Página arquivada:pode conter informações antigas

Quirguistão/Uzbequistão: CICV responde à catástrofe humanitária

14-06-2010 Comunicado de imprensa

Bishkek/Moscou/Genebra (CICV) – O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) lançou um apelo emergencial preliminar de 10 milhões de francos suíços para assistir, durante o próximo mês, 100 mil pessoas afetadas pela violência brutal no sul do Quirguistão.

     
©Reuters 
   
Próximo a Jalal-Kuduk, um vilarejo uzbeque, 14 de junho. Civis de etnia uzbeque que fugiram da violência no Quirguistão esperam para atravessar para o Uzbequistão. 
           

Este apelo é feito uma vez que os confrontos étnicos, que começaram na cidade de Osh em 10 de junho, continuaram se estendendo pelo sul do país, incluindo a cidade de Jalal-Abad, fizeram com que cerca de 80 mil pessoas fugissem de suas casas. De acordo com as autoridades quirguizes, mais de 100 pessoas foram mortas e mais de 1,2 mil ficaram feridas até o momento. No entanto, espera-se que o número confirmado de mortos aumente à medida que mais corpos forem sendo recuperados.

O CICV espera que os estoques de alimentos estejam disponíveis para cerca de 100 mil pessoas no próximo mês. Um carregamento de suprimentos médicos de emergência e sacos funerários chegou a Osh de avião em 13 de junho. Doze voos adicionais levando uma carga de equipamentos de sutura, curativos e outros materiais cirúrgicos, bem como utensílios domésticos, como garrafas de água, baldes e lonas para 20 mil famílias, deverão chegar a Osh nos próximos dias. Também estão a caminho mais profissionais de emergência do CICV, incluindo busca de desaparecidos, especialistas em projetos de água e socorro emergencial. O CICV está trabalhando em parceria com o Crescente Vermelho Quirguiz na distribuição dos suprimentos médicos, os quais os hospitais locais necessitam com urgência.

" A situação em Jalal-Abad piorou consideravelmente nas últimas 24 horas. Está muito perigoso " , disse o porta-voz do CICV, Pierre-Emmanuel Ducruet, que conseguiu chegar à periferia da cidade esta manhã. " Passamos por vários postos de checagem improvisados e por homens armados com metralhadoras. Devido às limitações de segurança, não podemos ir mais além. Em Osh, a situação estava um pouco mais calma hoje do que nos últimos dias, mas vimos muitas casa s e carros incendiados. Algumas áreas estão desertas e acreditamos que muitas pessoas estejam em casa porque estão assustadas demais para sair " .

De acordo com vários relatórios, os pacientes feridos e doentes não têm condições de chegar aos hospitais por medo de se exporem à violência, e a equipe médica foi atacada enquanto tentava evacuar pacientes. Cinco dias após o início do derramamento de sangue, o CICV pede a todos os envolvidos que deixem de matar, cessem a destruição e permitam que os profissionais médicos façam seu trabalho com segurança.

Do lado uzbeque da fronteira com o Quirguistão, as autoridades dizem que cadastraram 32 mil famílias como refugiados, dos quais a maioria era de mulheres e crianças. O CICV foi convidado pelo governo uzbeque a participar de uma visita conjunta com outras agências de socorro a cinco campos de refugiados improvisados na tarde de ontem em Andijan.

" Parece que havia feridos entre os refugiados. Vi uns 40 homens feridos a bala. Duas mães me disseram que perderam seus filhos no caos " , disse o chefe-adjunto da delegação regional do CICV em Tashkent, François Blancy. " As pessoas estão em estado de choque. Algumas falam de casas incendiadas com crianças dentro, e o CICV está realmente preocupado com os relatos de violência e extrema brutalidade " .

Blancy acrescentou que as autoridades estão fazendo o possível para lidar com o fluxo de deslocados, que estão recebendo barracas e colchonetes. O CICV está trabalhando com o Crescente Vermelho Uzbeque e as autoridades para determinar a extensão das necessidades dos refugiados e de que maneira o apoio às autoridades que estão lidando com essa catástrofe humanitária pode ser melhorado.

  Mais informações:  

  Anna Nelson, CICV Genebra, tel: +41 79 217 32 64  

  Pierre-Emmanuel Ducruet, CICV Osh, tel: +996 77 20 22 610  

  Yuriy Shafarenko, CICV Moscou, tel: +7 9 03 545 3534