Página arquivada:pode conter informações antigas

Tuberculose: um inimigo que não pode ser mantido atrás das grades

22-03-2010 Comunicado de imprensa 10/42

Genebra (CICV) – Tentativas de frear a alarmante disseminação de tuberculose (TB) no mundo todo podem ser insuficientes se as autoridades nos países afetados não aumentarem significativamente seus esforços para impedir que a doença se espalhe dentro dos presídios, segundo o CICV.

“A tuberculose é um inimigo silencioso que não pode ser confinado a uma cela. É cada dia mais astuto, resistente e mortal " , disse o coordenador do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) para saúde nos presídios, Raed Aburabi, em razão do Dia Mundial da Tuberculose, 24 de março. “A doença se modificou mais rápido do que poderíamos ter imaginado com relação aos tratamentos existentes, resultando em um aumento de cepas de TB multirresistente e extensivamente resistente a medicamentos, o que é uma ameaça verdadeiramente letal. A TB só pode ser detida fora dos presídios se for tratada dentro deles " .
 
Uma em cada três pessoas no mundo está infectada com os micróbios que causam a TB e, desses dois milhões de pessoas, uma em cada dez ficará doente em algum momento em sua vida. A TB, erroneamente considerada por muitos uma doença do passado, está voltando a matar no mundo todo em uma média de uma pessoa a cada 20 segundos.
 
Devido à superpopulação, a má nutrição e aos serviços de saúde inadequados, os presídios são o ambiente perfeito para desenvolver e espalhar essa doença, que é transmitida pelo ar. A incidência de TB nos presídios poder ser entre 10 e 40 vezes mais alta do que fora, mas, por ser tão contagiosa, a doença pode ser facilmente transmitida para os carcereiros, funcionários, visitantes e famílias de pessoas infectadas e detentos liberados.
 
O CICV tem trabalhado com as autoridades detentoras em vários países, incluindo o Azerbaijão e a Geórgia, por mais de uma década para levar a TB a uma situação sob controle.
 
“Quando começamos a visitar os presídios no Azerbaijão, há 15 anos, descobrimos que a TB matava cerca de 300 internos todos os anos. Independente do crime que cometeram, muitos terminavam com a essa sen tença de morte " , disse Nikoloz Sadradze, da delegação do CICV em Baku. “Até o ano passado, o número de mortes no hospital penitenciário para doentes de tuberculose desse país havia caído para 20, graças a medidas de prevenção, melhoria da detecção e diagnóstico e tratamento supervisionado por médicos e acompanhamento”.
 
Êxito semelhante foi conseguido na Geórgia, onde o CICV transferirá suas atividades relacionadas à TB às autoridades desse país no dia 24 de março.
 
A experiência mostrou que a melhoria nas condições de vida, incluindo amplas doses de ar fresco e uma dieta saudável, uma maior conscientização quando a forma como a TB se espalha e uma melhor compreensão por parte dos pacientes dos efeitos colaterais severos que as drogas contra TB causam, podem fazer uma grande diferença. O CICV também recomenda que as autoridades implementem a estratégia de controle da TB da Organização Mundial da Saúde, conhecida como DOTS, que exige um compromisso por parte do governo, fornecimento regular de remédios e observação do tratamento.

“Da mesma maneira que os doentes de TB devem encontrar a coragem individual para suportar os meses ou anos de um tratamento caro, complicado e doloroso para ser curado, as autoridades dos países afetados pela TB devem encontrar a coragem política para atacar o problema de frente e perseverar para salvar vidas”, disse Aburabi.
 
“O tipo de compromisso, mudança e criatividade necessário para levar a melhor sobre essa doença não acontecerá da noite para o dia. Mas se conseguirmos alcançar em maior escala o mesmo nível de sucesso visto nos presídios do Azerbaijão e da Geórgia, poderemos ter uma chance contra esse inimigo mortal no mundo todo " , acrescenta.

 
Para mais informações ou para agendar uma entrevista:
Maia Kardava, CICV Tbilisi, tel: +995 9160 0685
 

  Gulnaz Guliyeva, Baku, CICR, tel.: 994 50 315 45 38  

  Anna Nelson, Ginebra, CICR,   tel: +41 79 217 32 64 ó +41 22 730 20 63