Página arquivada:pode conter informações antigas

Sudão: crianças congolesas se refugiam no sul do Sudão

20-02-2009 Reportagem

Há pouco tempo, civis fugiram do conflito no sul do Sudão para buscar refúgio em outros países. Agora a situação se inverteu, já que a região recebe refugiados.

     
    © ICRC/A. Kilimo      
   
    Yambio, sul do Sudão. Dido Lafukpio Balie, um voluntário da Cruz Vermelha congolesa e ele mesmo um refugiado, cadastra crianças no centro do CICV para menores não acompanhados.      
               
    © ICRC/A. Kilimo      
   
    Hora da comida no centro em Yambio.      
               
    © ICRC/A.Vallet      
   
    Centro do CICV, Yambio. Crianças desacompanhadas se divertem jogando voleibol em seu lar temporário.      
           

" Se ao menos alguém pudesse me dar notícias da minha família " , disse Kubako, um jovem de 17 anos que está no centro do CICV para crianças desacompanhadas em Yambio com suas duas irmãs mais novas. " Apesar de estarmos bem, também me preocupo se meus pais e meus outros irmãos e irmãs estão vivos " .

  Um lugar para chamar de lar... ainda que por enquanto  

Em outubro de 2008, o CICV abriu o centro em Yambio, sul do Sudão, para cuidar de crianças que fugiram de suas aldeias na República Democrática do Congo (RDC) depois de atos de extrema violência por parte do Exército de Resistência do Senhor (Lord’s Resistance Army em inglês). Agora, as crianças que fugiram da RDC para o Sudão, desacompanhadas de pais ou parentes, não precisam mais se preocupar com abrigo e alimentos.

Muitas crianças simplesmente seguiram outros refugiados congoleses até a cidade de Yambio e arredores, onde as famílias locais lhes ofereceram abrigo imediatamente. " Muitas crianças, inclusive de cinco anos, estão morando com famílias que as encontraram no mercado ou na cidade. O CICV ajuda essas famílias que as receberam com alimentos " , disse o delegado do CICV, Daniel Corthesy. No entanto, certos problemas persistem: " algumas crianças têm que fazer tijolos, ajudar nas tarefas domesticas ou vender coisas no mercado em troca de comida ou de muito pouco dinheiro " .

Voluntários da filial do Crescente Vermelho sudanês em Yambio atualmente administram o centro. Eles dão refeições quentes e primeiros-socorros para as crianças e as cadastr am para tentarem encontrar seus pais.

Dido Lafukpio Balie, um jovem voluntário da Cruz Vermelha da República Democrática do Congo, e ele mesmo um refugiado, está ajudando os voluntários do Crescente Vermelho sudanês. Eles cadastraram 70 crianças até o momento. Com exceção de três, mais de 40 são meninos entre 10 e 18 anos e estão morando no centro agora. Crianças mais jovens estão em Yambio com famílias que as receberam.

Através do centro, o CICV oferece cuidados para essas crianças como uma medida temporária. Nesse ínterim, está procurando alternativas adequadas que envolvem famílias que poderiam receber essas crianças.

  Crianças precisam estar com suas famílias  

     

As crianças separadas de seus familiares adultos, especialmente devido a um conflito armado, tendem a se traumatizarem pela seqüência de eventos e correm um risco maior de serem vítimas de abuso e de exploração. Como parte de seu mandato, o CICV tenta buscar os pais ou parentes mais próximos dessa criança por meio do serviço de localização. Visto que algumas crianças não podem dar informações apropriadas por serem muito jovens, algumas vezes as fotografias são a única maneira de ajudar os pais a identificarem uma criança. A busca pelas famílias é conduzida em parceria com o Crescente Vermelho ou com a Cruz Vermelha. No caso de Yambio, houve um esforço conjunto entre o CICV, o Crescente Vermelho sudanês e a Cruz Vermelha congolesa.

  Contato com seus entes queridos  

As Mensagens Cruz Vermelha possibilitam que familiares separados pelo conflito troquem notícias e ajuda a reduzir os efeitos psicológicos da separação. Se necessário, o CICV, com o apoio do Crescente Vermelho sudanês e da Cruz Vermelha congolesa, usarão a rede de Mensagens Cruz Vermelha para ajudar as crianças a restabelecer o contato com suas famílias, uma vez que tenham sido localizados. O CICV espera que consiga ajudar a maior quantidade possível de refugiados congoleses em Yambio a restabelecer contato com seus entes queridos.

" Se conseguirmos encontrar os pais ou parentes próximos dessas crianças, eles podem, pelo menos, trocar Mensagens Cruz Vermelha com as crianças e saber que elas estão a salvo " , explica Anne Vallet, coordenadora de localização do CICV no Sudão. " Nosso principal objetivo é, no entanto, reunir essas crianças a suas famílias assim que a situação permitir " .