Voluntários da Cruz Vermelha do Sudão do Sul: dedicados à causa apesar das perdas pessoais

  • Christina conscientiza sobre como manter os hábitos de higiene em condições difíceis.
    Christina conscientiza sobre como manter os hábitos de higiene em condições difíceis.
    "Quando a violência começou, vim para o complexo da Cruz Vermelha com a minha pequena filha. Ainda não podemos voltar para a casa. Precisamos de segurança. Uma pessoa pode até sobreviver sem comida, mas a segurança é o mais importante."
    CC BY-NC-ND / Alyona Synenko / CICV
  • Amin presta primeiros socorros na clínica da Cruz Vermelha.
    Amin presta primeiros socorros na clínica da Cruz Vermelha.
    “Sou alfaiate e quase sempre trabalho no mercado. Como agora está fechado, não posso trabalhar. Às vezes me preocupo por não termos capacidade de ajudar a todas as pessoas.”
    CC BY-NC-ND / Alyona Synenko / CICV
  • Sebit presta primeiros socorros na clínica da Cruz Vermelha.
    Sebit presta primeiros socorros na clínica da Cruz Vermelha.
    “A minha casa foi incendiada. Perdi tudo. Alguns dos meus vizinhos e amigos fugiram da cidade e nunca mais tive notícia deles. A única maneira de não pensar nisso é continuar trabalhando.”
    CC BY-NC-ND / Alyona Synenko / CICV
  • Pascuale ajuda a manter a higiene.
    Pascuale ajuda a manter a higiene.
    “Desde que fugiram do conflito, nunca mais tive notícias da minha família. Não consigo dormir de noite por não saber o que aconteceu com eles. Só me sinto melhor quando converso com outras pessoas na mesma situação. Tentamos dar forças uns aos outros.”
    CC BY-NC-ND / Alyona Synenko / CICV
  • Wau, Sudão do Sul.
    Wau, Sudão do Sul.
    Cerca de 5 mil deslocados vieram ao prédio da Cruz Vermelha no Sudão do Sul depois de confrontos armados. Receberam, nas primeiras horas, comida e utensílios domésticos básicos.
    CC BY-NC-ND / Alyona Synenko / CICV
  • Wau, Sudão do Sul.
    Wau, Sudão do Sul.
    Mulheres esperam pelo atendimento médico na clínica no prédio da Cruz Vermelha do Sudão do Sul.
    CC BY-NC-ND / Alyona Synenko / CICV
  • Biringi, arredores da cidade de Wau, Sudão do Sul.
    Biringi, arredores da cidade de Wau, Sudão do Sul.
    Mulheres esperam a distribuição de alimentos do CICV no campo de deslocados de Biringi, a aproximadamente 25 km de Wau. Uma semana depois dos confrontos armados, o CICV distribuiu cestas alimentares para cerca de 70 mil pessoas.
    CC BY-NC-ND / Alyona Synenko / CICV
  • Wau, Sudão do Sul.
    Wau, Sudão do Sul.
    Mulher e filho no prédio da Cruz Vermelha do Sudão do Sul, para onde cerca de 5 mil pessoas fugiram depois dos confrontos armados. Receberam, nas primeiras horas, comida e utensílios domésticos básicos.
    CC BY-NC-ND / Alyona Synenko / CICV
  • Wau, Sudão do Sul.
    Wau, Sudão do Sul.
    Mulher e filha no prédio da Cruz Vermelha do Sudão do Sul, para onde cerca de 5 mil pessoas fugiram depois dos confrontos armados. Receberam, nas primeiras horas, comida e utensílios domésticos básicos.
    CC BY-NC-ND / Alyona Synenko / CICV
  • Biringi, outside the town of Wau, South Sudan.
    Biringi, outside the town of Wau, South Sudan.
    Mulheres aguardam distribuição de alimentos do CICV em Biringi, a 25 quilômetros de Wau. Uma semana após os confrontos, o CICV distribuiu cestas alimentares para cerca de 70 mil pessoas.
    CC BY-NC-ND / Alyona Synenko / CICV
08 julho 2016

Milhares de pessoas foram forçadas a fugir de casa no final de junho após o início dos enfrentamentos em Wau, Sudão do Sul. Muitos deles eram voluntários da Cruz Vermelha do Suldão do Sul, mas eles não deixaram de trabalhar para ajudar outras pessoas necessitadas.

Receba o boletim do CICV