Mali: ajudar a população do norte a sobreviver

19-06-2012 Relatório de operações

No norte de Mali, a situação da população está cada vez mais precária por causa dos efeitos combinados do conflito e da crise alimentar. Portanto, o CICV e a Cruz Vermelha do Mali preparam-se para reforçar a assistência.

“Nessas regiões rurais e semidesertas, vimos muita gente que mal tem com o que sobreviver”, afirmou o chefe da delegação regional do CICV para Mali e Níger, Jean-Nicolas Marti. “Todas as atividades econômicas estão paralisadas. Dezenas de milhares de pessoas, tanto deslocadas como residentes, precisam de alimentos e artigos de primeira necessidade, como produtos de higiene, e, ainda, elas não têm acesso à assistência à saúde”.

Durante as últimas semanas, as equipes do CICV e da Cruz Vermelha do Mali puderam chegar, pela primeira vez desde fim de março, às áreas isoladas das regiões de Kidal, Tombuctu e Gao.

A combinação da crise alimentar com o conflito armado tem consequências alarmantes para a população,” declarou Marti. A maioria dos chefes de família perderam suas fontes de renda. Para lidar com esta situação , muitos lares se viram obrigados a diminuir a quantidade de vezes que comem por dia e a optar por alimentos pouco consistentes.”

Os saques que ocorreram após os combates, nas principais cidades do norte de Mali, no início de abril, também afetaram as reservas das colheitas destinadas ao consumo, venda e armazenamento de sementes. Esta situação, especialmente difícil na região de Tombuctu, faz com que as condições de vida dos camponeses sejam ainda mais precárias, com o começo da temporada agrícola 2012-2013.

Além da seca, existe o risco de que os pássaros granívoros, os gafanhotos e a cheia insuficiente do Rio Níger tenham efeitos devastadores na produção agrícola.

Neste contexto, que se destaca pela escassa presença de atores humanitários, o CICV e a Cruz Vermelha do Mali preparam-se para prestar uma assistência que compreende gêneros alimentícios e outros artigos essenciais para a população mais vulnerável das três regiões do norte de Mali.

Centros de saúde em precárias condições e escolas fechadas

Nestas regiões, o conflito também acarreta graves consequências para as áreas de saúde e educação.

Quase todos os centros de saúde comunitários localizados fora das cidades cessaram suas atividades porque foram saqueados ou todo o pessoal qualificado foi embora. Os centros que continuam funcionando não conseguem se suprir de medicamentos porque o depósito farmacêutico regional de Gao não atende mais.

Além de ajudar o hospital de Gao e o centro de saúde de referência de Assongo, o CICV também prestará apoio a nove centros de saúde comunitários: cinco em Tombuctu e Gao e quatro no eixo Gao-Kidal.

Outra questão importante é o fechamento de quase todas as escolas no norte de Mali. Muitos estabelecimentos escolares foram saqueados e os professores tiveram que ir embora. Um dos maiores perigos desta situação é que os meninos sejam recrutados pelos grupos armados.

Difícil situação humanitária para os refugiados em Burkina Faso e Mauritânia

No norte de Burkina Faso, estima-se que exista mais de 60 mil refugiados malineses. Esta chegada massiva de pessoas não faz mais do que agravar as condições já precárias no Sahel de Burkina Faso, ainda mais porque os refugiados vieram com seus gado, principal meio de subsistência deles. Os pastos não são suficientes para alimentar as 150 mil cabeças de gado que existem no lugar. Além disso, a presença de tantos animais provoca a deterioração do meio ambiente, o que poderia desencadear tensões na população que os acolheu e os refugiados.

No sudeste da Mauritânia, dezenas de milhares de refugiados malineses que se instalaram em uma zona árida de difícil acesso também necessitam assistência, como artigos básicos e leite. Também se deslocaram com seu gado que está, no entanto, em más condições de saúde.

Nos países mencionados acima e em Níger, o CICV acompanha de perto a evolução da situação humanitária dos refugiados, em coordenação com outros atores humanitários.

O CICV distribuirá mantas, artigos de higiene e utensílios de cozinha para grande parte dos refugiados na Mauritânia, esperando também poder entregar-lhes leite em pó. Em colaboração com a Cruz Vermelha de Burkina Faso, o CICV já forneceu estes mesmos suprimentos em março e abril últimos, beneficiando 18 mil pessoas que se haviam refugiado na província de Udalán, em Burkina Faso. Por último, está prevista uma campanha veterinária para tratar das cabeças de gado nos dois países.

Mais informações:
Germain Mwehu, CICV, Niamei, tel.: +227 97 45 43 82
Steven Anderson, CICV, Genebra, tel.: +41 22 730 20 11 ó +41 79 536 92 50

Foto

Menaka, norte de Mali. Comida sendo descarregada para distribuição. Esta foto foi tirada em março, quando esse tipo de operação ainda era possível. A deterioração da situação de segurança impediu que o CICV continuasse a distribuição de comida e outros suprimentos de primeira necessidade. Contudo, a organização está, no momento, preparando-se para retomar a ajuda no norte de Mali o mais rápido possível. 

Menaka, norte de Mali. Comida sendo descarregada para distribuição. Esta foto foi tirada em março, quando esse tipo de operação ainda era possível. A deterioração da situação de segurança impediu que o CICV continuasse a distribuição de comida e outros suprimentos de primeira necessidade. Contudo, a organização está, no momento, preparando-se para retomar a ajuda no norte de Mali o mais rápido possível.
© CICV / M. Douma

Província de Oudalan, Burkina Faso. Um voluntário da Cruz Vermelha de Burkina Faso cadastra os dados de uma família de refugiados malineses em abril de 2012. Eles têm necessidade urgente de assistência ao chegarem exaustos e empobrecidos, após uma difícil viagem em duras condições. 

Província de Oudalan, Burkina Faso. Um voluntário da Cruz Vermelha de Burkina Faso cadastra os dados de uma família de refugiados malineses em abril de 2012. Eles têm necessidade urgente de assistência ao chegarem exaustos e empobrecidos, após uma difícil viagem em duras condições.
© CICV / v-p-bf-e-00020.jpg