Linha Direta: assistência para jornalistas em missões perigosas

01 novembro 2017
Linha Direta: assistência para jornalistas em missões perigosas
Líbia, Trípoli, 2011. Jornalistas são evacuados em um veículo do CICV. ©Reuters / P. Hackett.

Os jornalistas em missões perigosas que precisem de assistência humanitária urgente podem ligar ou mandar um SMS para a nossa linha direta exclusiva, disponível 24 horas por dia, no +41 79 217 32 85, ou contatar o escritório do CICV mais próximo. A linha direta também é acessível por e-mail em press@icrc.org.

O que é a linha direta do CICV para jornalistas em missões perigosas?

Ao cobrir zonas de guerra ou outros lugares relacionados com a violência armada, os jornalistas podem ficar expostos a graves perigos. O CICV possui uma linha direta que possibilita os profissionais da imprensa, suas famílias, seus colegas e as empresas de comunicação para as quais trabalham solicitarem assistência quando o profissional for detido, ferido ou morto, ou mesmo desaparecer.

Quando contatar a linha direta, é importante ter em mãos o nome do jornalista, data de nascimento, uma breve descrição dos fatos e, se possível, o lugar dos acontecimentos.

Para mais informações, verifique a seção de Perguntas e Respostas, o folheto sobre a linha direta e os recursos do DIH para profissionais da imprensa (em inglês).

Como funciona a linha direta?

No período de 24 horas após o contato inicial, o solicitante receberá uma resposta sobre as possibilidades da ajuda que o CICV pode oferecer. Caso as circunstâncias permitirem, o CICV pode: buscar confirmação de uma captura, detenção ou outro tipo de privação de liberdade (bem como de informações correspondentes); tentar localizar os jornalistas desaparecidos; ajudar a restabelecer ou manter contato com os familiares; evacuar os feridos; e, nos piores casos, transferir os restos mortais.