A delegação regional do CICV na Costa do Marfim

29-10-2010 Panorama

A delegação do CICV em Abidjan atende a Costa do Marfim, Benim, Burkina Faso, Gana e Togo. Ajuda as pessoas deslocadas na Costa do Marfim e os refugiados de Mali em Burkina Faso. Em todos os países atendidos pela delegação regional, o CICV visita centros de detenção e ajuda as autoridades a promover o respeito pelo Direito Internacional Humanitário (DIH).

Histórico

O CICV começou o seu trabalho na Costa do Marfim em 1989. Desde 1992, a delegação regional em Abidjan estendeu as suas operações a países como Gana, Togo, Benin e Burkina Faso. Na Costa do Marfim o CICV também conta com escritórios em Gagnoa, Man e Guiglo.
 

Situação humanitária em Burkina Faso

Mais de 60 mil refugiados de Mali chegaram às províncias de Oudalan e Soum, no Sahel. Este fluxo é agravado pelas difíceis condições de vida nessa área, sujeita à desertificação.
 

A Cruz Vermelha Burquinense está ajudando as pessoas que vivem em campos de refugiados. Em fevereiro, o CICV e a Cruz Vermelha Burquinense distribuíram utensílios domésticos essenciais para as famílias refugiadas.
 

Crise pós-eleitoral

Depois do segundo turno das eleições presidenciais em 28 de novembro de 2010, a violência eclodiu rapidamente em Abidjan e em outros lugares do país, tomando proporções de um conflito armado. Embora os combates tenham terminado, ainda há importantes necessidades humanitárias.

Desde que a crise começou, o CICV tem concentrado os seus esforços no oeste do país e em Abidjan. Isso permite que observe de perto a situação à medida que esta se desenvolve, em particular, no que diz respeito ao retorno das pessoas que haviam deixado a região, ao impacto dos conflitos interétnicos, às condições de detenção e aos repetidos incidentes relacionados com as eleições.
 

Apoio a comunidades atingidas por conflitos

O CICV realiza o saneamento de poços e distribui água, alimentos e artigos de primeira necessidade a pessoas que deixaram suas casas. Também oferece às comunidades rurais meios para que elas possam produzir os seus próprios alimentos. Com o objetivo de ajudar o governo marfinense a cumprir com a sua responsabilidade de fornecer água e serviços de saúde básicos, o CICV oferece o seu apoio ao órgão nacional de recursos hídricos e aos centros de assistência médica localizados em áreas de risco. Onde não há instalações para assistência médica, o CICV e a Sociedade da Cruz Vermelha Marfinense instalaram clínicas móveis para atender as pessoas mais atingidas pela crise.
 

Restabelecimento de contato entre familiares

Como consequência do conflito, centenas de famílias foram separadas e passaram pelo sofrimento de não saber o que havia acontecido com seus entes queridos. Muitos marfinenses buscaram refúgio em países vizinhos. Por este motivo, o CICV, em conjunto com as Sociedades da Cruz Vermelha da Guiné, Gana e Libéria passaram a identificar estas pessoas e ajudá-las a retomar o contato com as suas famílias. Algumas, em particular, crianças desacompanhadas, foram levadas de volta às suas famílias. Este é um processo que continua em andamento.
 

Ajuda a detidos

Os delegados do CICV visitam detidos na Costa do Marfim, Benin, Burkina Faso e Togo e transmitem as suas conclusões e recomendações às autoridades em caráter confidencial. Quando necessário, a organização trabalha em conjunto com as mesmas para melhorar as condições de vida e o tratamento oferecido aos detidos. Dependendo da urgência das suas necessidades, o CICV pode distribuir alimentos e artigos de higiene ou tomar medidas para garantir que os detidos tenham acesso à assistência à saúde. O CICV também ajuda a reformar algumas instalações em centros de detenção, em especial cozinhas e instalações sanitárias.

Promoção do Direito Internacional Humanitário

O CICV apoia os esforços das autoridades nacionais para garantir o respeito pelo Direito Internacional Humanitário (DIH). Incentiva as forças armadas e de segurança e grupos armados a cumprirem com o DIH e outras disposições aplicáveis. A organização compartilha com as autoridades suas conclusões sobre como as forças de segurança conduzem suas operações. Também as recorda sobre a importância de respeitar os direitos fundamentais dos civis.
 

Estabelecimento de diálogos com portadores de armas

Devido às latentes tensões políticas e interétnicas em alguns países da região, o CICV iniciou o seu diálogo com as autoridades locais e nacionais, com grupos armados e com membros influentes da sociedade e da mídia. O objetivo deste diálogo é conscientizar sobre o Direito Internacional Humanitário, aumentar a compreensão do mesmo e o seu cumprimento. Estes esforços são fundamentais para garantir a segurança dos funcionários do CICV e da Sociedade Nacional quando estes prestam assistência a pessoas afetadas pela violência.
 

Apoio às Sociedades Nacionais

O CICV se esforça para melhorar a capacidade operacional das Sociedades Nacionais na região oferecendo apoio estrutural, financeiro, material e logístico além de treinamento e assessoria.

Foto

 

© CICV