Paraguai: “A água é primordial e, tendo acesso a ela, podemos avançar”

13 abril 2015
Paraguai: “A água é primordial e, tendo acesso a ela, podemos avançar”
O acesso à água incrementa a qualidade de vida das comunidades, ao permitir melhores nutrição, higiene e saúde. ©CICV/Luis Vera

Eulogio Cárdenas, líder comunitário, foi um dos primeiros habitantes de Santo Domingo, em Kuruzú de Hierro, no norte do Paraguai. Lembra que o abastecimento de água sempre foi um problema na região: no início, tinham que trazer toda a água do Kay'ata, o riacho mais próximo, a 3 km do assentamento.

Depois perfuraram poços e foram instalados tanques. Porém, após 15 anos, o sistema de distribuição apresentava muitas falhas e não era adequado para a comunidade. Ultimamente, cada casa tinha menos de duas horas de água por dia, isso quando a ruptura dos canos não interrompia o acesso à rede por períodos ainda mais longos. "Sofríamos com a falta de higiene, saúde e trabalho, pois não podíamos ter plantas, hortas, animais", explica o Sr. Eulogio. Até a unidade de saúde da comunidade era prejudicada pela escassez de abastecimento, pois muitas vezes permanecia fechada por falta de água.

Eulogio Cárdenas, um dos líderes comunitários de Santo Domingo, vive com a mulher e cinco filhos: "Estamos ganhando de várias maneiras. Podemos ter hortas, higiene e saúde. Esta comunidade está começando a viver melhor, porque a água é primordial". ©CICV/Luis Vera

O desenvolvimento de diversas atividades para apoiar o sustento das famílias também era afetado. "Carregava na cabeça 20 litros por mais de 50 metros", conta Marcelina Vázquez de Aguero, de 62 anos."Sentia dores no corpo todo por carregar água todos os dias, e não conseguia fazer mais nada". Agora, ela poderá realizar o seu sonho de ter uma horta.

Para melhorar o acesso à água das famílias camponesas em situação de vulnerabilidade e afetadas pela violência, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), com o apoio da Cruz Vermelha Paraguaia e o compromisso da comunidade de Kuruzú de Hierro, implementou o projeto "Reabilitação e Melhora do Sistema de Abastecimento de Água".

Enquanto o CICV ofereceu recursos financeiros e qualificação técnica, a comunidade – que conta com 90 famílias ou cerca de 560 pessoas – foi responsável por definir as prioridades do projeto e por escavar e instalar a tubulação.

Como faz em projetos de água ao redor do mundo, mais que instalar a rede de abastecimento, o CICV se preocupa com o desenvolvimento das capacidades locais para a manutenção da infraestrutura e no uso racional da água. "Os passos seguintes são capacitar a comunidade para a manutenção do sistema, para que faça bom uso da água e sobre a importância de ter hábitos saudáveis", explica o delegado do CICV Manuel Dulce.

O Sr. Eulogio é otimista. "Temos um projeto de vida para o futuro, sabemos que a água é primordial e, tendo acesso a ela, podemos avançar de forma diferente, estamos ganhando de várias maneiras. Estamos trabalhando, queremos trabalhar e teremos que trabalhar para viver, e aqui está o primordial que é a água, por isso sempre digo: não vou me cansar de agradecer", afirmou.

Este programa prevê um alcance maior que o acesso à água, também quer criar um impacto nos diversos aspectos fundamentais para melhorar a vida da comunidade, assim como diminuir o custo de vida da população, permitindo a possibilidade de melhor nutrição, higiene e saúde.

A disponibilidade de água, elemento essencial para a vida, é um assunto muito importante para o mundo atual e será cada vez mais no futuro. Em matéria de água, o CICV coloca em prática programas para garantir o acesso por parte dos grupos mais vulneráveis da população em situações de crise emergente, aguda, crônica ou em situações pós-crise.

No Paraguai, o CICV, com o apoio da Cruz Vermelha Paraguaia, trabalha nos distritos de Azoteý, Horqueta, Iby Yaú e Tacuatí Poty.

Veja também:

Paraguai: águas de mudança - Galeria de fotos