Brasil: CICV doa EPIs a áreas de Saúde e Educação e maquinário ao sistema prisional do Rio de Janeiro

Equipamentos de proteção individual para o combate à COVID-19 são destinados aos municípios do Rio de Janeiro e Duque de Caxias, parceiros em iniciativa de prevenção e mitigação dos impactos da violência

11 maio 2020
Brasil: CICV doa EPIs a áreas de Saúde e Educação e maquinário ao sistema prisional do Rio de Janeiro
Foto: AF Rodrigues/CICV

Brasília (CICV) – Buscando apoiar as populações mais vulneráveis à COVID-19 em momento de escassez de equipamentos de proteção individual (EPIs), o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) doou nesta semana máscaras N95, máscaras descartáveis triplas e álcool em gel 70% aos municípios do Rio de Janeiro (RJ) e de Duque de Caxias (RJ) e também à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A instituição também forneceu máquinas industriais para produção de máscaras à Secretaria de Estado de Administração Penitenciária do Rio.

O estado do Rio de Janeiro é o segundo mais afetado no Brasil pela COVID-19, com 17.062 casos confirmados e 1.714 mortes, segundo dados do Ministério da Saúde nesta segunda-feira (11).

"Os municípios do Rio de Janeiro e de Duque de Caxias já são parceiros do CICV na iniciativa Acesso Mais Seguro para Serviço Públicos Essenciais", afirmou a chefe da Delegação Regional do CICV no Brasil e Cone Sul, Simone Casabianca-Aeschlimann. "Como trabalhamos com eles justamente nas áreas da saúde, tão pressionada durante a pandemia, e da educação, buscamos apoiá-los com essa necessidade tão urgente que são os equipamentos de proteção individual, escassos no mundo todo", completou.

A redistribuição dos insumos doados a unidades de saúde e escolas será feita pelas Secretarias Municipais de Saúde e de Educação de Duque de Caxias e de Educação do Rio de Janeiro. Nesta ação, o CICV está doando 4 mil máscaras e 1 mil frascos de 500 ml de álcool em gel 70% a esses dois municípios parceiros do Acesso Mais Seguro.

Para além das doações, o CICV está promovendo ações para o fortalecimento do respeito e do cuidado da saúde física e mental dos profissionais de saúde, assistência social e educação nas cidades em que têm parcerias para a implementação do Acesso Mais Seguro.

Doações ao sistema penitenciário estadual

Doações foram feitas ao sistema prisional do Rio de Janeiro. Foto: AF Rodrigues/CICV

Foto: AF Rodrigues/CICV

O CICV se preocupa com o alto risco de propagação de doenças infecciosas como a COVID-19 no sistema penitenciário, pela alta concentração de pessoas nos centros de detenção, além de outras vulnerabilidades, como doenças pré-existentes. No Rio, a instituição está doando à Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP) dez máquinas industriais seladoras e tecido tipo TNT suficientes para a produção de 25 mil máscaras.

O maquinário é importante para a produção contínua das máscaras e também para fabricação de outros itens passada a pandemia. "As máquinas industriais seladoras, além de produzirem máscaras respiratórias, podem ser utilizadas na produção de aventais, sacolas, bolsas, carteiras, dentre outros produtos. A ideia é pensar na sustentabilidade pós-COVID-19 e capacitar os privados de liberdade em outras produções rentáveis no futuro", explica o chefe do escritório do CICV no Rio de Janeiro, Paulo Roberto Oliveira. Outro ponto positivo é que o trabalho ajuda a reduzir os tempos de pena privativa de liberdade.

O CICV no Rio de Janeiro

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) conta com um escritório no Rio de Janeiro e atua continuamente na cidade desde 2009, quando realizou um projeto para responder às consequências humanitárias da violência armada. Atualmente, o escritório se concentra na implementação da metodologia Acesso Mais Seguro para Serviços Públicos Essenciais em parceria com autoridades estaduais e municipais para prevenir e mitigar os efeitos da violência em escolas, hospitais, unidades de saúde e outras instalações de saúde, educação e assistência social.

O escritório do CICV também mantém diálogo com autoridades de diversas áreas, como Segurança Pública e da Administração Penitenciária, relacionadas às respostas ao Desaparecimento de Pessoas, tem interlocução com a Cruz Vermelha Brasileira (CVB), cuja sede é no Rio, e organização que junto com o CICV, a Federação Internacional da Cruz Vermelha e outras 191 Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha compõem o Movimento Internacional da Cruz Vermelha, maior rede humanitária do mundo.

Sobre o CICV

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) é uma organização humanitária internacional com sede na Suíça e presença em mais de 100 países. A missão da instituição é levar proteção e assistência a vítimas de conflitos armados e violência armada. 

Em todo o mundo, o CICV está adaptando seu trabalho, atuando diretamente ou apoiando parceiros em ações de prevenção ou combate à propagação do novo coronavirus. No fim de março, o Movimento Internacional da Cruz Vermelha, maior rede humanitária do mundo, que reúne do CICV, a Federação Internacional da Cruz Vermelha e as Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha lançamos um apelo conjunto para mais de 800 milhões de dólares adicionais para atender as populações mais vulneráveis do mundo. Todas as pessoas são bem-vindas a contribuir por meio da página de doações do CICV: https://doe.cicv.org.br

Nota aos editores:

• Acesse aqui gratuitamente fotos das distribuições (o uso das imagens é gratuito, mas solicitamos que o crédito seja dado a AF Rodrigues/CICV)
• Leia mais sobre o que o CICV está fazendo no Brasil e nos países do Cone Sul durante a pandemia.
• Conheça a metodologia Acesso Mais Seguro para Serviços Públicos Essenciais.
• Leia mais sobre o apelo por recursos emergenciais do Movimento Internacional da Cruz Vermelha para assistir os mais vulneráveis à pandemia de Covid-19.

Mais informações:

Diogo Alcântara, CICV Brasília, (61) 98248-7600, dalcantara@icrc.org
Sandra Lefcovich, CICV Brasília, (61) 98175-1599, slefcovich@icrc.org
WhatsApp (Inscreva-se para receber avisos de pauta): https://whats.link/cicvbrasil