centro de acolhimento em Pacaraima, Brasil. Foto: V.Moriyama/CICV

Em julho de 2018, o CICV implementou o programa de Restabelecimento de Laços Familiares (RLF) na cidade fronteiriça de Pacaraima, no Norte do Brasil. A partir de setembro, além de oferecer o serviço em três locais nessa cidade, foi estabelecido um posto em Boa Vista, capital do estado de Roraima, onde também começou a funcionar um escritório do CICV.

Serviços do CICV em Roraima fronteira Brasil Venezuela

O serviço RLF é parte de uma resposta regional, realizada em vários paises da América do Sul. O objetivo é ajudar os migrantes, possibilitando que informem sobre seu paradeiro às suas famílias e mantenham contato com seus entes queridos.

Posto de atendimento do CICV em Pacaraima, Brasil

Migrantes que chegam ao posto de atendimento do cicv têm a oportunidade de falar por telefone com suas famílias. Muitos não têm telefones, e para os que têm, o custo das chamadas é muito alto. O serviço do CICV é gratuito. Foto: V. Moriyama/CICV.

"Muitos migrantes chegam ao Brasil sem aparelhos, sem linhas ou sem pacote de dados que permitam ligações ou contatos internacionais", explica Fernando Fornaris, chefe do escritório do CICV em Boa Vista.

O serviço inclui o uso gratuito do telefone durante 3 minutos, de internet para chamadas por WhatsApp ou Facebook e energia para carregar a bateria do celular.

Ao todo, já foram feitos mais de 120 mil telefonemas de migrantes para seus familiares.

No Brasil, vinte migrantes se tornaram colaboradores do CICV nos postos de Pacaraima e de Boa Vista. Em Pacaraima, os colaboradores do CICV trabalham no posto de identificação, que é o primeiro local de acesso dos migrantes no Brasil, e no posto de triagem ou regularização migratória. Há também uma unidade móvel que visita uma vez por semana o albergue indígena "Janokoida", que abriga migrantes da etnia Warao.


Abaixo, alguns depoimentos :

Desde janeiro de 2019, o serviço RLF também é oferecido durante o programa de "Interiorização", uma iniciativa do Governo Federal que facilita a reinstalação de migrantes em diferentes estados do Brasil. Ele permite que os migrantes avisem suas famílias dos seus novos destinos, prevenindo assim a perda do laço familiar.

Como parte das atividades do CICV na área de água, saneamento e infraestrutura, também foram construídos dois poços na Diocese e no Hospital Estadual de Pacaraima, cuja água beneficia mais de dois mil migrantes e residentes locais que procuram serviços nesses locais cada mês.

+ de 120 mil
ligações telefônicas de migrantes para seus familiares.